Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Produção de motos cresce 16,7% no 1º semestre

Indústria | 11/07/2018 | 19h09

Produção de motos cresce 16,7% no 1º semestre

Período apresentou a primeira alta após sete anos seguidos de retração

MÁRIO CURCIO, AB

A produção de motos no primeiro semestre somou 494,7 mil unidades, registrando alta de 16,7% sobre o mesmo período do ano passado. O resultado da primeira metade do ano só não foi melhor porque a greve dos caminhoneiros prejudicou o escoamento das motos no fim de maio e, consequentemente, a produção em junho, a ponto de alguns fabricantes anteciparem férias coletivas que ocorreriam em julho. Os números foram divulgados pela Abraciclo, entidade que reúne fabricantes do setor.



- Faça aqui o download dos dados da Abraciclo
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



É a primeira vez em sete anos que o primeiro semestre registra alta sobre o mesmo período do ano anterior. A última vez que isso havia ocorrido foi em 2011, ano recorde do setor, em que a primeira metade do ano já registrava a produção de 1,1 milhão de unidades.

Como consequência, os fabricantes revisaram para cima suas projeções. Em vez de 935 mil motos montadas em Manaus e alta de 5,9%, a Abraciclo estima agora 980 mil unidades e acréscimo de 11%.

Também pelas novas estimativas, os emplacamentos devem atingir 915 mil motocicletas, crescendo 7,5% sobre 2017. A projeção anterior apontava 865 mil motos e discreta alta de 1,6%.

“Revimos os números a partir de uma expectativa de 3,6 mil motos emplacadas por dia útil neste segundo semestre”, afirma o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian.



De acordo com o executivo, o aumento da oferta de crédito e o crescimento da participação dos consórcios favoreceram as vendas internas. Mas também é verdade que, de todos os segmentos de veículos, o setor de motos foi o que registrou o maior impacto negativo nas vendas em junho, como consequência não só da greve dos caminhoneiros, mas também pela Copa do Mundo e das festas juninas no Nordeste (leia aqui). Não fosse isso, as vendas do semestre fechariam em alta mais expressiva que os 6,9% anotados.

CRESCE A PARTICIPAÇÃO DE SCOOTERS


A venda de scooters no primeiro semestre somou 31,5 mil unidades, registrando alta de 21,9% sobre o mesmo período do ano passado. Com isso, a participação do segmento passou de 6,4% para 7%. O segmento avançou claramente sobre as motos urbanas, cuja participação recuou de 51,8% para 50,3%.

Também avançaram sobre as motos urbanas os modelos trail (para uso misto) de baixa cilindrada, cuja fatia de mercado passou de 21,5% para 22,1%. Por causa das suspensões mais altas e resistentes, esses modelos também são muito utilizados para entregas.

ABRACICLO REVISA EXPORTAÇÕES PARA BAIXO


De janeiro a junho os fabricantes instalados em Manaus exportaram 41 mil motos, anotando alta de 26,6% sobre igual período do ano passado. A projeção inicial era de enviar até o fim do ano 85 mil motos ao exterior, anotando alta de 3,9% sobre 2017.

A Abraciclo reviu para baixo sua projeção anual, agora em 80 mil unidades e leve queda de 2,2% ante 2017. O motivo: assim como ocorre nos setores de automóveis, comerciais leves e veículos pesados, o principal destino das motos também é a Argentina, que responde por 74,2% dos embarques. A desvalorização do peso e a retração no mercado vizinho obrigaram a Abraciclo a recalcular sua estimativa.

Além da dificuldade logística para exportar motos a partir de Manaus, as fábricas instaladas no Brasil têm dificuldade de concorrer com produtos asiáticos (sobretudo chineses) de baixa cilindrada. Somente Honda e Yamaha conseguem enviar seus produtos ao exterior.

Depois da Argentina, os maiores mercados de exportação são Estados Unidos (6,4% de participação), Colômbia (5%), Austrália (4,6%) e México (2,3%). Peru, Canadá, Guatemala, Panamá e El Salvador são outros destinos frequentes das motos brasileiras.



Tags: Motos, motocicletas, scooters, Abraciclo, Marcos Fermanian, exportações.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência