Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Honda prevê alta de até 7% na venda de motos em 2018
Alexandre Cury, diretor comercial da Honda (foto: Mário Curcio)

Mercado | 28/09/2017 | 19h13

Honda prevê alta de até 7% na venda de motos em 2018

Queda de inflação, de juros e outros fatores favorecem o setor

MÁRIO CURCIO, AB | De Tuiuti (SP)

A Honda começa a notar um ambiente mais favorável para o mercado de motos e crê em aumento nas vendas em 2018. Se isso se confirmar, será o primeiro ano de crescimento do desde 2011. “Acredito em alta de 5% a 7% para o ano que vem se não houver nada muito anormal na economia”, afirma o diretor comercial, Alexandre Cury.

O executivo percebe sinais de melhora decorrentes da queda de inflação, das taxas de juros, do aluguel e recorda que os compradores de moto de baixa cilindrada, das classes C, D e E, são muito sensíveis a esses fatores. Cury lembra também que as vendas por consórcio (quase um terço do total) estão estáveis e destaca o efeito positivo da liberação das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). “Muitos consumidores sanaram suas dívidas e recuperaram a capacidade de comprar.”

Ele afirma também que já solicitou à empresa que aumente a produção, o que vai gerar contratações em Manaus, mas ainda não consegue dizer quantas. A Honda renovou recentemente a linha CG 160, a mais importante em volume, e acaba de lançar a NXR 160 Bros 2018. Juntas elas respondem por 51,2% das vendas da empresa no Brasil. E a renovação de linha acaba forçando naturalmente o aumento da produção.

Mas se o ambiente melhorou, por que a média diária de emplacamentos no Brasil recuou para 3,3 mil motos em julho e agosto depois de uma sequência de quatro meses com 3,6 mil motos/dia? Cury explica que isso ocorreu porque a Honda, que detém 78,3% do mercado, reduziu intencionalmente a produção da linha CG 160 nos últimos meses para baixar os estoques na rede a fim de fazer a transição da linha 2017 para a 2018. Algumas lojas ficaram até mesmo sem produto.

“Se não fizéssemos isso as 2017 encalhariam porque as 2018 chegaram com preços muito parecidos, mas mais equipadas. E como a linha CG 160 é a mais vendida do Brasil, acabou alterando os números do mercado como um todo”, explica Alexandre Cury, que acredita em alta mais expressiva na média diária de vendas a partir de outubro.

O executivo diz que apesar de toda a linha CG 160 ter recebido freios CBS foi possível praticar pequenos reajustes porque tanto a Honda como seus fornecedores ajudaram a absorver boa parte do aumento de custos decorrente da aplicação dessa tecnologia, que ajuda a reduzir a distância de parada e aumenta a segurança dos motociclistas. A partir do ano que vem, 60% dos modelos até 300 cc terão de receber este equipamento ou então os freios ABS.

Assista ao vídeo com a Bros 2018 equipada com freios CBS:



Tags: Honda, Bros, CG 160, ABS, CBS, Alexandre Cury, FGTS, inflação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência