Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
O legado de Raul Randon

Indústria | 05/03/2018 | 13h59

O legado de Raul Randon

Um dos mais admirados empresários do setor automotivo no Brasil encerra sua trajetória

REDAÇÃO AB

Uma das mais admiráveis histórias do setor automotivo nacional foi encerrada no último sábado, 3, com o falecimento de Raul Anselmo Randon, internado desde dezembro em São Paulo e que sofreu uma parada cardíaca após complicações de uma cirurgia no fêmur. Raul, fundador das Empresas Randon, estava com 88 anos e deixa um verdadeiro legado ao transformar sua empresa em uma das poucas corporações bem-sucedidas da indústria automotiva de capital nacional, que resistiu ao domínio estrangeiro e se tornou uma competitiva multinacional brasileira, graças especialmente ao espírito empreendedor de seu patriarca.

Determinação e persistência marcam a vida de Raul Randon, bem como o planejamento e trabalho em equipe, desde a pequena ferraria fundada em 1949 por ele e seu irmão Hercílio Randon, e que se transformou no conglomerado de nove empresas fornecedoras de produtos e soluções em transporte, líder no mercado brasileiro e agora presente em todos os continentes.

“Fomos ousados em vislumbrar e sonhar o futuro; fomos prudentes nos investimentos e avanços tecnológicos; fomos fortes nos momentos de crise, na adversidade. Por acreditarmos no Brasil, sempre projetamos produtos afinados com o progresso, apostando no desenvolvimento nacional”, costumava afirmar Raul Randon.

A história de quase 70 anos das Empresas Randon confunde-se com a trajetória pessoal e profissional de seu próprio fundador. Descendente da segunda geração de imigrantes italianos que foram para o Rio Grande do Sul, Raul nasceu em Tangará (SC), em 6 de agosto de 1929. Filho de Abramo e Elisabetha Randon, Raul recebeu uma educação muito rígida voltada para o trabalho; o autodidata bem-sucedido adquiriu conhecimentos por meio de cursos rápidos, palestras, seminários, mas principalmente na vida, aprofundando seus conhecimentos nas áreas administrativas, financeiras, de custos, vendas, produção e, posteriormente, agricultura, fruticultura e pecuária. Começou a trabalhar cedo, aos 14 anos na ferraria do pai, permanecendo ali até os 18 anos, quando, em 1948, foi prestar serviço militar obrigatório. Em 1949, associou-se ao irmão em sua pequena oficina de reforma de motores em Caxias do Sul (RS), onde tudo começou. Casou-se aos 26 anos, em 1956, com Nilva Therezinha Randon, formando uma família com cinco filhos: David, Roseli, Alexandre, Maurien e Daniel.

O pequeno negócio na área metalmecânica deu início a uma das mais importantes companhias da indústria automotiva da América do Sul. Atualmente, o grupo empresarial Randon está integrado pelas empresas controladas, além de filiais e escritórios em todos os continentes. No Brasil, a companhia mantém 7,8 mil empregos diretos.

Raul Randon permaneceu todo estes anos próximo dos negócios. Até então, ocupava o cargo de presidente do conselho de administração da Randon Implementos. Também era membro do conselho consultivo da Parceiros Voluntários e da Câmara de Indústria e Comércio, ambas de Caxias do Sul-RS, além de diretor-presidente do Instituto Elisabetha Randon e diretor-presidente da Rasip Alimentos, negócio da família que produz queijos, vinhos e mantém a produção e cultivo de maças.

Como administrador, Raul se preocupou em cercar-se de profissionais competentes, tecnicamente bem preparados nas diferentes áreas de suas empresas, dando-lhes autonomia e compartilhando com eles os benefícios do sucesso moral, social e financeiro. O sucesso empresarial, a prosperidade e solidez dos negócios não mudaram a forma simples com que Raul Randon sempre se relacionou com todos, dentro e fora da empresa. Foi, sobretudo, um homem simples, que construiu sua vida com muito trabalho, e reconhecidamente um homem dedicado à família e à comunidade.

Por todas as suas conquistas empresariais e vida exemplar, Raul foi várias vezes reconhecido pelo homem de negócios e sobretudo, por sua sempre gentil maneira de lidar com todos ao seu redor. Recebeu mais de 150 homenagens em vida, destacando-se entre elas Comendador da Cruz de Mérito Cultural, registrada no Ministério da Educação e Cultura; Mérito Industrial conferido pela FIERGS; Troféu Homem do Aço 1977, conferido pela Associação do Aço do Rio Grande do Sul; homenagem da Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários, da qual foi idealizador, fundador, primeiro presidente e presidente de honra; título de Cidadão Caxiense, conferido pela Câmara Municipal de Vereadores de Caxias do Sul; Medalha do Conhecimento, instituída pelo Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e Comércio Exterior, com apoio da CNI e do Sebrae, além de uma homenagem do presidente da Itália, com a Ordem do Mérito da República Italiana, no grau Comendador.

Em 2017, recebeu na Itália o título de Doutor da Universidade de Pádua, uma laurea - Doutor Honorem em Ingegneria Gestionale - atribuída ao primeiro empreendedor brasileiro pela sua dedicação no âmbito social. Randon foi o segundo brasileiro apontado pela Universidade, o primeiro tinha sido o escritor Jorge Amado, em 1996.

“Um grande homem que só não era maior que seu próprio coração generoso”, descreve o atual presidente da Anfir, Alcides Braga, em nota de pesar.



Tags: Raul Anselmo Randon, Empresas Randon, fundador.

Comentários

  • EVERSONDE SOUZA

    RAULANSELMO RANDON Sem dúvida um grande Homem e exemplo para nós, terá sempre meu respeito e admiração, pela coragem ética e profissionalismo no mercado. Embora não tive a oportunidade de conhece-lo pessoalmente, mas mesmo a distância sempre me cativou. Aos familiares e colaboradores meus sinceros sentimentos e a certeza de uma missão bem cumprida pelo Sr. Raul A. R.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência