Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
PSA projeta mais um ano rentável na América Latina
Patrice Lucas, presidente da PSA, avalia cenário no Brasil e na América Latina

Mercado | 31/07/2018 | 14h18

PSA projeta mais um ano rentável na América Latina

Brasil deve voltar ao lucro até 2021, quando o grupo espera aumentar a participação de mercado para 5%

SUELI REIS, AB | De Porto Real (RJ)

Há três anos o Grupo PSA comemora seu desempenho positivo na América Latina: após anos conturbados, a companhia vem registrando lucro nos últimos três anos, desde o exercício de 2016 e ao que tudo indica, com as vendas 1,7% maiores no primeiro semestre e um volume de 98 mil unidades já entregues na região, este será mais um ano positivo, embora no Brasil a empresa ainda registre prejuízo.

“Apesar do contexto desfavorável, 2018 indica que seremos rentáveis novamente na região”, afirma o presidente do Grupo PSA para o Brasil e América Latina, Patrice Lucas, que também é membro do comitê executivo da companhia. “Nosso objetivo é tornar o Brasil rentável no mais tardar até 2021, quando termina o plano estratégico global Push to Pass”, acrescenta.

Segundo o executivo, que assumiu a operação da região em março deste ano, o cenário na América Latina permite ao grupo planejar um crescimento rentável, ainda que a participação permaneça estável em 3,9%, considerando os dados da primeira metade de 2018. Fora do Mercosul, as vendas se mostram mais robustas, onde o crescimento é de 19%. Lucas atribui o desempenho à bem-sucedida ofensiva de produtos em toda a região para o segmento leve, principalmente na categoria SUV, com os novos Peugeot 2008, 3008 e 5008, além dos utilitários Citroën Jumpy e Berlingo e Peugeot Partner, estes dois últimos renovados e lançados na última semana por aqui.

Já no Brasil, a PSA avalia que o mercado se comporta diferente desde a greve dos caminhoneiros, no fim de maio, que impactou toda a economia do País. O presidente da montadora afirma que é difícil ter uma visão clara porque o mercado e as condições econômicas mudam com frequência. “Se em 2011 falávamos que o mercado chegaria a 5 milhões de unidades em 2018, sabemos que hoje a projeção da indústria é de 2,4 milhões de veículos vendidos para no ano. Também é importante ressaltar as mudanças do PIB: esperava-se até pouco tempo um crescimento de 3%, mas hoje se fala em algo próximo de 1,3%.”

Contudo, ele reforça que a estratégia local está consolidada dentro dos fundamentos do plano global Push to Pass, focada na busca pela eficiência da operação, com a redução dos custos ao mesmo tempo em que trabalhará com produtos que permitem elevar seu valor agregado e consequentemente, o preço final para o consumidor.

“A meta para o Brasil é elevar nossa participação nesse mercado, atualmente em 1,9% para 5% até 2021 com novos produtos, o que inclui o novo Citroën C4 Cactus, que será lançado já no fim deste mês”, revela.

Dos 16 novos modelos previstos para a região entre 2016 e 2021, a empresa já lançou sete deles, faltando nove. Segundo Lucas, o plano é que cada uma das marcas do grupo lance um modelo por ano até lá. Entre os lançados, estão os Peugeot 3008 e 5008, além do utilitário Expert, além dos Citroën C4 Lounge, Jumpy, Berlingo e o próximo já com data marcada, o novo SUV compacto Cactus (leia aqui).



Tags: PSA, Peugeot, Citroën, fábrica, lucro, rentável, mercado, Patrice Lucas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência