Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Empresas começam a optar por CDC em vez de Finame

Crédito | 02/03/2018 | 17h08

Empresas começam a optar por CDC em vez de Finame

Mudança de taxa para TLP torna o crédito direto mais atraente, apontam especialistas

SUELI REIS, AB

Após as mudanças operacionais do BNDES anunciadas no fim do ano passado (leia aqui), que entre outras alterações incluiu a TLP (Taxa de Longo Prazo) em substituição a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), as instituições financeiras começam a observar uma movimentação entre as empresas que vinham utilizando o Finame em suas compras de veículos comerciais e que agora estão optando pelo crédito direto ao consumidor, o CDC. O fato é que diferente da TJLP, a TLP seguirá os padrões do mercado a partir da Selic. Na prática, isto significa que o crédito direto ficou mais competitivo, uma vez que a taxa de juros se equipara ao mercado e traz a vantagem de parcela fixa e não variável, como ocorre com o Finame.

“O CDC vale a pena, já tem clientes optando por ele no lugar do Finame”, conta o diretor comercial da Volvo Financial Services no Brasil, Valter Viapiana. Segundo o executivo, as empresas que estão optando por essa migração são principalmente grandes frotistas. Ele avalia que embora o crédito direto ao consumidor se mostre como uma opção mais favorável ao cliente por causa de sua atratividade de parcela fixa neste primeiro momento, será necessário observar como a Selic vai se comportar ao longo dos próximos anos, uma vez que financiamentos de bens de capital, como caminhões, ônibus e máquinas agrícolas ou rodoviárias são feitas em planos que abrangem o período de até cinco anos.

O diretor comercial Diego Marin, também observa alguma migração do Finame para o CDC no Banco Mercedes-Benz. Ele acredita que o Finame segue como a melhor alternativa para a aquisição de veículos comerciais pesados, mas confirma que o CDC vem ganhando força com a queda da Selic. “Muitas empresas vêm decidindo pelo CDC, que tem uma taxa pré-fixada, são clientes que preferem essa taxa fixa à variável, por saber quanto vão pagar em todo o plano”, afirma.

Já o superintendente de vendas da VW Financial Services, Paulo Pinho, aponta que no primeiro momento, as taxas da mudança da TJLP para a TLP vão continuar as mesmas, com média de 1,2% ao mês. “Do ponto de vista do custo final, não muda, deve ficar igual ao que foi em 2017, considerando operações de empresas de grande porte”, explica. Neste caso, Finame e CDC ficam em condições muito próximas, similares”, acrescenta.

Para Luiz Montenegro, presidente da Anef, associação dos bancos de montadoras, o Finame sempre teve vantagem em comparação às demais linhas de financiamento justamente por apresentar taxa com porcentual atraente para o empresário, seja ele autônomo ou grande frotista. “Tradicionalmente, o Finame é uma linha atrativa e deve continuar sendo, mesmo agora com a TLP compatível com juros de mercado”, analisa. “A TLP não vai mudar de uma hora para outra: tanto a linha do BNDES quanto as outras oferecidas pelo mercado vão estar muito competitivas, caberá ao cliente avaliar e escolher a melhor modalidade para o seu negócio dentro do prazo estipulado”, defende.

O presidente da Anef afirma que o leasing, muito específico dentro das linhas de financiamento de veículos comerciais, pode vir a ser uma alternativa importante neste ano, mas ainda muito pontual. Dados do mercado financeiro apontam que o arrendamento mercantil, como também é denominado o leasing, não chega a 1,5% dos contratos de financiamento de veículos no Brasil, enquanto o CDC responde por mais de 85% (considerando os segmentos leve e pesados – leia aqui).



Tags: Crédito, CDC, Finame, BNDES, TLP, TJLP, Anef, banco.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência