NOTÍCIAS
28/07/2017 | 19h41

Tecnologia

Para chegar ao carro elétrico, Brasil precisará apostar no etanol

Célula de combustível é oportunidade histórica para o País, diz consultor


GIOVANNA RIATO, AB

Nissan testou no Brasil veículo elétrico a célula de hidrogênio extraído do etanol
A lentidão do Brasil em desenvolver espaço no mercado interno para os carros elétricos pode ser compensada por um já conhecido herói nacional: o etanol. Os carros movidos a célula de hidrogênio extraído do combustível têm potencial para ocupar papel relevante no cenário global. Esta é a opinião de Ricardo Bacellar, líder da área automotiva na KPMG, que defende esta como uma “solução limpa e altamente eficiente.” Ele admite, no entanto, que a tecnologia não está pronta e ainda precisa de desenvolvimento para que sua produção industrial se comprove viável. Para que isso aconteça, aponta, “o governo brasileiro precisa deixar claro qual é o seu apetite para fazer desta uma solução mundial.”

O consultor é categórico ao afirmar que o Brasil está diante de oportunidade histórica com a tecnologia que, para ganhar espaço, exigiria alianças com outros países e incentivos locais ao seu desenvolvimento. Por enquanto, a única fabricante de carros que anunciou estar trabalhando em carros movidos a célula de combustível por etanol é a Nissan (leia aqui). O sistema da marca foi criado no Japão, mas já passou por testes no Brasil com resultados promissores. Segundo a companhia, um modelo comercial do gênero ofereceria custo de apenas R$ 0,10 por quilômetro rodado. Quase igual ao de um elétrico plug-in, que tem valor estimado em R$ 0,09/km.

O BRASIL DIANTE DO AVANÇO GLOBAL DO CARRO ELÉTRICO

“O carro flex seria inviável globalmente porque não há etanol o bastante. Já esta nova solução teria mais espaço porque demandaria volume bem menor do combustível”, avalia Bacellar. Segundo ele, este é o momento para discutir e avançar com o assunto, já que diversos mercados importantes impõem prazos para acabar com o motor a combustão. A Alemanha determinou que a produção de automóveis com o sistema será proibida a partir de 2030 e o Reino Unido determinou prazo mais conservador, em 2040.

O consultor lembra que, embora sem data-limite, o Japão também dá sinais claros de quer seguir o caminho da eletrificação. “O governo investiu na instalação de 40 mil postos de recarga”, conta. A China aposta em modelos zero emissão para evitar o agravamento de seu problema ambiental. “A questão não é mais se o carro elétrico vai chegar, isso já está definido. Agora estamos no debate sobre quais serão as tecnologias mais usadas. Estudos indicam que, em alguns países, já a partir de 2018 o custo de propriedade de um automóvel elétrico vai se equiparar ao de um veículo a gasolina. Este é um sinal de que esta mudança já está em curso”, diz.

Apesar do bom potencial, posicionar o Brasil entre as peças centrais no mundo em relação ao carro elétrico exige empenho e investimentos que, ao menos por enquanto, não estão em discussão. O País define as regras de sua nova política automotiva, a Rota 2030. Até agora não há qualquer sinalização de medidas de grande impacto para incentivar produção e mercado de modelos zero emissão localmente. Se seguir desta forma, no longo prazo o Brasil pode ficar isolado do mercado global por não oferecer carros elétricos para exportação.

Bacellar, no entanto, garante que ainda é cedo para assumir que o País está fora do jogo. “Este risco existe sim para o futuro, mas apenas se nada for feito para impedir, o que não me parece ser o que vai acontecer. As pessoas envolvidas na elaboração do Rota 2030 estão cientes da necessidade de o País desenhar medidas para carros elétricos”, defende.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade