NOTÍCIAS
24/07/2017 | 18h05

Duas Rodas

Scooters dão salto de 70% no primeiro semestre

Lançamentos e a chegada de novas marcas impulsionam vendas do segmento


MÁRIO CURCIO, AB

Honda SH 150 chegou às revendas em maio por R$ 12.450
Na contramão do setor de motocicletas, que recuou mais de 20%, a venda de scooters no Brasil deu um salto de 70% neste primeiro semestre. De janeiro até junho foram licenciadas cerca de 24,7 mil unidades, ante 14,5 mil no Brasil mesmo período do ano passado. Atualmente, a Honda detém 55,6% desse segmento, mas boa parte da alta pode ser atribuída à concorrente Yamaha, que no primeiro semestre de 2016 havia vendido somente 1,2 mil unidades e na primeira metade deste ano saltou para 9,4 mil.

Sua fatia também é significativa, 42,1%. A Abraciclo, entidade que reúne os fabricantes instalados em Manaus, atribui as boas vendas desse segmento à boa aceitação dos motoristas como segundo veículo, aos lançamentos e à facilidade de pilotagem. Como utilizam transmissões automáticas do tipo CVT, com polias variáveis, é só acelerar e frear, não há trocas de marcha.

O modelo mais vendido atualmente é o Honda PCX 150. Tem preço sugerido de R$ 11 mil e sozinho alcançou 12,8 mil emplacamentos, quase a metade do segmento. Embora bem distante de Honda e Yamaha, a Dafra ocupa o terceiro lugar em scooters. Teve mais de mil unidades emplacadas no semestre. Seu modelo Citycom 300 foi o quarto mais vendido no período, com 622 unidades. Seu lançamento, no começo da década, animou outras montadoras a trazer produtos semelhantes.

MAIS MARCAS CHEGANDO

Em abril deste ano as concessionárias Suzuki passaram a vender scooters de 125 cc da chinesa Haojue e de 300 cc da taiwanesa Kymco. Ambas as marcas são representadas pela JTZ Indústria e Comércio de Motos, uma espécie de divisão dentro da J.Toledo dedicada às duas novas marcas (leia aqui).

Os scooters Haojue e Kymco são nacionalizados em Manaus e utilizam a estrutura de produção e distribuição da J.Toledo. Somaram 248 unidades emplacadas até junho, mais do que os Suzuki Burgman de 125 e 650 cc (221 unidades ao todo).

No segundo semestre de 2016 a italiana Piaggio desembarcou no Brasil por intermédio do grupo investidor Asset Beclly, trazendo scooters Vespa e Piaggio. No entanto, os produtos têm preço elevado (o mais acessível parte de R$ 18,9 mil) e não alcançaram 50 unidades no primeiro semestre.

NOVO HONDA SH 150 AGRADA EM CHEIO

Desde maio a Honda passou a vender o SH 150, que tem motor semelhante ao do Honda PCX, mas é mais potente. Produz 14,7 em vez de 13,1 cavalos. Há várias outras diferenças além da potência. Seu assoalho é plano, o que facilita no momento de sentar sobre o banco, especialmente usando vestido ou saia.

As rodas têm 16 em vez de 14 polegadas e os freios a disco dianteiro e traseiro contam com sistema antitravamento (ABS). Sua chave é do tipo presencial, permite a partida no botão se o chaveiro estiver dentro do bolso, por exemplo.

As suspensões têm curso mais longo e o tornam mais confortável que o PCX 150. O espaço sob o banco, no entanto, é menor que o do outro Honda.


Saída rápida em semáforos e desempenho adequado na estrada são vantagens. Sob o banco cabe só um capacete. Freios a disco com ABS trazem segurança.

Automotive Business rodou cerca de 150 quilômetros e aprovou o SH 150. As saídas de semáforo são mais rápidas que as de motos de mesma cilindrada e os dois freios transmitem muita segurança. A estabilidade em curvas é outro ponto de destaque.

Em uso urbano só não é melhor por causa do peso elevado, de 129 quilos, que, associado à altura do assento de quase 80 centímetros (79,9 cm) obriga o piloto a ter cautela em trânsito pesado.

Na estrada ele faz bonito e consegue manter os 100 km/h. Em descidas leves, passa dos 115 km/h. A média de consumo em uso misto foi de 31 km/l. Seu tanque tem 7,5 litros.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 18/10/2017
Medidas simples e novos estudos ajudam na redução de emissões de CO2

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
DE CARRO POR AÍ | 13/10/2017
Com Jumpy, marca avança em novo território
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
AUTOINFORME | 19/10/2017
Hyundai produz em Ulsan 1,5 milhão de carros por ano