NOTÍCIAS
22/08/2017 | 18h54

Indústria

Autopeças: localizar depende de maior volume

Representantes de Toyota, CNH e ZF explicam o que têm feito nesse sentido


ERICA MUNHOZ, PARA AB

Costa (ZF), Ferreira (CNH Industrial), Simomura (Toyota) e Pedro Kutney (Automotive Business). Foto: Luis Prado
A nacionalização de alguns componentes e autopeças por sistemistas e fornecedores continua esbarrando num problema conhecido: sem volume fica inviável. Mas os três participantes do painel O Planejamento do Supply Chain 2018, do Workshop Planejamento Automotivo 2018, realizado por Automotive Business na terça-feira ,22, no Sheraton WTC, em São Paulo, permanecem otimistas com o futuro.

Eles acreditam que com a volta do crescimento da indústria é possível aumentar o conteúdo nacional. E para haver impulso significativo, algumas tarefas importantes precisam ser colocadas em prática, de maneira sustentável, iniciando pela formação de pessoas e seguindo para a viabilidade de programas que invistam em tecnologia de forma perene.

“Tecnologia ainda é um grande nó em função de volume. Por isso, precisamos de um fundo que dê suporte aos nossos parceiros, de modo a fazer com que nossa indústria seja robusta dentro do segmento”, avaliou George Ferreira, gerente de compras da CNH Industrial.

Para Celso Simomura, vice-presidente de compras, relações públicas, assuntos governamentais e engenharia da Toyota, é possível nacionalizar tudo, mas, mais uma vez, depende de demanda e, por isso, é preciso se preparar. “O compromisso com a tecnologia tem de ser de longo prazo, pois se torna inviável planejar algo sem uma visão mais longa. Se fizermos essa lição necessária, teremos efetividade, já que capacidade o Brasil tem, basta investir.”

Os fornecedores da base da cadeia de autopeças sofreram muito mais do que os sistemistas, cuja “saúde” difere de outros níveis. Entretanto, essa movimentação acabou criando uma seleção natural e, diante dos anos intensos de crise, acabou se mantendo quem estava mais preparado. “A cadeia ficou muito fragilizada e, mesmo agora, ninguém está preparado para sair correndo. No caso da ZF, os programas de suporte interno têm um peso significativo e, para nós, é a melhor maneira de manter a qualidade”, garantiu Tarcisio Costa, diretor de gestão de materiais da ZF América do Sul.

Na Toyota, de acordo com Simomura, os parceiros são tratados como “família Toyota” e o trabalho em torno deles é bastante intenso. Há um programa anual de fornecedores, no qual as questões de produtividade e qualidade são debatidas intensamente. “Ajudamos todos, mas também nos concentramos muito naqueles com maior dificuldade. Acreditamos que a Rota 2030 possa contribuir bastante, auxiliando na prática naquilo que já desenvolvemos internamente.”

ATENÇÃO A CADA FORNECEDOR

Como no caso da Toyota, além dos investimentos em tecnologia, o empenho de cada empresa para manter seus fornecedores tem sido determinante. Os três palestrantes do painel também concordaram que o Inovar-Auto auxiliou bastante nessa caminhada. Ferreira, da CNH Industrial, afirmou que o programa fortaleceu o segmento com conteúdo local.

“Já estamos com quase 90% do ciclo de investimentos de R$ 190 milhões finalizado, que beneficiou especialmente os segmentos de caminhões, ônibus e máquinas agrícolas, tudo para incentivar a nacionalização. Localizamos as transmissões manuais e automatizadas, entre outros itens.”

Já na ZF, o R$ 1,9 bilhão em compras deve crescer para R$ 2 bilhões em 2018. Entretanto, com 50% de componentes importados, que devem girar em torno de 50% a 52% no ano que vem. “Ainda não conseguimos fazer o fornecedor brasileiro atender mundialmente outras unidades do grupo. Os globais aqui instalados têm condições de atender lá fora, mas os nacionais não, em função, novamente, dos canais de tecnologia”, lamenta Costa.”

Inversamente na Toyota, a perspectiva é chegar ao fim de 2017 com 65% do orçamento de compras gastos com fornecedores instalados no Brasil. E para o próximo ano esse índice deve encostar em 70%. A explicação para esse crescimento, segundo Celso Simomura, foram os aportes feitos não apenas para nacionalizar conteúdo, mas também em outras áreas da empresa. “Investimos em nossos laboratórios de motores e de materiais e no centro de design sem depender da matriz, respaldados pelo Inovar-Auto. Foram iniciativas que motivaram a localização de peças e ferramentais. E também seguimos como diretriz o pedido da matriz de nacionalizar o máximo que pudermos. Isso explica nossa preocupação e o cuidado com os fornecedores.”

O crescimento do mercado na Argentina alavancou as compras da CNH Industrial a partir do Brasil, com total de R$ 5 bilhões em compras, alta moderada sobre 2016. Máquinas agrícolas e de construção, especialmente tratores e colheitadeiras, por conta do aumento da safra de grãos, foram determinantes na elevação dos números.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 20/09/2017
Salão de Frankfurt mostra que evolução da mobilidade também atrai público

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 15/09/2017
É elétrico e virá em veículo autônomo
AUTOINFORME | 15/09/2017
Loja da Peugeot foi instalada em uma cabine telefônica
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes