Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Anfavea prefere cautela com projeção de vendas
Golfarb: mais cautela nas estimativas da Anfavea

Mercado | 05/10/2017 | 18h40

Anfavea prefere cautela com projeção de vendas

Entidade mantém projeção de crescimento em torno de 7% em 2017

PEDRO KUTNEY, AB

Enquanto a Fenabrave, que representa os concessionários, revisou sua projeção de vendas de veículos leves este ano para um otimista crescimento de quase 10% (leia aqui), a Anfavea, associação dos fabricantes, prefere mais cautela ao observar o comportamento do mercado – e manteve inalterada sua previsão, revisada para cima há um mês, de alta de 7,4% nos emplacamentos de automóveis e comerciais leves em 2017. “Apesar da expansão do PIB, temos de considerar que emprego, renda e inadimplência ainda não voltaram aos mesmos níveis de antes. Por isso mantemos um pouco mais de cautela nas estimativas. Mas o importante é que ambas as associações estão prevendo crescimento importante”, avalia Rogelio Golfarb, primeiro vice-presidente da Anfavea, durante a divulgação dos resultados da indústria na quinta-feira, 5.

- Veja aqui os dados da Anfavea
- Veja aqui outros dados da indústria
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência

Em setembro as vendas de automóveis, utilitários, caminhões e ônibus somaram 199,2 mil veículos, em expressiva alta de 24,5% sobre o mesmo mês de 2016 e queda de 8% em relação a agosto passado. “Houve menos dias úteis no mês passado, por isso a retração na comparação mensal, mas a média diária de vendas (9,96 mil por dia em 20 dias úteis) foi a melhor deste ano. É isso que contribuiu para o crescimento tão elevado observado na comparação com o mesmo mês do ano passado, pois setembro de 2016 teve a pior média diária de emplacamentos daquele ano, então a base é muito baixa”, explica Golfarb.

No acumulado de nove meses, a alta registrada no ano já é de 7,4% (justamente a previsão da Anfavea para 2017 inteiro), com 1,62 milhão de veículos vendidos de janeiro a setembro. “É preciso lembrar que até maio passado o cenário foi de retração, só depois disso as vendas começaram a crescer gradativamente. Esse crescimento deve continuar, mas em ritmo menor. Continuamos a apostar na recuperação do mercado, mas não com a mesma aceleração de setembro”, afirma Golfarb.

VENDAS DIRETAS

Este ano as vendas diretas das montadoras, normalmente feitas com grandes descontos a grandes frotistas (principalmente locadoras), estão sustentando quase todo o crescimento do mercado interno, já são responsáveis por quase 40% (39,3%) dos emplacamentos de veículos leves, com 35% dos automóveis e 65% dos comerciais leves vendidos dessa forma. Golfarb admite que a situação rebaixa a rentabilidade das empresas e não é sustentável por muito tempo, “mas é melhor do que estava antes, com retração severa das compras”, pondera.

“Vemos crescimento nas vendas diretas e nas para pessoas físicas (varejo) também. Os índices de confiança do consumidor estão subindo, ainda não estão no nível de otimismo, mas o importante é a tendência de melhoria. Com o PIB em crescimento e mais confiança, as vendas de veículos também acabam crescendo”, avalia.

O nível dos estoques, segundo Golfarb, “está em níveis normais, não representa preocupações no momento”. Em agosto, existiam 220,5 mil veículos produzidos à espera de compradores nos pátios das montadoras e nas concessionárias, o equivalente a 31 dias de vendas. Em setembro o número subiu levemente para 224,1 mil, ou 34 dias pelo ritmo de emplacamentos do mês.

Assista abaixo à reportagem da ABTV sobre o desempenho da indústria automobilística até setembro:



Tags: Mercado, Anfavea, Fenabrave, projeções, previsões, vendas, emplacamentos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência