Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Déficit comercial de peças chega a US$ 2,8 bilhões em 5 meses

Balanço | 18/07/2018 | 19h22

Déficit comercial de peças chega a US$ 2,8 bilhões em 5 meses

Paralisação dos transportes em maio afetou mais as exportações do que importações

REDAÇÃO AB

Nem mesmo a greve dos caminhoneiros conseguiu frear a expressiva evolução negativa da balança comercial de autopeças. Segundo o mais recente levantamento mensal do Sindipeças, entidade que reúne cerca de 400 empresas do setor, de janeiro a maio o déficit acumulado somou quase US$ 2,8 bilhões, valor 21,6% mais alto que o verificado no mesmo período de 2017. As importações de componentes em cinco meses somaram US$ 5,9 bilhões e cresceram 16,6% ante o ano passado, superando o resultado das exportações de US$ 3,1 bilhões, em alta de 12, 4%.



- Faça aqui o download dos resultados da balança comercial de autopeças
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



A paralisação do transporte de cargas no País no fim de maio mais as exportações do mês (US$ 532 milhões), que registraram expressiva queda de 20,8% em relação a abril e de 15% na comparação com maio de 2017. As importações (US$ 1,15 bilhão) também caíram, mas recuaram bem menos, apenas 5,9% contra o mês anterior, e registraram alta de 11% ante maio de 2017.

Com o resultado, a balança comercial das autopeças registrou déficit mensal de US$ 621 milhões em maio, 51% mais alto que o observado um ano antes.

Além da paralisação do transporte de cargas, o Sindipeças pontua que a crise financeira na Argentina, maior mercado comprador das autopeças brasileiras, também impactou negativamente a balança comercial do setor. A entidade lembra ainda que a maior puxada nas importações se deu porque o registro é feito assim que os componentes desembarcam no País, independentemente da movimentação de carga em território nacional, por isso o valor contabilizado de autopeças importadas foi menos afetado pela greve. Já as exportações só são contabilizadas quando chegam ao porto, o que não ocorreu com os caminhões parados.

A desvalorização do real, da ordem de 13,4% somente em maio, ajuda a elevar as exportações, mas também interfere na contabilização das vendas ao exterior, puxando para baixo o valor em dólares. Ao mesmo tempo, as importações em crescimento indicam aquecimento das linhas brasileiras de produção de veículos.

MAIORES IMPORTADORES E EXPORTADORES


Pela ordem, Argentina, Estados Unidos, México e Alemanha seguem sendo os maiores compradores de autopeças brasileiras, respondendo juntos por 66% das vendas de componentes ao exterior no período janeiro-maio de 2018. E o mercado argentino continua folgado como maior destino das exportações de peças do Brasil, com e quase um terço (30,6% e) de participação no volume total vendido, o mercado argentino comprou US$ 950 milhões em cinco meses, valor que representa crescimento de 13% diante de igual período do ano anterior. Identificam-se ainda os Estados Unidos, México, Alemanha e Chile, com respectivas participações de 17,9%, 10,3% e 7,3% e 3,4%, representando os principais destinos das exportações das empresas do setor. Já os maiores exportadores de peças ao Brasil de janeiro a maio seguem sendo, pela ordem, China (12,4%), Alemanha (11,8%), Estados Unidos (11,3%), México (9,5%) e Japão (8,8%), que juntos correspondem a mais da metade dos componentes importados pelo País. O maior crescimento das importações este ano é da Alemanha (+35,4%), seguida de perto pelo México (+33,3%) e Japão (+30,5%), enquanto o aumento de peças chinesas chegou a 26,1%.



Tags: Sindipeças, autopeças, balança comercial, importação de peças, exportação de peças, balanço, resultado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência