NOTÍCIAS
07/08/2017 | 21h04

Autopeças

Rota 2030 vai inserir Brasil no mercado global de veículos

Para Sindipeças, programa é chance de melhorar competitividade internacional


GIOVANNA RIATO, AB

O Rota 2030 será um conjunto de regras para o setor automotivo desenhado com foco no mercado, não em tributos ou metas de manufatura, como é o Inovar-Auto, que termina no fim de 2017. Esta é a análise de Dan Ioschpe, presidente do Sindipeças, entidade que representa as empresas da cadeia produtiva. Com isso, ele diz que toda a legislação pretende balizar a indústria nacional para que ela produza os veículos que vão atender ao consumidor brasileiro e internacional. “A América do Sul tem um mercado de 3,5 milhões de veículos por ano. Não é pequeno, nem desprezível, mas se nos isolarmos vamos perder a oportunidade de avançar no mercado global, que soma 90 milhões de unidades”, calcula.

O executivo aponta que o potencial da indústria nacional para exportar vem sendo demonstrado ao longo de 2017. Com acordos comerciais costurados recentemente e empenho das empresas, mais de um terço dos 1,48 milhão de veículos produzidos no Brasil em 2017 foram vendidos a outros mercado. “Na indústria de autopeças, 32% da nossa atividade foi para exportação”, estima, somando os negócios feitos diretamente para o aftermarket e os componentes que saem do Brasil já embarcados nos carros feitos aqui e vendidos fora pelas montadoras.

SEM MEDIDAS EXCLUSIVAS PARA O SETOR DE AUTOPEÇAS

Ioschpe acredita que o papel do Rota 2030 será intensificar este fluxo. O desenho do programa reune empenho do governo, de uma série de entidades, como o Sindipeças, e de especialistas. Ao contrário do que poderia se esperar, o presidente da organização não defende medidas direcionadas à cadeia produtiva, que segue enfraquecida por anos de perda de competitividade e, mais recentemente, pela crise. Na visão dele, criar um programa que ajude o setor automotivo a fazer carros exportáveis, com metas de segurança e eficiência energética é o pilar mais importante, o que vai estimular o avanço das empresas de autopeças.

Outro salto, diz, está em garantir mais oportunidades para que as fabricantes de componentes acessem programas de fomento à inovação e ainda iniciativas de treinamento e capacitação da gestão, por exemplo. Em paralelo, ele defende que, pouco a pouco, o governo trabalhe na solução de problemas já muito conhecidos do País, como questões de infraestrutura, de tributação e de custos trabalhistas - este último, na visão de Ioschpe, deve ter avanço importante com a nova legislação.

O presidente do Sindipeças avalia que este trabalho na indústria pode evoluir ainda que o cenário político permaneça instável. “Estamos falando de uma visão para o País. O Brasil precisa encontrar uma agenda que contemple a integração competitiva. É algo que se auto-alimenta independentemente de um governo ou de outro e traz otimismo e atratividade para novos investimentos”, diz.

Comentários: 1
 

Paulo Marchina
08/08/2017 | 07h52
Parabéns pela matéria. O Sr. Ioschpe demonstrou claramente qual o caminho quem nossa indústria principalmente a automobilística deve seguir. A Industria 4.0 está ai e precisamos correr atrás dos anos perdidos. Precisamos incentivar a compra de equipamentos modernos e fusões com fornecedores destes para proporcionar aquisição de conhecimento e fabricação. Nossa indústria necessita se revigorar tecnicamente e principalmente capacitar nossos técnicos em novas tecnologias. A exportação será sem duvida grande salto que precisamos e devemos perseguir.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 13/12/2017
Requisitos de segurança têm de se adequar à realidade local de mercado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
DE CARRO POR AÍ | 15/12/2017
Governo oferece incentivo para instalação de fábrica em Itumbiara
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
AUTOINFORME | 15/12/2017
Coreia constrói ambiente urbano planejado e inteligente
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018