Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo planeja lançar caminhão elétrico no Brasil em 2019

Tecnologia | 19/04/2018 | 19h55

Volvo planeja lançar caminhão elétrico no Brasil em 2019

Companhia pretende vender FL Electric para atender demanda tecnológica local, que avança mais rápido do que o esperado

GIOVANNA RIATO, AB

A Volvo estuda lançar seu primeiro caminhão elétrico no Brasil em 2019. O modelo, versão zero emissão do semipesado FL, é destinado à distribuição de produtos e mercadorias, para distâncias curtas, e já foi apresentado na Europa, onde já roda em teste e começa a ser vendido ainda neste ano. “A demanda local surpreende. Os clientes querem associar a sua marca a tecnologias sustentáveis”, conta Alan Holzmann, diretor de estratégia de negócios da companhia no Brasil. Ele cita que, globalmente, o modelo compete com o Tesla Semi com a vantagem de chegar antes ao mercado e de ser produzido por uma empresa com tradição no setor de transportes.

Segundo ele, o modelo é capaz de percorrer 300 quilômetros com apenas uma carga na bateria. O executivo aponta que a tecnologia foi desenvolvida a pedido de um cliente europeu. Holzmann conta que a evolução do caminhão foi rápida porque a montadora já contava com soluções eletrificadas e precisou apenas adaptar o sistema. A Volvo garante que o possível lançamento da novidade no Brasil não será uma resposta à concorrência depois de a MAN ter apresentado caminhão elétrico no ano passado. “Para nós, na verdade, é muito bom contar com outras empresas para dar força ao movimento do transporte sustentável, para divulgar a tecnologia”, diz.

Segundo a empresa, o FL Electric é solução adequada a logística nas cidades, onde a bateria pode ser recarregada no anda-e-para do tráfego urbano e a autonomia é mais do que o suficiente para os trajetos diários. Para as estradas, a Volvo testa na Europa caminhão híbrido até agora com bons resultados, mas sem previsão local de lançamento. A companhia já tem experiência na produção de ônibus híbridos. No Brasil a montadora vendeu as primeiras unidades com a tecnologia em 2012 e chegou a nacionalizar a montagem. Com a queda da demanda, a operação está suspensa, mas a fabricante calcula que o País conte com 400 ônibus da marca com a tecnologia em circulação.

CAPACIDADE DAS BATERIAS AUMENTA E PREÇOS CAEM


Segundo a Volvo, ainda não foi necessário trocar as baterias dos ônibus híbridos que rodam no Brasil. A empresa calcula que os dispositivos tenham vida útil de 10 anos em veículos, mas depois possam ter um segundo destino em situações menos severas, como a de armazenagem de energia gerada em painéis solares, por exemplo. “Há startups surgindo com o objetivo de dar a destinação correta a baterias que já não funcionam mais para a indústria automotiva”, conta Holzmann, estimando que os dispositivos possam ser usados por mais 20 ou 30 anos em outras aplicações, mas sem especificar como resolver o problema ambiental das baterias a partir daí.

Segundo ele, os preços das baterias estão em franca queda, com perspectiva de aumento do potencial de armazenamento de energia. A Volvo aponta que o movimento é puxado pelo segmento de veículos leves, que investe fortemente no desenvolvimento de elétricos.

BRASIL NA VANGUARDA TECNOLÓGICA


Segundo Holzmann, o Brasil tem se destacado globalmente pela demanda tecnológica para o setor de transportes.

“Há muito tempo a diferença entre o lançamento de algumas tecnologias aqui e em outros mercados vem diminuindo. É um país emergente economicamente, mas premium quando se trata de caminhões, com marcas importantes nas primeiras posições do ranking de vendas”, diz.


Como exemplo, o executivo cita a importância local para o desenvolvimento de caminhões autônomos. Depois da Suécia o Brasil é o segundo lugar do mundo a receber uma operação de veículos autoguiados da marca, em Maringá (PR), onde caminhões Volvo operam de forma autônoma na colheita de cana-de-açúcar. Segundo a montadora, os resultados são bastante positivos até aqui.

AUTÔNOMOS APENAS EM CIRCUITOS FECHADOS


Lars Terling, vice-presidente global da Volvo Trucks, visitou o Brasil para acompanhar mais uma etapa da Volvo Ocean Race, regata que tem uma de suas paradas em Itajaí (SC). O executivo apresentou à imprensa algumas das apostas tecnológicas globais da companhia, incluindo automação e eletrificação. Segundo ele, no entanto, o motorista nunca perderá seu papel essencial no transporte de carga, ainda que a tecnologia avance. “O que fazemos é criar novos sistemas para ajudá-lo a enxergar o que ele não pode ver sozinho”, conta.

Apesar de a empresa trabalhar com caminhões autônomos em duas operações reais – no Brasil e na Suécia, Terling é um tanto cético quanto ao avanço da tecnologia nas estradas. “Veremos muito disso em operações fechadas, onde é possível ter controle maior. Quando se trata de levar caminhões autônomos nas estradas tudo fica mais complicado, com situações difíceis de prever”, diz, sem dar um prazo para que a indústria consiga superar este desafio. Segundo ele, a tendência é que os caminhões contem com muitos sistemas de assistência à direção, mas sem isentar o motorista de conduzir e gerenciar o transporte em algum nível.



Tags: Volvo, caminhão elétrico, FL, tecnologia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência