Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Iveco automatiza Tector para ganhar mercado
Alavanca do câmbio automatizado de 10 velocidades do Tector Auto-Shift: desenvolvimento conjunto da Iveco com Eaton e FPT

Comerciais | 16/08/2017 | 18h00

Iveco automatiza Tector para ganhar mercado

Semipesados automatizados devem ser 50% das vendas em 2018

PEDRO KUTNEY, AB | De Sete Lagoas (MG)

Com certo atraso em relação à concorrência, a Iveco lança este mês nos mercados brasileiro e argentino versões automatizadas da linha Tector de caminhões semipesados, com acréscimo de R$ 15 mil ao preço final. Era inevitável seguir essa tendência, que depois de dominar os pesados no Brasil – hoje 95% das vendas do segmento são de modelos automáticos – está se espalhando rapidamente também para os semipesados, representando 27% dos emplacamentos este ano, alcançando quase metade deles em 2018 e saltando para algo como 80% em 2019, segundo calculam os fabricantes.

“Trabalhamos para oferecer uma solução bem desenvolvida que tem potencial para até dobrar as vendas do Tector, pois o modelo agora ocupa todo o segmento de semipesados; até agora estávamos fora de 30% dele”, afirma Ricardo Barion, diretor de marketing da Iveco América Latina. Ele calcula que a participação do Tector entre os semipesados no Brasil (27% do mercado atual de caminhões no País) deve subir dos atuais 6% a 7% para 9% a 10% até o fim deste ano.

A caixa automatizada de dez velocidades adotada agora em três versões do Tector fabricado em Sete Lagoas (MG) é produzida em Valinhos (SP) pela Eaton, que nos últimos dois anos trabalhou com a Iveco e a fabricante de motores FPT (ambas empresas do Grupo CNH Industrial) para desenvolver e calibrar a transmissão Ultrashift Plus MHD – a mesma que já fornece desde 2015 para os caminhões Ford Cargo, mas com calibragens diferentes.

Todas as versões automatizadas do Tector foram desenvolvidas para usar o motor FPT N67 de 300 cavalos, produzido na Argentina e enviado ao Brasil para ser integrado ao modelo na fábrica de Sete Lagoas. São três opções de chassi-cabine: 170E30 4X2 (17 toneladas de PBT), 240E30 6X2 (24 t) e 310E30 8x2 (31 t). A aposta é que a versão 6x2 deve responder por 60% das vendas do Tecto Auto-Shift, principalmente equipado com carroceria baú para entregas urbanas e rodoviárias. “Mas também existem no horizonte boas perspectivas para aplicações vocacionais no setor de construção civil e talvez para coleta de lixo”, afirma Barion.

VANTAGENS

A principal vantagem trazida pela automatização é a economia de combustível, o maior custo da planilha do transportador e argumento inegável de convencimento a pagar mais pelo produto. Segundo Barion, o câmbio robotizado aproxima o motorista médio do mais eficiente, com redução média de 5% no gasto com diesel e Arla 32.

Outra vantagem é a redução dos custos de manutenção, com o funcionamento mais racional do câmbio, que usa embreagem cerâmica com vida útil duas vezes maior do que a orgânica tradicional da caixa manual. O conforto também aumenta substancialmente nas manobras, no anda-e-para do trânsito e nas partidas em ladeiras, com possível aumento de produtividade do motorista. A bordo, ruídos e vibrações foram reduzidos com a calibragem do motor para fornecer mais torque com giro mais baixo.

“Desafiamos a nossa inteligência para desenvolver a solução de automatização mais eficiente, para termos diferenciais sobre a concorrência”, afirma Barion, citando que foram desenvolvidas funções exclusivas para a transmissão do Tector Auto-Shift. Entre elas está a troca de marchas para cima nas ladeiras sem que o motorista precise pisar no acelerador, reduzindo o consumo, bem como o desacoplamento automático da embreagem em situações de velocidade estável com o piloto automático ligado. Para ganhar velocidade mais rapidamente nas entradas em pistas expressas, pode-se acionar com um toque em um botão na manopla do câmbio o modo de trocas rápidas de marcha. O pedal do acelerador é bastante sensível e escalonado para controlar com facilidade as trocas de marcha. Nas ladeiras, o freio fica acionado por até três segundos até que o motorista acelere para partir.

“Já tínhamos uma cabine elogiada pelo acabamento e suspensão, agora oferecemos também a melhor integração entre motor e câmbio automatizado. Com isso o Tector fica bem melhor posicionado para ganhar mercado”, aposta Barion.



Tags: Iveco, Tector Auto-Shift, câmbio automatizado, caminhão semipesado, Eaton, FPT, CNH Industrial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência