Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Montadoras elevam produção de caminhões em 27,3%

Balanço | 05/10/2017 | 17h01

Montadoras elevam produção de caminhões em 27,3%

Exportação responde por mais de um terço dos modelos fabricados no País

MÁRIO CURCIO, AB

A produção de caminhões em setembro somou 7,6 mil unidades, registrando queda de 10,5% em relação a agosto por causa do menor número de dias trabalhados em razão do feriado da Independência, mas o confronto com setembro de 2016 revela acréscimo de 56,8%. No acumulado do ano foram fabricadas 59 mil unidades, resultando em acréscimo de 27,3% sobre o mesmo período de 2016. Na comparação com o acumulado até agosto a produção avançou 4,8 pontos porcentuais.

Os números foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O crescimento continua contando com a ajuda das vendas ao exterior, que ainda têm espaço para aumentar: “Por causa da grande quantidade de fábricas de caminhões no Brasil, temos exportações de vários segmentos e é possível crescer, mas os maiores volumes ainda estão em caminhões semipesados e pesados”, admite o vice-presidente da Anfavea, Rogério Rezende.

-Veja aqui os dados da Anfavea até junho
-Veja aqui outros dados de vendas, exportações e produção
-Veja outras estatísticas em AB Inteligência

No acumulado até setembro o Brasil exportou 21,5 mil caminhões, anotando alta de 40,9% sobre o mesmo período do ano passado. Os embarques correspondem a 36,4% dos caminhões produzidos este ano. Os modelos semipesados tiveram crescimento de quase 90% com a exportação de 7,9 mil unidades.

VENDAS INTERNAS: ALTA PARECE IMPROVÁVEL EM 2017

O mercado interno demonstra desde maio leve recuperação para a venda de caminhões. “Tivemos ajuda do agronegócio e também da mineração”, diz Rezende. No entanto, os emplacamentos no acumulado até setembro registram 35,4 mil unidades e ainda persiste uma queda de 9% em relação ao mesmo período do ano passado.

De todos os segmentos, o único que registra alta sobre 2016 é o de pesados (12,5 mil unidades no acumulado do ano e alta de 5,8%). É verdade que o último trimestre costuma ser mais forte, mas parece pouco provável que a venda interna de veículos pesados (caminhões e ônibus) termine o ano com crescimento de 3,6%, conforme a projeção da Anfavea.

AJUDA EXTERNA TAMBÉM PARA ÔNIBUS

A produção de ônibus em setembro atingiu 1,7 mil unidades e anotou retração de 23% em relação a agosto, outra vez por causa do menor número de dias trabalhados. No acumulado do ano foram fabricadas 16,2 mil unidades, resultando em alta de 11,6% sobre o mesmo período de 2016.

As exportações no período somaram 6,7 mil unidades, mais de 40% da produção total. Os ônibus urbanos respondem por quase metade daquilo que é enviado ao exterior: “Os ônibus rodoviários ainda terão espaço para crescer em mercados como Argentina, Irã, México e Peru, que já são grandes clientes nesse segmento”, diz Rezende.

As vendas de ônibus no mercado interno somaram 8,6 mil unidades no acumulado do ano, resultando em queda de 7,9% ante os mesmos meses do ano passado. Um mês atrás a Anfavea ainda confiava na licitação para renovação da frota de ônibus da cidade de São Paulo antes do fim do ano, mas a entidade já não sabe quando ocorrerá: “Está enroscada, foi adiada algumas vezes”, afirma Rezende. A frota de São Paulo é a maior do País, com cerca de 15 mil ônibus.



Tags: Caminhões, ônibus, Rogério Rezende, Anfavea, exportações.

Comentários

  • Aparecido de jesus Paganin

    A Industria onde trabalho esta voltada para segmento de autopeças, isto é, fabricamos medidores de combustível (Boias) para carros, caminhões, Ônibus e Motocicletas. É sempre bom ler os artigos publicados. Att, Aparecido

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência