Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

AB | 24/08/2017 | 21h21

Automotive Business lança pesquisa Presença Feminina na Indústria

Projeto vai mapear e gerar conhecimento sobre a presença da mulher no setor

REDAÇÃO AB

Em abril deste ano Automotive Business fez sondagem com as leitoras e leitores do portal sobre a participação das mulheres na indústria automotiva. Os resultados do levantamento evidenciaram diferenças importantes de salário e participação na liderança das empresas, entre muitas outras (leia aqui). Estes dados abriram espaço para investigação mais profunda do assunto. Nascia aí a semente para o projeto Presença Feminina na Indústria Automotiva.

A iniciativa pretende gerar conhecimento e valorizar a atuação da mulher no setor. O objetivo é entender quais espaços as profissionais do sexo feminino já conquistaram, os avanços mais relevantes, além de identificar as empresas que desenharam medidas e estão na vanguarda para equacionar questões de gênero internamente. Para isso, o projeto conta com duas fases.

A primeira, entre setembro e outubro de 2017, é uma pesquisa com as empresas da cadeia de produção e distribuição de veículos para, efetivamente, mapear a participação das mulheres desde a linha de produção até a liderança, indicando os benefícios e ganhos gerados por elas às empresas.

Com os dados apurados, começa em 2018 a segunda fase do projeto: o debate sobre o tema. Um grupo de influenciadoras formado principalmente mulheres com trajetória respeitável na indústria automotiva e em outros segmentos vai comentar os resultados, destacar avanços e apontar possíveis soluções para os desafios ainda existentes. O conteúdo gerado nesta fase vai compor o relatório final da pesquisa e alimentar um canal exclusivo de Automotive Business voltado ao assunto.

O Grupo de Influência já conta com nomes como Neuraci Perego, diretora da divisão de motores da Cummins para a América Latina, Celia Almeida, diretora de RH da Maxion Wheels e Dani Junco, fundadora da B2Mamy – aceleradora de negócios liderados por mulheres que são mães. A iniciativa conta com o apoio institucional da Anfavea e do Sindipeças.

POR QUE FALAR DA MULHER NO SETOR AUTOMOTIVO?

O setor automotivo responde por quase 25% do PIB industrial brasileiro e, portanto, tem grande relevância para a economia do País. Diante disso, a maior presença feminina representaria participação mais ampla da sociedade na economia. Esta evolução também converge para a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, elaborada pela ONU, que elenca como seu quinto objetivo o de “alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.”

A pesquisa Getting to Equal 2017, feita pela Accenture com 28 mil pessoas em todo o mundo, mostra que, sem algumas ações para o desenvolvimento feminino, as mulheres só conseguirão ganhar o mesmo que os homens em 2168 nos países em desenvolvimento. Outro levantamento, da McKinsey & Co, mostrou que melhorar a igualdade de gênero adicionaria US$ 12 trilhões à economia global.

Dados de 2015 do Ministério do Trabalho indicam que apenas 23% da força de trabalho das montadoras, fabricantes de autopeças, distribuidores de veículos e de combustíveis é feminina. No entanto, o número que indica desigualdade pode representar uma série de oportunidades de evolução. Ao apoiar o crescimento profissional das mulheres, o setor automotivo pode se tornar exemplo positivo para outros segmentos da indústria e da economia.

Saiba mais sobre o projeto Presença Feminina na Indústria Automotiva em www.mulheresautomotivas.com.br.



Tags: Presença Feminina na Indústria Automotiva, mulheres, setor automotivo.

Comentários

  • Janaina Quindós

    Bom dia. Parabéns pela iniciativa e trabalho sobre o empoderamento feminino. Eu trabalho no mercado desde a faculdade e justamente o que eu sempre vi, foi a garra da mão-de-obra feminina sempre me inspirando a buscar mais, porque somos tão boas quanto ou até melhor em algumas características do que os homens. Hoje, dentro na posição de líder, isso ficou mais evidente pra mim, valorizando o comprometimento do meu time (75% mulheres) cheias de força e vontade de fazer a diferença. Além delas, o cenário de produção da empresa onde trabalho, diferente de 12 anos atrás, também tem destacado justamente a mão-de-obra feminina, sempre muito responsáveis e comprometidas. Espero que o setor expanda com respeito ao nosso valor.

  • Alessandra Salcedo

    Fico Feliz em saber que há uma preocupação com o tema. A mulher é responsável pela decisão de compra dentro dos lares e precisa estar cada vez mais inserida no cenário político, econômico e empresarial. É preciso uma mudança no pensamento dos empregadores. No processo seletivo deve se conhecer primeiramente o perfil técnico e depois o gênero. A maioria das mulheres tem a carreira encerrada ou anulada quando retornam da maternidade. As empresas precisam entender e trabalhar no sentido de não haver ruptura! A vida é um ciclo e precisa ser renovada e a mulher tem esse papel de reprodução. Temos poucas mulheres em cargos de direção, a diferença ainda é muito grande. Hoje homens e mulheres tem igualdade de condições, porém, desigualdade salarial e de posição hierárquica.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência