NOTÍCIAS
03/08/2017 | 22h00

Lançamentos

Renault Kwid quer ser SUV popular

Carro espartano apela ao estilo mais desejado do mercado


PEDRO KUTNEY, AB

Em toda comunicação e publicidade do seu novo carro de entrada, a Renault aposta todas as suas fichas para convencer os consumidores de que o Kwid é realmente um SUV, porque se conseguir pode tornar o carro um campeão de vendas, que está a um só tempo na faixa de preços mais baixa do mercado e no segmento de maior sucesso (leia mais sobre a estratégia de mercado para o Kwid aqui).

Há alguns anos, o Kwid teria sido lançado como versão cross aventureira de um hatch compacto, mas com o boom do mercado de utilitários esportivos, ele já foi projetado para nascer sem escalas como um microsuv urbano. A Renault justifica o colar a classificação SUV no Kwid ao destacar seus traços de design mais “musculosos” e relatar as medidas do carrinho, com altura do solo (180 mm) maior que a de um hatch comum, além de ângulos de entrada (24°) e de saída (40°) próprios de um veículo mais disposto a enfrentar solos irregulares – no caso, os endêmicos buracos, valetas, lombadas e toda sorte de irregularidades encontradas em ruas brasileiras e de outros países subdesenvolvidos, como a Índia, onde o Kwid foi inicialmente projetado e vendido.

A Renault também destaca a posição de dirigir pouco mais elevada e o espaço interno do Kwid proporcionado pela distância entre eixos de 2,42 metros, além de porta-malas de 290 litros, acima dos concorrentes diretos VW Up! e Fiat Mobi. (Sim, a montadora insiste que trata-se de um SUV, mas só o compara com hatches subcompactos.)

Na prática, em um curto teste por ruas de São Paulo, o Kwid mostrou ser bastante mais apertado e espartano do que sua propaganda sugere. Se o motorista medir acima de 1,80 m e ajustar o banco (sem regulagem de altura) para seu conforto, quem vai atrás deve ter medida 20 centímetros menor para não roçar os joelhos no encosto do banco da frente.



VERSÕES

Apesar do acabamento rústico, dá para ter alguma dignidade dentro do Kwid, mas só se a versão escolhida for no mínimo a intermediária Zen (R$ 35.390), que vem equipada de série com direção elétrica, ar-condicionado, acionamento elétrico de travas e vidros dianteiros, rádio com Bluetooth e entradas USB e AUX. Segundo a Renault, esta foi até agora a versão mais procurada na pré-venda do modelo aberta desde junho, escolhida por metade dos clientes que reservaram o carro.

Melhor equipada, a opção topo de linha Intense (R$ 39.990) respondeu por 40% das reservas. Agrega retrovisores elétricos, faróis de neblina, central multimídia Media NAV 2.0 com navegação e câmera de ré, abertura elétrica do porta-malas, rodas de liga leve 14” e chave dobrável.

Muito espartano, o Kwid Life (R$ 29.990) de entrada teve só 10% das reservas. O modelo não tem sequer direção assistida, que a Renault só irá oferecer como opcional a partir de setembro, assim como o ar-condicionado.



SEGURANÇA E ECONOMIA

Para os mercados latino-americanos a Renault trabalhou melhor na segurança do Kwid, que foi muito mal em teste de colisão realizado pelo Global NCAP na Índia, onde não usa airbags e mostrou estrutura frágil. Aqui o Kwid ficou mais pesado, porque incorporou 30% de aços de alta resistência na carroceria e todas as versões vêm de série com dois airbags frontais (obrigatórios por lei no Brasil) e dois laterais para os ocupantes da frente – algo não obrigatório e inédito na categoria na região.

O carro também tem para os assentos dianteiros cintos de segurança com pré-tensionador pirotécnico e dois fixadores Isofix de cadeirinhas infantis. Também obrigatórios por aqui, os freios com ABS (antitravamento de rodas) ajudaram a melhorar o padrão de segurança do Kwid brasileiro.

Todas as versões do Kwid usam o moderno motor flex SCe 1.0 de três cilindros, 12 válvulas, duplo comando de válvulas (DOHC) e bloco em alumínio, que desenvolve 70 cavalos (com etanol), suficientes para carregar bem apenas 758 kg de peso do veículo. O modelo também estreia a transmissão manual de cinco marchas SG1, mais leve e eficiente. já introduzido pela Renault no fim do ano passado nas linhas 2017 do Sandero e Logan.

Muito leve e com essa motorização o Kwid é dos mais econômicos do País, ganhou nota A na classificação do Inmetro/Conpet, com consumo medido de 10,3/14,9 km/l (etanol/gasolina) na cidade e de 10,8/15,6 km/l na estrada. Ajudam na economia os indicadores de troca de marchas e de condução, também de série.

As vibrações irregulares do propulsor tricilíndrico são bastante sentidas no volante quando está em marcha lenta, mostrando que o isolamento é insuficiente.



PROJETO DE BAIXO CUSTO

O novo carro popular lançado agora no Brasil nasceu do projeto da plataforma global CMFA, que começou a ser desenhada para países emergentes ou subdesenvolvidos há seis anos pela Aliança Renault-Nissan, dando origem entre outros modelos ao Renault Kwid e ao Datsun (marca popular da Nissan) Redi Go, ambos introduzidos primeiro no mercado indiano.

Antonio Fleischmann, diretor de projetos da Renault América Latina, conta que o Kwid foi desenvolvido sob o conceito de “inovação reversa frugal”. Segundo ele, normalmente as montadoras retiram conteúdo de plataformas desenvolvidas no exterior para adaptar carros a países de baixo poder aquisitivo. “Na inovação reversa parte-se do princípio contrário, focando no cliente local desde o início, para reduzir os custos ao máximo”, explica.

A Aliança Renault-Nissan criou um time global 100% dedicado a esse conceito de projeto, com o objetivo de reduzir ao máximo a massa dos modelos e assim baixar os custos de produção. Seguindo esse princípio, no Brasil uma equipe de 290 engenheiros dedicou 200 mil horas de desenvolvimento para o Kwid, que rodou 1 milhão de quilômetros e passou por 35 testes de colisão.

Assista abaixo entrevista exclusiva de Luiz Pedrucci, presidente da Renault do Brasil, sobre o Kwid


Comentários: 1
 

Gian
04/08/2017 | 11h54
Só isso já parece ser muito mais que um Mobi ou UP! ... levando-se em conta os preços !!!!

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/08/2017
Mercado deve melhorar no segundo semestre, até por novas ações de varejo

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DE CARRO POR AÍ | 11/08/2017
Carro tem ingredientes para ser um sucesso da Renault
AUTOINFORME | 10/08/2017
Para meio ambiente, carro elétrico no Brasil não tem a mesma importância que na Europa
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes