Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Com Yaris, Toyota amplia base de fornecedores e investimentos no Brasil
O novo Toyota Yaris produzido no Brasil: 72 fornecedores

Autopeças | 07/06/2018 | 18h00

Com Yaris, Toyota amplia base de fornecedores e investimentos no Brasil

Carro produzido em Sorocaba nasce com 75% de componentes nacionalizados e foi vetor de novas fábricas de autopeças

PEDRO KUTNEY, AB

Para lançar o Yaris brasileiro produzido em Sorocaba (SP), a Toyota investiu R$ 1 bilhão, mas também provocou investimentos paralelos de fornecedores. Alguns inclusive construíram novas fábricas e linhas de produção especialmente para atender demandas trazidas pelo novo carro, que nasce com 75% de componentes nacionais e ampliou a base de suprimentos da montadora, com aumento no número de peças compradas, pois o Yaris compartilha poucos itens com outros modelos da marca feitos aqui.

A Toyota tem atualmente o total de 130 fornecedores no Brasil e trabalho de desenvolvimento do Yaris aglutinou 72 empresas; seis delas vão fornecer pela primeira vez à fabricante japonesa no Brasil.

Cerca de 70% dos fornecedores do Yaris brasileiro também fornecem para Etios já fabricado em Sorocaba, mas a maioria dos componentes é diferente. A grande maioria (63) está localizada no Estado de São Paulo, sendo nove empresas bem ao lado da fábrica, no parque de fornecedores montado pela Toyota desde o início da operação ali em 2012.

Estes nove vizinhos fornecem de 70% a 80% das peças consumidas na linha de produção – são os itens de maior tamanho, mais difíceis de transportar, como bancos, vidros e chapas de aço. Além de São Paulo, a cadeia formada pelo Yaris se espalha por Minas Gerais (5), Paraná (3) e Rio Grande do Sul (1).

NOVOS FORNECEDORES E INVESTIMENTOS



O Yaris foi o vetor de novos investimentos de seus fornecedores no Brasil. Entre as empresas que pela primeira vez estão fazendo negócios com a Toyota no Brasil, a NAL, do Grupo Koito, no ano passado construiu uma fábrica em Sorocaba que irá fornecer os faróis de LED que equipam as versões de topo do novo carro. O primeiro cliente da planta é a Toyota.

O mesmo acontece com a Hi-lex, que para atender a montadora inaugurou em março passado, perto da cidade de Itu (SP), unidade de produção de cabos de controle mecânico, como freio de estacionamento, para travamento de porta e abertura de porta-malas.

Também na região de Sorocaba, a Gestamp investiu em uma nova linha de roll forming para moldar a estrutura metálica dos para-choques do Yaris.

DESENVOLVIMENTO RIGOROSO



Todas as empresas envolvidas no projeto do Yaris passaram pelo rigoroso processo de desenvolvimento da Toyota, que tem cinco etapas até o início do fornecimento regular de peças e envolve o trabalho conjunto dos departamentos de compras, qualidade e controle de produção (manufatura), que participam do chamado SPTT, de Supplier Parts Track Team (algo como “Time de Acompanhamento dos Fornecedores de Componentes”).

“O desenvolvimento antecipa problemas para evitá-los desde o início da produção. Se o fornecedor não fizer [componentes] com qualidade não adianta nada, não dá para corrigir na linha de montagem. Por isso mantemos uma relação de trabalho conjunto [com as empresas da cadeia de autopeças]”, explica Celso Simomura, vice-presidente da Toyota do Brasil responsável por compras.



O trabalho começa com a classificação estratégica do fornecedor, que tipo de material vai fornecer, onde vai produzir (fábrica nova ou antiga), quais os critérios de qualidade e processo envolvidos, se é a primeira vez que trabalha com a Toyota...

Feitas as escolhas, na primeira etapa do SPTT é montada uma agenda para definir ferramentais, processos produtivos e validações. Na segunda fase é feita a preparação industrial para o início da produção. Aí começam a ser feitas as primeiras amostras para auditoria e possíveis correções. Quando são detectados problemas em outros níveis da cadeia, como no fornecimento de insumos para os fornecedores, a Toyota também atua para encontrar soluções.

Por fim é feito um teste de produção em larga escala, que pode variar de uma hora de produção até um turno inteiro. Todos os procedimentos e equipamentos envolvidos são avaliados, até o número de peças produzidas por minuto, para checar a produtividade e qualidade do fornecedor. É feito um diagnóstico e soluções são propostas para evitar gargalos produtivos ou problemas de qualidade. Só depois de aprovado em todas essas avaliações o fornecedor começa a entregar as peças para produção da Toyota.

A montadora também tem à disposição dados de sua rede mundial de produção, o que torna mais rápida a adoção de determinados processos e ferramentas. “Em muitos casos, usando exemplos internacionais, já sabemos o que funciona e o que não dá certo para tornar a produção mais eficiente”, pontua Simomura.

O MAPA DOS 72 FORNECEDORES DO TOYOTA YARIS









Tags: Toyota, Yaris, desenvolvimento de fornecedores, autopeças, cadeia de suprimentos, compras, NAL, Gestamp, Hi-Lex.

Comentários

  • PauloAlessandro Souza de Oliveira

    Excelenteartigo, contribui para o conhecimento técnico e crescimento profissional. Parabéns, sucesso para nós sempre.

  • Gilberto

    Esseartigo resume uma das bases que sustentam essa grande marca . As 5 etapas de preparação da manufatura são rigorosamente avaliadas onde conseguem simular e detectar todos os modos de falha definindo as correcoes e ou prevenções para garantir a produção em massa totalmente sincronizada.

  • RaimundoChuvas

    Ótimamatéria mas está faltando na lista de fornecedores a Harman que fornece o sistema de navegação.

  • Cassiano

    Parabénspela matéria.

  • AlexandreIvan Guercov

    Bomdia, Gostaria de informar que somos fornecedores da Toyota nas unidades de power train, fornecemos silicones para fechamento dos motores de todos os veículos ThreeBond do Brasil Ind. Com. Ltda. Para mais informações, estamos a disposição.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência