Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen prepara fornecedor para crescimento maior em 2018

Indústria | 22/02/2018 | 19h34

Volkswagen prepara fornecedor para crescimento maior em 2018

Vendas da marca avançam o dobro acima da média do mercado

PEDRO KUTNEY, AB

A Volkswagen começou a preparar seus fornecedores para crescimento da produção em 2018 acima de 15%, maior do que a inicialmente projetada. Em janeiro as vendas do mercado brasileiro avançaram 22% e as da VW cresceram o dobro, 45%, elevando em três pontos porcentuais, para 15,3%, o market share da marca, que passou a Fiat e tomou o segundo lugar no ranking das mais vendidas no Brasil. “A crise ficou no passado”, avalia Pablo Di Si, presidente da Volkswagen Brasil e América do Sul.

“Em outubro passado nos reunimos com vários fornecedores, para prepara-los para expansão da produção acima de 15%, mas vimos que eles esperavam de 5% a no máximo 10%. Fiz então uma reunião com nosso comitê executivo e disse que teríamos problemas com isso, pois o pior que pode acontecer agora é faltar matéria prima para produção de peças e não ter carros para entregar, justamente no momento em que os clientes estão voltando às lojas”, contou Di Si.

Segundo o executivo, a Volkswagen começou a promover ações para ajudar a recuperar a cadeia de suprimentos; entre elas, intermediou uma aproximação de cerca de 30 fornecedores com o BNDES, para viabilizar financiamentos em produção e capital de giro. Tudo para garantir o abastecimento das fábricas no Brasil e na Argentina.

Di Si diz que os lançamentos feitos a partir de 2017 começaram a fazer efeito positivo. “O Polo lançado há menos de um ano já é o quarto carro mais vendido do País e caminha para ser o terceiro, isso abriu o fluxo de loja, os clientes estão comprando, mesmo quando não acham o modelo optam por outro, como o Gol. O mesmo ocorre com o Virtus que começamos a faturar para a rede há apenas duas semanas. A pré-venda da nova Amarok V6 esgotou todas as 450 unidades disponíveis em 24 horas. Tudo indica que devemos crescer mais do que projetamos”, confia o executivo.

FÁBRICAS EM RITMO ACELERADO


Com esses resultados, São Bernardo do Campo (SP), onde são produzidos Polo e Virtus, já trabalha em três turnos desde outubro do ano passado, após o retorno de mil funcionários que estavam afastados em layoff. A linha de motores EA211 da planta de São Carlos (SP) também opera 24 horas, pois além de fornecer para os propulsores 1.0 três-cilindros (aspirado e turbinado TSI) e 1.4 TSI para carros nacionais da marca, também tem contratos de exportação para México e Alemanha. Taubaté (SP) segue em dois turnos, mas deverá aumentar o ritmo com a introdução de novo produto. E no Paraná, em São José dos Pinhais, os 550 empregados em layoff deverão reabrir o segundo turno com o início da fabricação do SUV T-Cross, previsto para ser lançado no segundo semestre. Na planta argentina, que recebe investimento de US$ 650 milhões para modernização e instalação de nova cabine de pintura, um novo utilitário esportivo médio deve entrar em produção no ano que vem.

Di Si voltou a destacar que a Volkswagen vai lançar 20 novos produtos até 2020, sendo que Polo, Virtus e Amarok V6 são os três primeiros dessa safra, que ainda não contempla o segmento que mais cresce no Brasil e no mundo, o de utilitários esportivos. “A fatia de mercado de SUVs era de 4% a 5% apenas alguns anos atrás, agora esse patamar já está em 20% e tem potencial de ir a 30%. Dos nossos 20 lançamentos planejados, cinco são SUVs, começando com o Tiguan que chega em abril do México. Com esses produtos temos tudo para subir ao segundo lugar (no mercado brasileiro) e talvez até ao primeiro”, afirma Di Si.

Ele também promete progresso com as exportações, que em 2017 cresceram 52% para o recorde de 163 mil unidades, mas a grande maioria, 93 mil, para um único mercado, a Argentina. Atualmente a Volkswagen exporta a partir do Brasil para 15 países, todos na América Latina. Di Si prevê que este ano as vendas externas devem continuar a crescer, mas afirma que o desafio a partir de agora é conquistar clientes fora da região. “Queremos acrescentar às nossas exportações de cinco a dez países fora da América do Sul”, diz.



Tags: Volkswagen, VW, Pablo Di Si, mercado, vendas, resultado, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência