NOTÍCIAS
19/07/2017 | 20h55

Powertrain

Câmbio automático cresce no Brasil sem produção local

Nenhum fornecedor tem plano de investir na localização do componente


PEDRO KUTNEY, AB

Os câmbios automáticos, tradicionais ou do tipo CVT (de polias continuamente variáveis), já equipam boa parte dos veículos produzidos no Brasil, estão em cerca de 25% dos carros vendidos no País, incluindo vários hatches compactos mais populares, mas essa proporção sobe para quase 100% em linhas de sedãs médios, como Toyota Corolla e Honda Civic, ou SUVs, como Honda HR-V e Jeep Compass, só para citar os mais procurados de cada categoria. Contudo, todas essas caixas são importadas e não há no horizonte nenhum fornecedor com planos de localizar a produção do componente.

“Hoje o câmbio automático é uma tendência também no Brasil. O consumidor aqui passou a investir nesse conforto e já vemos aqui muitos carros nacionais, inclusive compactos, usando diversos tipos de caixas automáticas, como de quatro, seis e até nove velocidades, além do CVT”, reconhece Ronaldo Ito, supervisor de projetos de pesquisa e desenvolvimento da japonesa Aisin, que já fornece transmissões automáticas tradicionais e CVT importadas para diversas montadoras no País, como FCA (Fiat e Jeep), PSA (Peugeot e Citroën), Volkswagen e Toyota – esta última sua principal acionista.

Ainda assim, Ito diz que por enquanto não vê nenhuma chance de se produzir este importante componente do powertrain no Brasil. “A Aisin não tem nenhum projeto nesse sentido e não conheço nenhum outro fornecedor que tenha. Ainda não há escala suficiente para isso e não vejo essa possibilidade nos próximos 10 anos”, avalia – mas ressalva que esse quadro pode mudar caso seja introduzida alguma política de incentivo para isso, como poderá ser o caso da Rota 2030, a nova política industrial para o setor automotivo em discussão atualmente no governo.

Ele também lembra que a Aisin só passou a produzir caixa de câmbio manual de seis marchas no Brasil, fornecido para o Toyota Etios, por causa das exigências de nacionalização do Inovar-Auto, programa que termina no fim deste ano. “Não fosse pelo Inovar-Auto, talvez nem isso fosse feito aqui”, diz. Em 2014 a Aisin anunciou investimento de R$ 140 milhões para fabricar em sua planta de Itu (SP) componentes de motor e câmbios para suprir a fábrica de motores da Toyota perto dali, em Porto Feliz (SP); ambas entraram em operação no ano passado.

FALTA DE ESCALA E FORNECEDORES

Ito diz que a escala atual seria suficiente se todos os fabricantes de veículos comprassem de um só fornecedor apenas um tipo de câmbio automático, o que não é o caso. “Existe no mercado hoje uma infinidade de tipos disponíveis, uns usam caixa de quatro velocidades, outros de seis, ou CVT. Não há volume suficiente para cada um desses para justificar a produção local”, explica. Segundo ele, as fábricas de transmissões da Aisin no Japão operam com volumes de 2 milhões a 3 milhões de unidades/ano, algo distante da realidade brasileira.

Outra questão seria desenvolver no Brasil a cadeia de fornecedores para fabricar transmissões automáticas. Ito calcula que ficaria “muito caro” fazer esse desenvolvimento local. Para garantir a qualidade, será necessário importar diversos itens e o componente nacional pode até ficar mais caro do que o importado produzido em larga escala no exterior.

Uma ironia dessa situação é que o mercado brasileiro e alguns outros países subdesenvolvidos sustentam atualmente a escala de produção de alguns modelos ultrapassados de câmbio automático. É o caso, por exemplo, da ineficiente e velha caixa de apenas quatro velocidades fornecida pela própria Aisin para o Toyota Etios nacional, que já não é mais adotada em veículos japoneses. Também é o caso da limitada transmissão automática de quatro marchas que a Renault usa para equipar as versões 2.0 do Duster e Captur, powertrain ainda produzido na França só para exportação ao Brasil e Rússia. A PSA Peugeot Citroën usava a mesma tecnologia obsoleta e somente este ano começa a colocar em seus modelos brasileiros a caixa de seis marchas da Aisin. Apesar da expansão do uso, a nacionalização do componente segue incerta.

Comentários: 4
 

Gian
20/07/2017 | 08h01
É incrível a falta de respeito ao consumidor brasileiro !!! Não há investimento, só sugam o mercado e querem investimentos do governo ... PA-LHA-ÇA-DA ... Acho que o potencial brasileiro para que tenha uma produção local já existe mais que o suficiente, é só eles não "incentivarem" o uso do câmbio automático cobrando mais por ele ... Por essas e outras sou a favor de mais ciclo faixas, restrições, rodízios e qualquer outro programa que TIREM os carros das vias !!!! Mercado cão, mundo cão

Paulo Roberto de Jesus
20/07/2017 | 17h12
Se todos pensassem assim, até hoje estaríamos importando carros inteiros da Alemanha, EUA, Inglaterra, Japão, etc. Sem uma política séria de nacionalização, as montadoras vão sempre preferir o caminho do lucro mais fácil. É claro que não se pode comparar a produção do Japão, com a do Brasil. Por isso é sempre necessário um apoio a industria nascente. Afinal do que é feito uma caixa de câmbio automática? Aço, ligas especiais, rolamentos, componentes eletrônicos e mão de obra especializada? Tudo isso temos no Brasil. Então é só vontade "política" de nacionalizar. Caso contrário, vamos continuar exportando milhares de toneladas de comodites, fazer saldo na balança comercial e importar as novidades tecnológicas do primeiro mundo.

Skamynosflaw
20/07/2017 | 17h56
Gian, porque esse ódio todo contra o automóvel em um site sobre eles? Você está no lugar errado. E, quando passar mal e precisar de socorro, vá com uma bicicleta-ambulância.

Gian
24/07/2017 | 09h21
Skamynosflaw, é ódio relacionado ao mercado automobilístico e sendo aqui um espaço que trata desse assunto (também), acredito que seja o local mais adequado para se levantar essas questões. Acho que você não soube compreender o foco da crítica ! Provavelmente você é um daqueles que acham que o carro popular deve mesmo custar os R$45k (com os itens básicos dos carros modernos - Direção Elétrica, Ar e Airbags, no mínimo, afinal o Brasil é um país moderno também). Se você está satisfeito com o modo que as empresas tratam você, como consumidor, sorte sua! Eu me sinto muito incomodado e é como disse: Falta de respeito ao consumidor brasileiro !!!! Ah, estamos em um país moderno ao ponto de que se precisar de socorro e não tiver o carro por convicções próprias, chamo um UBER !!!! ... ódio ao mercado, não ao carro ... "Modernizesse" meu caro !

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/08/2017
Mercado deve melhorar no segundo semestre, até por novas ações de varejo

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DE CARRO POR AÍ | 11/08/2017
Carro tem ingredientes para ser um sucesso da Renault
AUTOINFORME | 10/08/2017
Para meio ambiente, carro elétrico no Brasil não tem a mesma importância que na Europa
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes