Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 08/11/2017 | 22h10

Máquinas crescem apenas 4,4% no acumulado do ano

Vendas até o fim de 2017 ficarão abaixo das projeções da Anfavea

MÁRIO CURCIO, AB

A venda interna de máquinas agrícolas e rodoviárias no acumulado até outubro somou 37,5 mil unidades e registra alta de apenas 4,4% sobre o mesmo período de 2016, um ano bastante fraco.

O segmento havia crescido mais de 20% no primeiro semestre, mas essa alta vem regredindo mês a mês por causa do confronto com os meses da segunda metade do ano passado. Isso ocorre porque o setor de máquinas começou a se recuperar antes do restante da indústria automotiva. Como exemplo, outubro de 2017 anotou 3,9 mil máquinas e ficou 20,9% abaixo do mesmo mês do ano anterior.

Ainda é possível que o setor cresça este ano e supere as 43,7 mil unidades vendidas no Brasil no ano passado, mas parece pouco provável que alcance a projeção de 46,7 mil máquinas feita pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

- Veja aqui os dados da Anfavea
- Veja mais dados da indústria aqui
- Veja outros estudos e estatísticas em AB Inteligência

Os tratores de rodas representam a maior fatia do segmento de máquinas e tiveram no acumulado do ano 31,8 mil unidades entregues, anotando alta de 6,4% sobre os mesmos dez meses do ano passado.

As colheitadeiras de grãos tiveram 3,3 mil unidades repassadas das fábricas para as concessionárias e ainda registram no acumulado do ano uma pequena alta de 3,2%. Já as retroescavadeiras tiveram apenas 968 unidades entregues no período, o que resulta em queda de 7,3% ante iguais meses de 2016. O motivo é a falta de novas obras de infraestrutura no País.

EXPORTAÇÕES

As exportações de máquinas agrícolas atingiram no acumulado do ano US$ 2,43 bilhões. “Esse valor está acima da média dos últimos dez anos”, comemora o presidente da Anfavea, Antonio Megale.

Em unidades foram embarcadas 11,4 mil máquinas agrícolas e rodoviárias nos dez meses, revelando acréscimo de 44,5% sobre o mesmo período de 2016. “Os mercados estão compradores e o câmbio nos favorece”, recorda Megale. A projeção anual de 12,9 mil unidades exportadas poderá ser superada em cerca de mil unidades.

Os dados da Anfavea mostram que a falta de compradores no mercado interno fez o Brasil exportar suas máquinas de construção nestes dez meses. Foram 1,9 mil retroescavadeiras (alta de 36,3% sobre igual período de 2016) e 1,4 mil tratores de esteiras (acréscimo de 67,1%).

PRODUÇÃO CRESCE 13,5%

A produção de máquinas até outubro chegou a 48,6 mil unidades e anotou alta de 13,5% sobre o mesmo período do ano passado. Assim como no mercado interno, o maior volume é o de tratores de rodas. Eles somam 38,2 mil unidades e tiveram alta de 11,3%.

São seguidos pelas colheitadeiras, 4,6 mil no período, crescimento de 32,2%. A produção anual vai superar as 54 mil máquinas agrícolas de 2016, mas deve ficar aquém das 59,6 mil unidades projetadas pela Anfavea.



Tags: Máquinas agrícolas, Anfavea, Antonio Megale, tratores, retroescavadeiras, colheitadeiras.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência