Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Marchionne: Brasil deve exportar mais e apostar no etanol
Ketter e Marchionne no Polo Automotivo Jeep de Goiana (PE): defesa do aumento das exportações e biocombustível como solução pronta para o País

Indústria | 26/03/2018 | 19h56

Marchionne: Brasil deve exportar mais e apostar no etanol

CEO da FCA afirma que País tem grande chance de aumentar sua relevância global

PEDRO KUTNEY, AB | De Goiana (PE)

O CEO da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), Sergio Marchionne, defende que o Brasil deve se transformar em polo exportador de veículos, ao mesmo tempo em que tem a vantagem do etanol como solução pronta para reduzir as emissões de CO2 que o resto do mundo ainda tem dificuldades para fazer. “Temos duas grandes plantas aqui (Betim-MG e Goiana-PE) e pela primeira vez temos grande capacidade de exportar”, afirmou o executivo em visita à fábrica pernambucana, o Polo Automotivo Jeep, onde participou de evento para anunciar a abertura do terceiro turno de trabalho no Polo Automotivo Jeep, em Goiana (PE).

“O Brasil sempre foi muito isolado, olhando muito para dentro de si, é hora de reconhecer a importância das exportações e incentivar seu crescimento”, afirmou Marchionne.



O executivo alertou, no entanto, que “navegar para esse objetivo não é fácil, não se faz do dia para noite, é preciso criar condições, reduzir custos de produção e importação”, avaliou. “A América Latina, especialmente o Mercosul, tem oportunidade de ganhar mais importância no cenário internacional. Queremos entregar essa mensagem ao governo, ao presidente Temer”, disse, minutos antes de se encontrar com o mandatário, também presente na cerimônia oficial na fábrica de Goiana).

“Esperamos agora por uma reação do mercado (brasileiro), mas seria mais interessante caminhar para o crescimento sustentável, o que requer a criação de uma plataforma de exportações e de regulamentação para prever investimentos. Nossos projetos começam com três a quatro anos de antecedência, se não sabemos o que vai acontecer fica difícil planejar o futuro”, acrescentou Stefan Ketter, até aquele momento presidente da FCA América Latina – depois de coordenar a construção do Polo Automotivo Jeep em Goiana e promover a transformação industrial da fábrica de Betim e de Córdoba, na Argentina, Ketter volta agora a se dedicar exclusivamente à vice-presidência global de manufatura do grupo, que acumulava com a gestão da operação latino-americana, e passa o comando da divisão para Antonio Filosa (leia mais aqui).

“A base de fornecedores também é fundamental para exportar. Se não tiver componentes produzidos localmente é difícil ser competitivo. É preciso recuperar essa cadeia no País”, defende Ketter.

ETANOL



Quando surgiu a inevitável questão dos carros elétricos, Marchionne foi enfático em defender a solução brasileira para reduzir emissões veiculares de CO2: “É possível criar um modelo de negócio para veículos elétricos, mas há outros caminhos e nesse sentido o Brasil tem posição invejável com o etanol. O País precisa explorar essa solução que já tem dominada antes de se preocupar em importar baterias, até porque nenhum elétrico bate o etanol em emissão de CO2”, afirmou.

“Meu conselho: não comecem a criar coisas que não precisam, foquem na produção de etanol”, defende Marchionne.



Ketter completou: “O etanol é parte importante do Rota 2030”, disse, em alusão ao programa de desenvolvimento do setor automotivo que vem sendo discutido com o governo há quase um ano, mas até agora não foi adotado por divergências entre os ministérios da Indústria (a favor) e da Fazenda (contra) sobre concessão de incentivos à indústria.

BRASIL



Apesar dos constantes altos e baixos da economia brasileira, Marchionne mostrou-se otimista com a evolução do País: “A prova do meu otimismo são os investimentos aqui que somam R$ 22 bilhões nos últimos seis anos”, destacou. “O Brasil continua sendo um mercado de destaque em nossos planos de desenvolvimento internacional”, acrescentou. “Estamos finalmente saindo daquela que foi a mais longa recessão da história brasileira. Três anos que pareciam ser infinitos. A Inflação foi novamente posta sob controle, o mercado volta gradualmente a crescer, os sinais positivos começam a ser muitos e consistentes”, avaliou.

Marchionne credita a contínua perda de participação de mercado da Fiat à mudança da demanda, que ocorre não só no Brasil, em direção aos SUVs. “Em fevereiro passado os SUVs e picapes representaram 70% das vendas nos Estados Unidos. É um dado que revela a velocidade dessa tendência, muito rápida. Diante desse quadro a Jeep estava no lugar certo, inclusive aqui no Brasil onde cresceu de forma acelerada (lidera o segmento de SUVs com Compass e Renegade), a Fiat sofreu mais com essa mudança”, avaliou.



Tags: FCA Fiat Chrysler Automobiles, Sergio Marchionne, negócios, estratégia, indústria, etanol, exportação, Polo Automotivo Jeep.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência