Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Morte de Marchionne interrompe trajetória do salvador de Fiat e Chrysler

Indústria | 25/07/2018 | 18h52

Morte de Marchionne interrompe trajetória do salvador de Fiat e Chrysler

Criador e primeiro CEO da FCA morre aos 66 anos e deixa legado histórico

PEDRO KUTNEY, AB

Uma admirável trajetória chegou ao fim no hospital da Universidade de Zurique, Suíça, onde Sergio Marchionne faleceu aos 66 anos na manhã da quarta-feira, 25, após complicações de uma cirurgia. O mais carismático e provocativo executivo-chefe da indústria automotiva na atualidade, Marchionne entra para os livros de história por ter salvado da falência iminente dois dos maiores grupos do setor, primeiro Fiat e depois Chrysler, que se fundiram com a criação da FCA em 2014.

A FCA deve muito de sua transformação em empresa rentável e global ao seu idealizador, que arquitetou a formação de uma maiores fabricantes de veículos do mundo – que por ironia do destino, pela primeira vez, apresentou balanço financeiro semestral (leia aqui) com dívidas zeradas, justamente no mesmo dia da morte do principal arquiteto e estrategista desse resultado, antecipado por ele próprio no início de junho em apresentação a analistas e jornalistas dos planos da empresa para os próximos cinco anos, quando até usou uma improvável gravata (indumentária que sempre recusou) para anunciar que a FCA tinha pagado as dívidas e vivia seu melhor momento (leia aqui).

“Infelizmente, o que temíamos aconteceu. Sergio Marchionne, homem e amigo, se foi”, relatou em comunicado John Elkann, CEO da Exor, holding da família Agnelli controladora dos grupos FCA, CNH Industrial e Ferrari, dos quais Machionne foi o CEO por 14 anos, até semana passada. No sábado, após ter sido alertada que o estado de saúde do executivo havia piorado para colapso irreversível, a diretoria da empresa se reuniu às pressas para adiantar a sucessão que estava prevista para acontecer só em abril de 2019. O chefe das marcas Jeep e Ram, o inglês Mike Manley, foi nomeado novo CEO da FCA (leia aqui).

Algo inesperado até a semana passada, a causa exata da morte de não foi revelada. O site italiano Lettera43 sustenta que o executivo sofreu uma embolia pulmonar enquanto estava sendo operado para retirada de um sarcoma (tipo de câncer) do ombro. A doença – e sua morte – foi possivelmente a única grande derrota de Marchionne ao longo dos últimos 14 anos que passou no comando do conglomerado de empresas da família Agnelli. O italiano que passou a adolescência e o início de sua vida profissional no Canadá, onde se formou em filosofia, administração, advocacia e se tornou contador, conseguiu virar um jogo que muitos analistas acreditavam ser impossível de ganhar – e fez isso duas vezes, nos grupos Fiat e Chrysler.

“Minha família e eu seremos para sempre gratos pelo que ele fez”, reconheceu Elkann no comunicado. “Acredito que a melhor maneira de honrar sua memória é construir o legado que ele nos deixou, continuando a desenvolver os valores humanos de responsabilidade e abertura dos quais ele foi o mais fervoroso campeão”, resumiu o presidente do conselho de administração da FCA.

LEGADO


Concordando ou não com seus métodos e estratégias, muitos dos principais executivos do setor manifestaram admiração pelo legado deixado por Marchionne. “A indústria automotiva perdeu um verdadeiro gigante”, publicou no Twitter o CEO do Grupo Daimler/Mercedes-Benz, Dieter Zetsche, que dirigiu a Chrysler na época que a companhia pertencia ao grupo alemão e perdia muito dinheiro. “Sergio criou um legado admirável para a indústria automotiva”, declarou Mary Barra, CEO da GM, que poucos anos atrás foi tomada pelo braço por Marchionne para passear com ele nos corredores do Salão de Detroit, levando jornalistas e fotógrafos à loucura em meio às especulações que as duas companhias negociavam uma fusão.

Tamanha fama e reconhecimento foram construídos no setor em pouco tempo, começando em 2004, quando Marchionne foi chamado pelos Agnelli para assumir o Grupo Fiat, que registrou prejuízo de US$ 2,5 bilhões naquele ano e estava à beira da falência. Poucos se lembram que antes disso o executivo já tinha salvado outra empresa, trabalhado como CEO na bem-sucedida reestruturação da seguradora suíça SGS, que chamou a atenção dos donos da corporação italiana.

Marchionne fechou fábricas ineficientes, renegociou dívidas e conseguiu fazer a General Motors recomprar por cerca de US$ 2 bilhões uma participação societária que a Fiat tinha na companhia americana. Depois promoveu investimento de € 10 bilhões em 20 novos produtos em apenas quatro anos. O caixa voltou ao azul antes do fim daquela década, dando oportunidade a outro negócio arriscado: a compra da Chrysler, também em estado falimentar, em processo que começou gradualmente no fim de 2009.

De forma inacreditável para muitos, Marchionne reestruturou o grupo Chrysler, se livrou do empréstimo caro do governo americano, reformulou a linha de produtos e, em poucos anos, transformou problema em nova salvação. Graças à recuperação da economia dos Estados Unidos e à mudança de preferência dos consumidores por utilitários esportivos em todo o mundo, as marcas Jeep de SUVs e a de picapes Ram – esta última separada por ele da divisão Dodge quando assumiu o comando da Chrysler em 2009 – atualmente sustentam a rentabilidade da FCA e são as que receberão a maior porção dos investimentos de € 45 bilhões programados no novo plano quinquenal, até 2022.

Marchionne conseguiu garantir a rentabilidade da companhia ao conter até agora os pesados investimentos que toda a indústria automotiva vem fazendo em novas tecnologias disruptivas, em um movimento que o executivo chamou de “destruição de capital”, já que todas as marcas gastam bilhões para desenvolver soluções de direção autônoma e propulsões alternativas que, se compartilhadas, poderiam custar bem menos.

Para desviar dos altos custos sem ficar para trás em tecnologia, a estratégia da FCA até aqui foi firmar parcerias mais baratas com outros fabricantes e fornecedores, como é o caso de Waymo e BMW para o desenvolvimento de condução autônoma e eletrificação do powertrain.

IRÔNICO E EXÓTICO


Muitas vezes irônico e sem papas na língua, Marchionne criou para si a imagem de oráculo exótico do setor, atraindo as atenções de multidões de jornalistas ávidos por discursos e declarações de efeito de um executivo de aparência desalinhada e sem vaidades, pouco convencional para boa parte de seus vaidosos pares da indústria.

Avesso a paletós e gravadas, muitas vezes descabelado recém-saído do sofá que dormia ou do jatinho que o transportava pelo mundo, sempre metido em um pulôver escuro – para evitar o que chamava de desperdício de tempo ao se vestir –, Marchionne tornou-se maior do que as duas companhias que salvou do precipício. Como última ironia, morreu justamente no dia da divulgação oficial do último resultado financeiro que ajudou a construir.

“Sergio era muito especial, único. Não há dúvida que ele fará muita falta”, admitiu o novo CEO Mike Manley, durante a divulgação do balanço semestral na quarta-feira. O bom resultado financeiro apresentado não conteve a queda acima de 10% das ações da FCA negociadas nas bolsas de Nova York e Milão, como prova de dúvida do mercado sobre como a companhia irá sobreviver sem o seu maior estrategista. Manley certamente terá dificuldade de trabalhar sob uma sombra tão grande, ante inevitáveis comparações que surgirão com alguém incomparável.



Tags: Marchionne, FCA Fiat Chrysler, história, carreira, obituário.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência