Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Kwid deve liderar vendas da Renault no Brasil

Lançamentos | 03/08/2017 | 22h10

Kwid deve liderar vendas da Renault no Brasil

Montadora aposta em estilo de SUV e preço popular para ganhar mercado

PEDRO KUTNEY, AB

Após mais de um ano lançando pílulas sobre o seu novo modelo de entrada no Brasil, incluindo mostrar o carro em feições finais ao público em dois salões (São Paulo e Buenos Aires), divulgar preços, abrir pré-venda dois meses antes do lançamento oficial e veicular publicidade na TV para provocar o rival Volkswagen Up!, a Renault finalmente começou a distribuir o compacto Kwid à rede de concessionárias no País e entregar o produto aos primeiros clientes. A Renault não revela projeções, mas investe bastante para tornar o Kwid um dos carros mais vendidos do País.

Para isso a montadora lançou mão da estratégia de colar no Kwid imagem de SUV urbano popular (leia mais sobre as características do carro aqui), para assim explorar o estilo de veículo mais desejado atualmente pelo consumidor brasileiro com o preço acessível da categoria, que até agora só tinha ofertas acima dos R$ 70 mil. O Kwid se propõe a ser um SUV pela metade desse valor, com três versões de R$ 30 mil a R$ 40 mil.

O novo carro de entrada da Renault traz o conceito de SUV para uma categoria mais barata. Ao menos na pré-venda via internet aberta em junho, com pagamento de R$ 1 mil para reservar o Kwid, a estratégia funcionou: “O resultado foi quatro vezes maior do que esperávamos e 85% das pessoas que reservaram eram clientes de outras marcas”, afirma Luiz Pedrucci, novo presidente da Renault no Brasil, que dirigia a operação da fabricante na Colômbia e assumiu o novo posto há um mês.

PRODUÇÃO EM ALTA

Pedrucci não revela quantas unidades do Kwid já foram reservadas, “porque ainda não são vendas confirmadas”, mas confirma que a fábrica de São José dos Pinhais (PR) já começou a operar em três turnos, com a contratação de mais 600 empregados (além dos 700 que já haviam sido contratados em junho) para atender a demanda em alta pelo novo carro, que deverá ajudar a elevar a produção deste ano para mais perto de 200 mil unidades (contra 150 mil em 2016) e deixar a planta mais próxima de sua capacidade máxima de 320 mil/ano em 2017. Nessa conta também entram as exportações, que começam este ano para a Argentina e depois para outros mercados regionais. Por enquanto, na América Latina o Kwid será feito somente no Brasil.

O Kwid deve em breve se tornar o campeão de vendas da marca no País. “Ainda não sabemos se de fato será, mas a expectativa é vender mais do que o Sandero, que já é o quarto carro mais vendido aqui (este ano até julho, com 45,5 mil unidades emplacadas)”, argumenta Pedrucci.

Aqueles que reservaram o Kwid há dois meses começam a receber o carro este mês, mas quem fez a pré-compra mais recentemente só poderá girar a chave de seu veículo em novembro. “Trabalhamos com estoques mínimos para este modelo, só o necessário para demonstração nas concessionárias”, diz o presidente da Renault. Todas as vendas do modelo, ele explica, são feitas pela internet, tanto em casa ou como na concessionária.

Apesar da cautela em revelar projeções, fica claro que o Kwid carrega boa parcela da responsabilidade de aumentar a participação de mercado da Renault no Brasil. Hoje a marca é a sétima mais vendida com 7,34%. A meta é chegar a 8% nos próximos anos. Por isso o carro consumiu parte significativa do programa de investimento da empresa no País – que em 2011 partiu de R$ 1,5 bilhão para expandir a capacidade da fábrica, recebeu mais R$ 500 milhões em 2014 para o período até 2019, já incluindo a produção de Kwid e Captur, e nesta semana foram anunciados mais R$ 750 milhões na ampliação e modernização da unidade de fabricação de motores (leia aqui).

“Investimos todos esses recursos porque acreditamos que o mercado brasileiro vai crescer, tem potencial para isso”, afirma Pedrucci. A direção da Renault no País aposta alto na retomada com o Kwid, que como compacto popular trafega na faixa de mercado que mais caiu por falta de crédito, confiança, desemprego e debilidade financeira de seus compradores. Ainda assim, o segmento de entrada segue sendo relevante e responde por cerca de um quarto dos emplacamentos. Poderá avançar mais se voltar a atrair clientes de menor poder aquisitivo que buscam o seu primeiro zero-quilômetro, em um país que ainda tem baixo índice de motorização.

Assista abaixo entrevista exclusiva de Luiz Pedrucci, presidente da Renault do Brasil, sobre o Kwid



Tags: Kwid, Renault, lançamento, SUV, popular.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência