NOTÍCIAS
08/11/2017 | 20h27

Tecnologia

Mobilidade como serviço é o novo negócio da indústria automotiva

Montadoras, fornecedores e entrantes do mercado apostam em receitas recorrentes


GIOVANNA RIATO, AB

Enquanto tateia para entender seu papel diante de tantas transformações, a indústria automotiva parece ter chegado a um consenso com startups e fornecedores de tecnologia: o negócio do futuro não é vender carros, mas entregar mobilidade como serviço. O desafio está em entender quais são as soluções mais promissoras para o consumidor. A vantagem, por outro lado, é que este modelo garantirá receitas recorrentes, não só o faturamento pontual com a venda do veículo. “Com esta abordagem as empresas podem interagir com o cliente constantemente, monetizar serviços, aumentar resultados no pós-venda e, principalmente, fidelizar clientes”, defende Alexandre Guimarães, diretor de elétrica e eletrônica da General Motors no Brasil.

O executivo participou de painel no Congresso SAE Brasil 2017, que acontece até quinta-feira, 9, Em São Paulo (SP). No evento ele apresentou os bons resultados da bem sucedida experiencia local da companhia com a oferta de outras soluções e serviços. “No exterior temos duas marcas ligadas à mobilidade, a Lyft, concorrente da Uber, e a Maven, de carros compartilhados”, diz, contanto que a companhia testa esta última no Brasil, mas por enquanto apenas com funcionários da fábrica de São Caetano do Sul, no ABC Paulista. “O carro particular fica, em média, apenas 5% do tempo em uso. Conseguimos subir esse número para 24% com o compartilhamento, mas ainda dá para melhorar”, diz, comentando as primeiras conclusões da experiência.

Segundo Guimarães, apenas com investimento em serviços a indústria automotiva será capaz de sobreviver em um ambiente em que o carro já não é mais objeto de desejo. “Precisamos ser capazes de reconhecer que as pessoas já não querem mais ter um automóvel como antes”, conta. O executivo lembra que, globalmente, a classe média está em expansão. Este movimento deve puxar a demanda por veículos por alguns anos, mas no longo prazo a tendência é de redução.

Enquanto engatinha com a oferta da Maven localmente, a General Motors tem experiência mais consistente com a oferta do sistema de conectividade OnStar, que já conta com 195 mil usuários no País que pagam assinatura mensal para contar com os recursos como localização, chamada de emergência e concierge inclusos no pacote. Guimarães diz que a maior conquista da companhia com a comodidade é a proximidade com o cliente, que acessa a empresa pelo aplicativo no celular ou por um botão no carro.

RECEITA RECORRENTE


Sérgio Luis Reis, diretor da área industrial da IBM, lembra que as montadoras precisam construir agora o relacionamento que vai garantir o futuro do negócio. “Vemos muitas empresas serem atropeladas por concorrentes com a mudança completa de alguns mercados. Com serviços, as empresas garantem um faturamento recorrente”, destacou. A empresa é parceira da General Motors na oferta do OnStar. O executivo destaca, no entanto, que há uma série de outras possibilidades para as soluções IBM na indústria automotiva. “Estamos desenvolvendo com uma montadora no Brasil um manual digital para o carro, que funcionará com o Watson”, diz, citando o sistema de inteligência cognitiva da companhia.

Enquanto as montadoras atualizam seu formato de atendimento, há uma série de jovens empresas que já acumulam grande experiência no desafio de melhorar a jornada do cliente. Uma delas é a Zazcar, que também participou do debate no Congresso SAE. “Enfrentamos uma série de desafios para garantir que tudo funcione pelo aplicativo e rode de forma digital”, conta Bernardo Mazzino, CEO da empresa. Parece que a empresa tem sido bem sucedida nesta evolução: o cliente pode até mesmo destravar a porta do carro que vai usar pelo sistema on-line desenvolvido pela startup.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade