Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Empresas desperdiçam incentivos à exportação
Jersony Souza, diretor de operações da Becomex, analisa comportamento das empresas do setor em trâmites de exportações (Foto: Luis Prado)

Legislação | 18/09/2017 | 20h56

Empresas desperdiçam incentivos à exportação

Ineficiência gera R$ 300 milhões parados no governo à espera de solicitação

SUELI REIS, AB

A falta de eficiência das empresas do setor para lidar com questões tributárias e burocráticas das exportações está gerando o improvável: muitos recursos referentes a incentivos fiscais concedidos para quem exporta, aos quais a indústria tem direito, não foram requisitados e estão parados no governo federal à espera da solicitação por parte das empresas. O montante está na ordem dos R$ 300 milhões, calculou o diretor de operações da Becomex, Jersony Souza, durante o Workshop Legislação Automotiva, realizado na segunda-feira, 18, por Automotive Business em São Paulo.

O executivo apontou ainda que acima de 50% das empresas exportadoras pagam mais impostos do que deveriam por não aproveitarem corretamente os benefícios fiscais e aduaneiros existentes. Sua análise aponta que muitas empresas não fazem ideia do potencial que poderiam economizar com o pagamento de impostos e tributos.

“A recuperação de impostos a partir de uma gestão organizada tem contribuído para reduzir custos no setor e, principalmente, aumentar a competitividade. A metodologia para recuperação de impostos já possibilitou benefícios de mais de R$ 80 milhões em créditos às empresas do setor e nossa expectativa é chegar aos R$ 300 milhões”, afirma Souza.

Ele cita oportunidades de recuperação em programas como Drawback, que nos últimos quatro anos correspondeu a 29% de todo o benefício fiscal concedido pelo governo, ou ainda o Reintegra (devolução de 2% do valor das exportações como compensação de impostos), Recof (Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Aduaneiro Informatizado), Ex-tarifário (redução do imposto de importação a 2% para equipamentos e produtos sem similar nacional), ACE14 entre outros.

“Somente o Reintegra foi de fato resgatado pelas empresas exportadoras, mas R$ 9,5 bilhões ainda estão lá na Receita esperando as empresas requisitarem.”



Tags: Legislação, exportação, impostos, Becomex, Jersony Souza.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência