NOTÍCIAS
30/11/2017 | 19h50

Aftermarket

Borgwarner avança na remanufatura de turbos

Divisão venderá 30 mil peças este ano e crescerá 20% em 2018


MÁRIO CURCIO, AB | De Itatiba (SP)

Borgwarner produz e remanufatura seus turbos em Itatiba (SP)
A Borgwarner começa a colher os resultados da implantação de uma linha de remanufatura de turbos dentro de sua fábrica de Itatiba (SP) em 2016, na qual reaproveita turbinas usadas captadas no mercado e troca parte dos componentes internos. “Serão 30 mil peças em 2017 e cresceremos 20% em 2018”, afirma o gerente geral de aftermarket, Nélson Bastos.

O trabalho envolve inspeção, troca de eixos, mancais e balanceamento do conjunto. Renovados, esses turbos recebem nova plaqueta de identificação, são embalados e seguem para o mercado de reposição. Também são vendidos para montadoras de caminhões e ônibus, que as instalam em motores retificados ou as revendem em sua rede autorizada. A empresa está apta a remanufaturar os 250 modelos que produz em Itatiba.

“As turbinas usadas são captadas em nossos distribuidores ou por uma empresa de logística reversa, que também recolhe baterias, embreagens e outros produtos que podem ser remanufaturados”, diz Bastos. “Poderíamos remanufaturar um número bem maior de peças, mas nossas turbinas usadas também são compradas por recondicionadores. E eles pagam um valor maior do que podemos porque têm custos menores que os nossos”, diz Bastos.

O executivo trata esses recondicionadores como piratas porque eles mantêm gravada na turbina a logomarca Borgwarner ou de outros fabricantes de turbos. De acordo com uma pesquisa realizada pela companhia, essas turbinas recondicionadas em desacordo com a legislação respondem por 40% das peças à venda no mercado de reposição, considerando as novas e as recuperadas com ou sem critério.

“Identificamos 13 empresas que praticam essa pirataria e já temos advogados e peritos trabalhando ao nosso lado para resolver o problema”, afirma Bastos. “Uma peça remanufaturada custa 70% do valor da nova e dura tanto quanto. Já encontramos peças piratas com preço acima do nosso, mas elas duram 40% a menos.”

Outra consequência do trabalho malfeito é o aumento de 4% a 8% no consumo. “Um caminhão que rodar 150 mil quilômetros em um ano gastará R$ 90 mil a mais com diesel”, afirma o gerente geral de aftermarket. “Nos ônibus urbanos o problema é ainda mais grave porque, além do consumo, aumenta também o desgaste da embreagem, já que o motor perde força e exige mais trocas de marcha”, informa o supervisor de desenvolvimento e assistência técnica, Newton Juliato.

Ele afirma que os dois turbos com maior demanda são o K16 e o K24, que custam, respectivamente, R$ 1,6 mil e R$ 1,9 mil quando remanufaturados pela Borgwarner. Dentro da empresa, as turbinas usadas recolhidas no mercado são desmontadas, limpas e inspecionadas numa área de 208 metros quadrados. “Criamos uma linha de desmontagem onde trabalham sete pessoas. A instalação das novas peças ocorre dentro da linha de montagem normal da fábrica, envolvendo outros cinco trabalhadores”, diz Juliato. A Borgwarner só repara as próprias turbinas.

A empresa já foi consultada pela VW sobre a possibilidade de remanufatura do turbo utilizado pelo Up! TSI, que a própria Borgwarner fabrica em Itatiba, mas a falta de carcaças disponíveis no mercado ainda impede a operação.

FALSO OU VERDADEIRO

As turbinas chamadas de piratas pela Borgwarner utilizam as carcaças ou “cascos” dessa e de outras marcas. Em regra são vendidas sem embalagem ou envolvidas apenas em plástico. O aspecto geral da peça parece normal.

As remanufaturadas pela Borgwarner têm aparência melhor, recebem uma etiqueta metálica com QR code em substituição à plaqueta instalada no turbo quando novo e são embaladas em uma caixa de papelão. Uma etiqueta de papel branco colada sobre a embalagem traz outro com QR code, dois códigos de barras, diferentes números e a identificação do conteúdo, tudo muito bem impresso.


Em sentido horário a partir do alto, à esquerda: turbina remanufaturada pela Borgwarner tem aparência geral melhor, recebe etiqueta com QR code e é vendida dentro de embalagem com várias informações e códigos muito bem impressos, que atestam o trabalho feito pela própria fábrica (fotos: Mário Curcio).

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/01/2018
Quem liderou os principais segmentos em 2017

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement
Advertisement Advertisement
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
INOVAÇÃO | 19/01/2018
Há alguns obstáculos para fazer dar certo a relação entre elefantes e formiguinhas
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 22/01/2018
Salão de Detroit sedia apresentações globais direcionadas aos EUA
AUTOINFORME | 10/01/2018
Só três dos 15 mais importados não são utilitários esportivos
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados