Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Iveco opera a todo o vapor para atender a demanda

Mercado | 18/10/2018 | 21h04

Iveco opera a todo o vapor para atender a demanda

Fábrica de Sete Lagoas só não produz mais por falta de velocidade dos fornecedores

SUELI REIS, AB | De Chapecó (SC)

A fábrica da Iveco em Sete Lagoas (MG) trabalha a todo o vapor e com todos os recursos possíveis para atender a crescente demanda do mercado de caminhões, que neste ano deve atingir as 85 mil unidades produzidas, considerando o volume total de produção do setor, estima a empresa, que inclui os modelos semileves na conta. Embora o volume cresça por conta de um mercado em franco crescimento, a marca deverá manter sua participação entre 6% e 7% neste ano.

“Estamos trabalhando os cinco dias úteis da semana, os sábados e fazendo horas extras, utilizando assim toda a capacidade possível de um turno, porque já estamos produzindo pedidos de 2019”, conta o gerente de trade marketing e de desenvolvimento comercial da Iveco, Jesiel Tasso.

O executivo afirma que produziria mais não fosse pela falta de capacidade de alguns fornecedores, que têm mais dificuldade para entregar o volume necessário conforme a demanda. “A cadeia demora mais para iniciar a curva de aumento da produção porque o mercado está crescendo mais do que o esperado”, comenta. “Mas estamos com uma fila semelhante à média do mercado, em torno de quatro meses”, revela.

Apesar disso, a empresa comemora o bom momento do segmento pesado, claramente impulsionado pelo agronegócio, que não vive só de grãos. A fabricante destaca a forte atuação de seus veículos pesados, como o Hi-Way e Tector, no oeste de Santa Catarina, mais precisamente em Chapecó e região, onde está localizada a maior parte de empresas produtoras de alimentos do segmento frigorífico no Brasil. Ali, se desenvolveram muitas transportadoras dedicadas e exclusivas para atender o negócio refrigerado.

O grupo de concessionárias Carboni com sede em Chapecó é representante Iveco desde que a montadora chegou ao País, há mais de 20 anos. Seu fundador, Osmar Carboni, estima que 70% do transporte nacional por caminhões frigorificados têm origem na região. A empresa que tem oito casas espalhadas pela Região Sul do Brasil é responsável por 13% das vendas de caminhões pesados da Iveco no País – o segmento é responsável por 70% dos negócios do grupo. Em termos de representatividade nas vendas de pesados da marca, só perde para a Cofipe, outro grupo de concessionários e representantes Iveco.

A Carboni já registrou a venda de 170 caminhões por mês em anos mais vigorosos – atualmente, o grupo contabiliza 90 vendas mensais, das quais 40 a 50 são de veículos pesados. Só neste ano, o grupo entregou 50 caminhões para um único cliente e um dos maiores transportadores da região que atua em todo o território nacional, a Framento.

“Do total de 150 caminhões novos que comprei este ano, 50 são da Iveco. Esta compra programei e fechei em 2017 na Fenatran. Para 2019, já estou programando mais cem caminhões”, conta o empresário e fundador Luis Framento, que pretende investir algo em torno de R$ 70 milhões nos veículos novos no ano que vem. “Mesmo nos piores anos da crise, entre 2015 e 2017, sempre comprei de 50 a cem caminhões por ano; no setor que atuo o cliente exige um caminhão bom e novo, por isso a idade média da nossa frota não chega a três anos”, completa.

Embora os ventos soprem a favor, o gerente comercial da Carboni, Marcelo Velloso indica que o mercado ainda não atingiu seu potencial pré-crise. “O mercado de 2018 ainda será aquém da média que o mercado nacional tem capacidade. Vale lembrar que em 2016 o mercado reduziu para 25% do que era em 2013. O ideal seria algo em torno de 120 mil ou 130 mil caminhões por ano. ”



Tags: Iveco, fábrica, Sete Lagoas, vendas, produção, agronegócio, Chapecó, caminhões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência