Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
FCA promete investimento de R$ 14 bilhões no Brasil
Linha de produção do Polo Automotivo Jeep em Goiana (PE): novos produtos a caminho

Indústria | 25/06/2018 | 20h21

FCA promete investimento de R$ 14 bilhões no Brasil

Maior parte dos recursos será usada até 2022 no desenvolvimento de produtos, incluindo novos 3 SUVs Fiat e mais um Jeep

PEDRO KUTNEY, AB

A FCA (Fiat Chrysler Automobiles) anunciou investimentos no Brasil de R$ 14 bilhões no período 2018-2022. Pelo câmbio atual o valor representa cerca de € 3 bilhões, ou menos de 7% do investimento global de € 45 bilhões revelado em 1º de junho, durante o Capital Markets Day, em Balloco, na Itália, quando o grupo informou a investidores e imprensa sua situação atual e planos para os próximos cinco anos (leia aqui e aqui).

Antonio Filosa, que há três meses assumiu o comando da divisão América Latina da FCA, confirmou que “cerca de 90%” dos aportes serão usados em lançamentos e no desenvolvimento de novos produtos que serão produzidos nas duas fábricas brasileiras do grupo em Betim (MG) e Goiana (PE). Entre as principais novidades, estão incluídos na nova safra três SUVs Fiat (subcompacto, compacto e grande de sete assentos) um novo Jeep de sete assentos, além da nova geração da picape compacta Fiat Strada e uma picape média Ram (com local de produção ainda indefinido), conforme também foi adiantado no início deste mês (leia aqui).

“Ao todo, até 2022 planejamos 15 ou mais lançamentos Fiat e 10 ou mais Jeep/Ram no Brasil e na América Latina, considerando todas as renovações de produtos e modelos completamente novos”, informa Filosa.



Segundo o CEO da FCA Latam, o “mais” colocado após os lançamentos previstos significa que o número poderá crescer conforme surgirem as oportunidades de mercado. “Por exemplo, tínhamos planejado 10 novidades para a Fiat nos próximos cinco anos, mas revisamos e subimos para 15 porque identificamos novos espaços a ocupar. Por isso falamos em 15+ e 10+”, explica Filosa.

As novidades não incluem só produtos, mas também o powertrain. Até 2020 deve ser lançada uma versão turbinada do motor Firefly e novas versões de transmissões automáticas. “Queremos democratizar o câmbio automático”, afirma o CEO.

O executivo também disse que não há mais necessidade de grandes aportes em ampliação das fábricas: “Já temos bastante capacidade na região, podemos fazer 1,25 milhão de veículos/ano. Mas vamos continuar investindo em tecnologia, digitalização das plantas, processos da indústria 4.0, para aumentar qualidade e produtividade e reduzir custos de produção. Goiana já é uma das plantas mais modernas do mundo, nasceu com muita automação, e modernizamos muito Betim. Mas seguiremos evoluindo”, afirma.


Filosa, há três meses no comando da FCA Latam, vai pilotar plano de investimento de R$ 14 bilhões da empresa no Brasil

Com a crescente demanda pelos Jeep produzidos em Goiana – apenas dois modelos, Renegade e Compass, já abocanham mais de 5% de participação no mercado brasileiro este ano –, não está descartada uma futura ampliação de capacidade da fábrica pernambucana, dos atuais 250 mil/ano para 350 mil. “Se aumentarmos a linha de produtos vamos precisar expandir a planta”, admite Filosa.

Ele também prevê a expansão gradual do número de fornecedores no raio de 50 km da fábrica. Hoje, segundo o executivo, os produtos feitos em Goiana já têm 70% de componentes nacionais e metade deles vêm de Pernambuco. “Já visitei fornecedores que querem ir, porque para alguns itens é antieconômico enviar de longe. Nos próximos anos mais 15 a 20 empresas deverão se instalar no Estado para fornecer ao Polo Jeep.”

PLANO PARA GANHAR MAIS NA AMÉRICA LATINA



Filosa avalia que o plano de lançamentos preparado para os próximos cinco anos na América Latina deverá recuperar parte do terreno perdido pela Fiat e ampliar a participação já crescente da Jeep. “Vamos aumentar nosso share com novos produtos e maior alcance de mercado, principalmente para a Fiat com os novos SUVs.”

“De acordo com pesquisas que consultamos, 63% da geração dos millennials (nascidos a partir dos anos 1980) querem carros bonitos e que sejam smartphones sobre rodas, que andam. Pois é exatamente isso que vamos oferecer nos próximos anos”, resume Filosa.

Com isso, o CEO destaca que a região da América Latina é onde o faturamento da FCA mais vai crescer nos próximos cinco anos, à razão de 5% ao ano, em um mercado total estimado pelo grupo de 4,4 milhões de unidades este ano (2,4 milhões só no Brasil), para chegar a 5,2 milhões em 2022 (3 milhões no Brasil).

A rentabilidade também estará entre as maiores do mundo. Segundo relatório financeiro divulgado em Balloco no início do mês, o grupo tem meta de obter margem de ganho sobre vendas de 10% a 12% nos mercados latino-americanos (exceto México), porcentual idêntico ao esperado para a divisão Nafta (Estados Unidos, Canadá e México) e abaixo dos 8% a 10% projetados para Ásia-Pacífico e de 5% a 7% para Europa, África e Oriente Médio.

ROTA 2030



Filosa diz continuar acreditando na aprovação do Rota 2030, o programa de desenvolvimento setorial automotivo que vem sendo discutido há mais de um ano e teve seus incentivos barrados pelo Ministério da Fazenda.

“A premissa de todo nosso plano de negócio é a aprovação rápida do Rota 2030”, confia Filosa.



SEM NECESSIDADE DE ELETRIFICAÇÃO



Do plano de € 45 bilhões a FCA promete investir € 9 bilhões até 2022 em eletrificação. Não está descartada a vinda de modelos elétricos e híbridos das marcas do grupo para o Brasil, mas Filosa repetiu a mesma convicção da diretoria da empresa: “O País não tem necessidade de eletrificação porque aqui já existe uma solução pronta para reduzir emissões, o etanol, com emissões tão baixas quanto a de um carro elétrico quando se mede da plantação ao escapamento, como está determinado [nas metas de eficiência energética] pelo Rota 2030, que torna possível o desenvolvimento de novos produtos com base no etanol”, explica.

“Para ampliar as ofertas, poderemos aproveitar no mercado brasileiro alguns dos muitos lançamentos de carros eletrificados que vamos fazer, mas com o Rota 2030 isso não será obrigatório [para atingir metas]”, diz Filosa.



Tags: FCA, Fiat Chrysler Automobiles, investimentos, indústria, Fiat, Chrysler, Jeep, Ram, lançamentos, Antonio Filosa.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência