Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Rota 2030 é considerado bom por representantes de indústria e governo
Representantes da indústria e governo abrem o Simea 2018 com elogios ao Rota 2030

Indústria | 01/08/2018 | 20h38

Rota 2030 é considerado bom por representantes de indústria e governo

Fabricantes de veículos e autopeças elogiam o programa no Simea

PEDRO KUTNEY, AB

Mesmo ainda dependente de muitas regulamentações, a nova política industrial para o setor automotivo para os próximos 15 anos, contida no programa Rota 2030, foi elogiada por representantes da indústria e do governo durante a abertura 27º Simpósio de Engenharia Automotiva, Simea 2018, na quarta-feira, 1º, que este ano traz como tema “A rota para o futuro da mobilidade”, em consonância com o momento de definições. “A AEA (Associação de Engenharia Automotiva, que organiza o evento) participou ativamente das discussões do Rota 2030 durante mais de um ano, mas sabemos que ainda há muito trabalho para de fato implantar o programa”, pontuou Edson Orikassa, presidente da entidade, que forneceu consultoria técnica para elaboração do projeto.

Ao contrário do que aconteceu com o Inovar-Auto, desta vez o programa setorial incluiu benefícios fiscais também para os fornecedores de autopeças, o que recebeu elogios de Dan Ioschpe, presidente do Sindipeças, entidade que reúne as principais empresas da cadeia de suprimentos dos fabricantes de veículos no País.

“É o programa que nossa indústria precisava. Nosso setor se sente recompensado pelo que foi proposto. O Sindipeças esteve envolvido nas discussões e considera que o apoio à pesquisa e desenvolvimento [das empresas de autopeças] é um fator estruturante, diferente dos programas anteriores, que permite a inserção do País na cadeia global de produção automotiva”, disse Ioschpe.



Na mesma linha, Antonio Megale, presidente da associação nacional de fabricantes de veículos, a Anfavea, comemorou a aprovação da Medida Provisória que cria o Rota 2030 como fator fundamental para reter pesquisa e desenvolvimento do setor no País.

“O Rota 2030 traz a visão de longo prazo que faltava, não é o fim, é só o começo. O programa incentiva investimentos estratégicos em pesquisa e desenvolvimento, para tornar o País relevante não só como grande produtor de veículos, mas também como gerador de tecnologia, especialmente a relacionada ao uso de biocombustíveis, que poderíamos perder sem o apoio local”, afirmou Megale.



Marcos Jorge de Lima, ministro da Indústria (MDIC), pasta onde o Rota 2030 foi gestado, destacou que o programa cria condições para o desenvolvimento no País de veículos mais eficientes, econômicos e seguros, com consequente redução de gasto de combustível, emissões de poluentes e acidentes de trânsito.

“Temos uma política moderna, que torna o Brasil atraente para o desenvolvimento de tecnologias usadas em toda a cadeia automotiva, em linha com grandes centros da Europa e Japão. Precisamos de veículos com mais tecnologia para transformar o País em um grande exportador para toda a América Latina. Temos capacidade para isso”, destacou o ministro Marcos Jorge.



Para Rogelio Golfarb, presidente do Simea deste ano e vice-presidente da Ford América do Sul, o Rota 2030 é fundamental para trazer previsibilidade ao setor e direcionar investimentos. “Não podemos trabalhar e definir programas futuros sem essas diretrizes”, defende. Mas ele reconhece que o programa não resolve todas as questões. “Temos ainda muitas batalhas pela frente. É preciso pensar em como o Brasil vai se inserir da cadeia global de produção do setor automotivo, para com isso gerar crescimento econômico e emprego no País”, sublinhou.

INCENTIVOS SATISFATÓRIOS



Um dos principais articuladores do Rota 2030 no MDIC, Igor Calvet, secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial da pasta, considerou o formato final do programa satisfatório para incentivar a indústria local, com a devolução de 10% dos investimentos em pesquisa e desenvolvimento feitos para abater do Imposto de Renda e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) das empresas, além de prêmios para as empresas que superarem metas de eficiência energética e segurança.

“Quando começamos a discutir o projeto, é fato que queríamos dar muito mais benefícios a P&D do que o que foi aprovado, mas olhando para a restrição fiscal que o País atravessa e a condenação do programa anterior Inovar-Auto na OMC (Organização Mundial do Comércio), fizemos o que foi possível, focando [os incentivos fiscais] em tecnologias de tendência (que pode elevar o desconto a até 20%). Além disso, também preservamos o desconto do IPI para atingir metas de eficiência energética e segurança, que são ambiciosas e deixarão o País em linha com a União Europeia. Somando tudo, avaliamos ser sim suficiente para incentivar o setor a adotar as tecnologias necessárias”, defendeu Calvet.

O secretário também destacou a duração do Rota 2030 e a imposição de padrões mínimos de segurança e emissões para todos os veículos vendidos no País, sejam importados ou nacionais. “São padrões que melhoram o produto no horizonte de longo prazo. Pela primeira vez temos uma política industrial que perpassa o período eleitoral e dá uma visão de 15 anos à frente”, disse.



Tags: Rota 2030, MDIC, Ministério da Indústria, política industrial setorial, Inovar-Auto, Simea, indústria automotiva.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência