Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Citroën renova C4 Lounge com aposta em vendas maiores

Lançamentos | 14/03/2018 | 20h25

Citroën renova C4 Lounge com aposta em vendas maiores

Sedã feito na Argentina chega ao Brasil em duas versões de R$ 93.920 e R$ 102.790

PEDRO KUTNEY, AB | De Buenos Aires (Argentina)

Começa a ser vendido no Brasil até o fim do mês o Citroën C4 Lounge 2019, que passou por sua primeira reestilização (leve) desde o lançamento original, em 2013, e agora chega em duas versões: Feel (R$ 93.920) e Shine (R$ 102.790). Ele é único Citroën que permanece sendo importado da Argentina e o primeiro a sair da fábrica de El Palomar após processo de revitalização da planta (leia aqui), que envolve investimento de US$ 320 milhões do Grupo PSA para modernizações e aumento de produtividade – lá também são feitos os Peugeot 308, 408 e Partner. Com a linha de produção argentina em operação normal, a direção da Citroën espera aproveitar o efeito novidade para aumentar o volume de vendas do sedã no mercado brasileiro, onde foram emplacadas apenas 3,3 mil unidades em 2017, em queda de 17% sobre o ano anterior.

“Em 2017 tivemos baixa oferta do C4 Lounge por causa das mudanças na fábrica. Agora que temos volume projetamos aumentar em 40% as vendas do carro no varejo”, afirma Nuno Coutinho, diretor de marketing da Citroën do Brasil.



Segundo a Citroën, as vendas do C4 Lounge no varejo foram de cerca de 2 mil unidades no ano passado. Portanto, a estimativa é que este ano avancem para 2,8 mil. Supondo que os negócios diretos com frotistas continuem no mesmo nível, os emplacamentos podem superar 4 mil. “Acreditamos que o varejo é o canal mais saudável para crescer e é onde podemos avançar mais, com a conquista de novos clientes pelas ações que estamos fazendo”, avalia Coutinho, referindo-se ao processo iniciado há cerca de um ano com a reestruturação da rede de concessionárias e promoção da recuperação de imagem da marca, envolvendo manutenções a preços fixos e criação de plano de fidelização para troca do usado pelo novo, para preservar o valor de revenda dos carros Citroën, fator que afugenta consumidores.



O segmento de sedãs médios onde está o C4 Lounge gira atualmente pouco mais de 150 mil carros/ano e vem perdendo clientes para os utilitários esportivos. “É verdade que houve muitos lançamentos e migração para os SUVs, mas não é todo mundo, ainda existem interessados em sedãs, que ainda mantêm importância dentro do mix”, diz o diretor, informando que o único três-volumes da marca vendido no País representa algo em torno de 20% das vendas da Citroën no mercado brasileiro.

Coutinho destaca que os preços do sedã (que subiram cerca de R$ 4 mil em relação ao ano/modelo 2017) foram cuidadosamente ajustados para competir. Ele garante que a versão de topo Shine (R$ 102.790), que espera ser a mais vendida com 55% dos emplacamentos, é mais barata do que todos os principais concorrentes equipados com pacotes equivalentes. Por essas contas, o Citroën C4 Lounge seria R$ 15.110 mais barato que o Toyota Corolla (campeão de vendas do segmento), R$ 3.410 abaixo do Honda Civic EXL (o vice-líder) e R$ 6.400 mais em conta que o Chevrolet Cruze (o terceiro colocado entre os sedãs médios). “Sabemos que é muito difícil tomar vendas dos dois que dominam de 60% a 70% desse mercado (Corolla e Civic), mas temos agora uma oferta competitiva para tomar dos outros, temos o melhor preço pelo nível oferecido de equipamentos”, avalia o executivo.

Outra oferta do C4 Lounge que Coutinho espera ser bem aceita no mercado é da versão especial PCD, para pessoas com deficiência, que será vendida por R$ 69.990. “É o único sedã médio disponível hoje com preço para ser oferecido com isenção integral de IPI e ICMS. É um canal importante para aumentar as vendas do modelo”, diz.

GLOBAL EMERGENTE, MAS HONESTO





O C4 Lounge é o único sedã médio da Citroën no mundo, vendido só na China, parte da América Latina (Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai e Venezuela) e países do Leste Europeu. Por isso os engenheiros e designers do Grupo PSA desenvolveram o carro e sua reestilização a partir dos escritórios de Paris, Xangai e São Paulo. “Foi uma receita de bolo em que cada um colocou seus ingredientes e depois fizemos um shake”, conta Fabien Darche, gerente de estilo da companhia na América Latina. É um modelo global parcial, destinado a mercados emergentes. Na Europa a marca simplesmente desistiu do segmento, fabrica apenas um sedã pequeno e partiu para outras frentes, para evitar trombadas com as outras marcas do Grupo PSA, Peugeot, DS e Opel.

Segundo a Citroën, a reestilização do sedã argentino começou a ser pensada em maio de 2015. Desde então, 50 profissionais trabalharam no projeto, em 93 carros que rodaram 170 mil quilômetros em testes entre Argentina e Brasil. “Foi concebido para a América Latina e para ser feito em Palomar”, diz Coutinho.

As principais diferenças visuais do C4 Lounge lançado agora em relação ao modelo de 2013 estão na dianteira, com grade frontal e faróis sobriamente redesenhados, além de aumentar o ângulo de ataque, para passar por buracos e valetas sem raspar embaixo – algo que sempre afetou muitos Peugeot e Citroën no Brasil. Na versão de topo, a iluminação agora é Full LED. Nas laterais e traseira quase nada mudou, foram aplicados apenas retoques cosméticos, especialmente um friso cromado na tampa do porta-malas e novas lanternas (com o mesmo desenho, mas redesenhadas internamente com efeito 3D). As rodas de liga leve de 17 polegadas também ganharam novo desenho.



O interior continua bem acabado, acima da média dos concorrentes, com confortáveis bancos revestidos com couro e painel frontal emborrachado. As principais novidades estão no quadro de instrumentos, agora 100% digital (mas monocromático, sem grandes pretensões tecnológicas), e na central de infoentretenimento com tela central sensível ao toque de 7 polegadas, que além dos tradicionais controles de navegação por GPS, espelhamento com smartphone e sistema de som (com seis alto-falantes), agora também agrega as funções do ar-condicionado (que migraram do painel para dentro da tela).

Apesar dos mais de 10 anos do projeto conjunto entre o Grupo PSA e BMW, o motor 1.6 THP turbinado continua sendo um dos pontos altos dos Citroën e Peugeot que o utilizam. É o caso do C4 Lounge, que segue usando o eficiente e dinâmico propulsor ajustado para ser flex, bicombustível, gerando 173 cavalos e torque de 24,5 kgfm a apenas 1.400 rpm, quando alimentado 100% com etanol. Combina bem com a transmissão automática Aisin de seis velocidades. O powertrain oferece um carro com acelerações espertas e a suspensão e direção bem calibradas garantem condução estável. É um sedã ao mesmo tempo confortável, espaçoso internamente, de tamanho comportado por fora, mas ágil e bastante agradável de dirigir.

A segurança é garantida por quatro airbags (dois frontais e dois laterais) na versão básica e seis na de topo (acrescenta dois laterais tipo cortina para proteger a cabeça dos ocupantes). Ambos vêm de série com sistema eletrônico de controle de estabilidade (ESP) e tração, além dos obrigatórios freios com ABS (antitravamento) e distribuição eletrônica de frenagem (EBD).

Ambas as versões são bastante completas, com direção elétrica, ar-condicionado digital de duas zonas e acionamento elétrico de vidros e travas. O C4 Lounge Feel vem de série com rodas de liga leve 17”, câmera de ré, navegador integrado ao sistema de infoentretenimento, bancos revestidos com couro e airbags laterais. A versão Shine acrescenta rodas com acabamento diamantado, faróis full LED, travamento-destravamento por aproximação da chave e liga-desliga por botão no painel (keyless), teto solar e o airbag de cortina.



Tags: Grupo PSA, Citroën, C4 Lounge, lançamento, sedã, mercado, fábrica, investimento, indústria.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência