Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
VW completa 65 anos no Brasil e estuda contratar na Anchieta
Montadora apresentou o novo Tiguan durante a cerimônia de 65 anos na fábrica da Anchieta

Estratégia | 23/03/2018 | 21h0

VW completa 65 anos no Brasil e estuda contratar na Anchieta

Companhia opera no topo da capacidade na planta e prepara unidade paranaense para fazer T-Cross

GIOVANNA RIATO, AB

A Volkswagen comemorou 65 anos de história no Brasil na sexta-feira, 23, em evento na fábrica da Anchieta, no ABC paulista, a primeira fábrica da companhia no Brasil, que marcou a estreia da montadora fora da Alemanha. Ao longo das mais de seis décadas, foram feitos ali 23 milhões de veículos, A festa foi animada não só por causa da data, mas pela aceleração dos negócios nos últimos meses com os bons resultados do Polo e do Virtus no mercado. Os modelos puxaram o ritmo de produção da planta, que está perto do topo de seu capacidade. “Estamos fazendo 1.036 carros por dia em três turnos e temos potencial para 1.100 unidades/dia”, conta Pablo Di Si, CEO da empresa na América do Sul.

O executivo estuda como resolver o bem-vindo problema, que acontece logo após longo período de ociosidade provocado pela crise nas vendas de veículos - quando milhares de funcionários trabalhavam com jornada reduzida ou tiveram suspensão temporária de seus contratos. Segundo ele, há três caminhos para solucionar a situação. O primeiro e mais imediato é contratar novos funcionários. Outra opção, de médio prazo, é trabalhar para elevar a produtividade da operação. O terceiro caminho, de longo prazo, é investir para ampliar a capacidade produtiva. “As três possibilidades estão em estudo. Não há nada definido, mas pode ser que a decisão seja por contratar trabalhadores nos próximos meses”, sinaliza.

VW QUER A LIDERANÇA DE VOLTA


Se depender das ambições de Di Si, investir para ampliar o potencial produtivo logo após a pior crise já enfrentada pela indústria nacional soa razoável. Isso porque a companhia pretende recuperar a liderança de mercado perdida nos últimos anos após o Gol liderar o ranking de vendas por quase três décadas consecutivas.

“Em 2017 o total de emplacamentos evoluiu 9% e nós encerramos o ano com alta de 19% nos nossos resultados. Em 2018 queremos, mais uma vez, crescer o dobro do mercado”, diz.

Pelo menos por enquanto a empresa tem alcançado a meta. O dirigente conta que até a sexta-feira, 23, o volume da marca já era 43% superior ao dos primeiros quatro meses do ano passado. Enquanto isso, o mercado avançou 22%. A alta garante à fabricante o segundo lugar em vendas, com 15% de market share, atrás apenas da General Motors. Di Si não pretende manter esta posição por muito tempo: “Queremos a liderança no médio prazo”, diz. Por médio prazo entenda-se: “bem menos do que dois anos”, ambiciona, evitando dar muitos detalhes. Além do crescimento das vendas internas, as exportações também vão bem: a empresa quer encerrar 2018 com 180 mil carros brasileiros negociados em outros mercados.

FÁBRICA DO PARANÁ PREPARA PRODUÇÃO DO T-CROSS


A estratégia de crescimento da Volkswagen inclui plano de investimento de R$ 7 bilhões para lançar 20 produtos no Brasil. Depois do Polo e do Virtus foi a vez da Amarok V6 Highline e, em abril, chega o novo Tiguan, importado do México com opções de 5 ou 7 lugares. O modelo foi apresentado durante a cerimônia de 65 anos da montadora.

A gama de SUVs da companhia vai crescer ainda com o T-Cross, fabricado na planta de São José dos Pinhais (PR). Di Si afirma que o modelo chegará ao mercado apenas em janeiro de 2019. O prazo parece um tanto longo, já que a empresa até mesmo interrompeu a produção da fábrica entre 16 de março e 1º de maio para adaptar a linha de montagem para o novo carro. A expectativa era de que o modelo chegaria ainda no segundo semestre deste ano.

Enquanto a unidade da Anchieta opera em três turnos, perto do máximo de sua capacidade, a planta do Paraná segue afetada por layoff, a suspensão temporária dos contratos de trabalho. Ali são feitos os produtos da família Fox e ainda o Golf. Com a chegada do T-Cross, Di Si espera equilibrar o ritmo na unidade e garantir nível mais alto de ocupação.

Tags: VW, Volkswagen, 65 anos, produção, vendas, mercado, estratégia, Pablo Di Si.


Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência