NOTÍCIAS
10/11/2017 | 15h57

Internacional

Opel apresenta novo plano de recuperação à PSA

Volta à rentabilidade e eletrificação em todas as linhas estão entre as metas


REDAÇÃO AB

A Opel e a Vauxhall, por meio do CEO, Michael Lohscheller, apresentaram seu novo plano estratégico global denominado Pace! ao seu novo controlador, o Grupo PSA, que tem como principal objetivo restaurar os fundamentos financeiros da empresa e melhorar a competitividade e o crescimento de forma sustentável. As premissas apontam para um retorno à rentabilidade até 2020, eletrificação em toda a linha até 2024, a busca pela melhor eficiência nos padrões de custos de produção, logística, massa salarial e faturamento. Pelo plano, a montadora pretende tornar seu centro de pesquisa e desenvolvimento de Rüsselsheim, na Alemanha, um centro de competência global do Grupo PSA, além de manter e modernizar todas as fábricas e evitar demissões.

“Este plano é fundamental para nossa empresa, a fim de proteger os funcionários dos ventos contrários e fazer da Opel/Vauxhall uma companhia sustentável, rentável, eletrificada e global. Nosso futuro estará assegurado e a excelência alemã contribuirá para o desenvolvimento do Grupo PSA. O plano já começou a ser executado e todas as equipes estão comprometidas com a realização dos objetivos”, declarou em nota o CEO, Michael Lohscheller.

Nas ações financeiras, o conjunto das iniciativas prevê um duplo objetivo de gerar fluxo de caixa livre operacional positivo e margem operacional corrente para a divisão automotiva de 2% até 2020 e de 6% até 2026. Segundo a Opel, as sinergias anuais para o Grupo PSA devem atingir até € 1,1 bilhão até 2020 e € 1,7 bilhão até 2026. Todas as medidas, segundo o plano, contribuirão para reduzir o ponto de equilíbrio financeiro (break-even) da Opel/Vauxhall para 800 mil veículos, criando um modelo de negócios lucrativo, quaisquer que sejam as adversidades futuras.

Em termos de produto, a Opel e a Vauxhall pretendem eletrificar todas as linhas de veículos na Europa até 2024, com motor 100% elétrico ou plug-in híbrido, que serão complementados por versões com motores a combustão mais eficientes. Até 2020, serão quatro linhas de veículos elétricos, incluindo a nova geração do Corsa, em 2019, e o Grandland X híbrido recarregável.

Todos os novos veículos da Opel e Vauxhall serão desenvolvidos pelo centro de P&D de Rüsselsheim, na Alemanha, que será transformado em um centro de competência global para todo o Grupo PSA. No total, o número de plataformas utilizadas pelas duas marcas será reduzido de nove para duas até 2024, ambas da PSA: CMP e EMP2 serão introduzidas em todas as fábricas da Opel e Vauxhall e todos os nove modelos com lançamentos previstos até 2020 serão sobre estas arquiteturas. As famílias de motores também serão reduzidas, passando de dez para quatro. Além disso, já estão sendo identificadas expertises do centro de P&D para as áreas de células de combustível, tecnologias de condução autônoma e de assistência à condução.

“Alinhando a arquitetura e as famílias de motores reduziremos consideravelmente a complexidade do desenvolvimento e da produção, gerando economias de escala e sinergias que contribuirão para nossa rentabilidade global”, enfatizou Lohscheller.

O plano determina a redução de custos de € 700 por veículo até 2020, ao mesmo tempo em que planeja aumentar despesas de marketing em mais de 10%. A fim de elevar a eficiência global, a empresa simplificará suas operações e funções: a relação entre despesas gerais, administrativas e faturamento passará de 5,6% para 4,7%; é prevista ainda melhora das despesas em P&D e Capex de 7% a 8% do faturamento automotivo, processos administrativos e de produção até 2020, além da liberação de € 1,2 bilhão de capital de giro até 2022.

A Opel e a Vauxhall também devem ingressar em mais de 20 novos mercados de exportação até 2022, além de lançar novos modelos com o objetivo de aumentar suas vendas em 25% entre 2017 e 2020. Paralelamente, a empresa vai estudar a viabilidade de abrir operação da marca em outros países no médio prazo. Lohscheller admitiu que Brasil e China estão entre as regiões serão avaliadas neste levantamento.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade