Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
DAF mira 10% do mercado de caminhões acima de 40 toneladas

Comerciais | 17/08/2018 | 17h18

DAF mira 10% do mercado de caminhões acima de 40 toneladas

Com foco em qualidade, fabricante busca elevar presença com fidelização de clientes

SUELI REIS, AB

A DAF Caminhões comemora a boa fase do mercado brasileiro de veículos pesados de carga e aproveita para reforçar sua estratégia de crescer e aparecer. O novo presidente da companhia no Brasil, Carlos Ayala, que assumiu o cargo há pouco mais de um mês, reforça que uma de suas principais metas é aumentar a participação da marca no mercado, além de elevar a fidelização por meio da satisfação do cliente.

“Estamos próximos de atingir os 10% de market share no segmento acima de 40 toneladas, com isso, vamos colocar a DAF entre os principais players do mercado”, afirma Ayala, presidente da DAF.

Com discurso otimista, mas conservador, Ayala acredita que a marca deva alcançar a meta entre o curto e médio prazo, o que pode significar, inclusive, já nos resultados deste ano. “Vamos tentar”, disse.

A DAF foi a montadora de caminhões que registrou o maior índice de crescimento no ano passado: 55,7%, com o emplacamento de 1.048 unidades, o que lhe garantiu participação de 7,2% e quarta posição no ranking, considerando apenas o mercado acima de 40 toneladas. No mercado total, a marca fechou 2017 em sétimo lugar e 2% de market share.

Este ano, os números continuam positivos: em julho, por exemplo, a marca registrou recorde vendas mensais, com 275 caminhões emplacados e participação de 70,2%.

“Tenho a convicção de que vai se repetir frequentemente”, declarou o diretor comercial, Luis Gambim, sobre os bons números registrados até agora.

Prestes a completar seu quinto ano de operação no Brasil, em outubro próximo, a DAF é cautelosa em cada passo. Gambim conta que a busca incessante pela qualidade em todos os aspectos – produto e atendimento ao cliente – mantém a marca nos trilhos. Embora o executivo admita que exista fila de espera extensa para o segmento - para se ter ideia, toda a produção deste ano da DAF já está vendida – ele defende a manutenção do cliente a fim de fortalecer a marca e elevar a taxa de fidelização.

“Até poderia estar vendendo mais caminhões que estou vendendo hoje, mas temos foco nos objetivos, primeiro, alcançar os 10% no mercado em que atuamos e isso também se faz ganhando a confiabilidade do cliente. Não temos pressa, queremos crescer com segurança e solidez”, afirma.

Dados da companhia revelam que a base de clientes cresceu 60% só este ano e que 40% deles são recorrentes. Para isso, a montadora tem apostado grandes esforços na rede de concessionárias, hoje formada por 35 pontos de venda.

Ao mesmo tempo, o executivo não menospreza a força do mercado e afirma que está nos planos aumentar gradativamente a produção em sua fábrica paranaense de Ponta Grossa. Ele diz que o ritmo está crescente, e embora a marca não divulgue mais seu número de produção, informa que neste ano deve mais que dobrar o volume com relação ao de 2017, quando produziu 1,2 mil caminhões.

“Estamos operando em um turno e eventualmente em alguns sábados. A fábrica tem capacidade para produzir 10 mil por turno, então, temos muito espaço para crescer.”



Tags: DAF, presidente, Michael Kuester, Carlos Ayala.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência