NOTÍCIAS
17/07/2017 | 23h55

Indústria

NSK comemora 45 anos com crescimento e contratações

Empresa quer chegar a 4 milhões de rolamentos/mês até o fim do ano


MÁRIO CURCIO, AB | De Suzano (SP)

Fábrica de Suzano terá cerca de 430 funcionários até o fim de agosto
A NSK do Brasil comemorou no dia 17 de julho os 45 anos do primeiro rolamento saído de sua fábrica de Suzano (SP). A companhia de origem japonesa vive um bom momento no País com o mercado de reposição, exportações e o crescimento da produção de veículos com destino também ao mercado externo.

“A fábrica tem 22 linhas de produção e quase todos os setores estão passando para três turnos. Entre julho e agosto vamos aumentar o número de pessoas em 7%”, afirma o diretor comercial, Alexandre Fróes, referindo-se a uma contratação próxima a 30 pessoas, já que a planta de Suzano tem cerca de 400 funcionários.

Em 2016 a produção local teve crescimento “de dois dígitos” sobre 2015 e neste primeiro semestre de 2017 houve alta de cerca de 6% sobre o mesmo período do ano passado, de acordo com Fróes. “Em junho de 2015 produzimos 2,5 milhões de rolamentos. Em junho deste ano atingimos 3,5 milhões e estamos estudando formas de chegar aos 4 milhões mensais até o fim do ano”, diz o executivo, confiante na demanda interna e exportações.

“Tivemos um primeiro trimestre muito forte no mercado interno com o fornecimento aos fabricantes de máquinas agrícolas e para automóveis também. Nas exportações houve uma demanda grande para os Estados Unidos. As vendas para a Argentina também aumentaram”, diz. A empresa tem um escritório no país vizinho, outro no Chile e também envia seus rolamentos ao Uruguai e Paraguai, onde há representantes comerciais. Mas só Brasil e México têm fábrica na América Latina.

NSK
Primeiro rolamento NSK feito em Suzano é de 17/7/1972; empresa produz desde o rolamento de roda comum até o de 3º geração, aquele com sensores integrados no alto da imagem direita (fotos: Mário Curcio).

Vale ressaltar que o crescimento em 2017 será sustentado por todos os segmentos em que a NSK atua no Brasil. Cinquenta por cento dos rolamentos que saem de Suzano são para o setor automotivo (veículos leves, pesados e motos) e os outros 50% têm como destino o segmento que ela classifica como industrial, composto por máquinas agrícolas, motores elétricos e bombas, entre outros.

Um setor que tem ajudado a trazer volume para a fábrica é o de duas rodas. A empresa fornece para a maioria das fábricas instaladas em Manaus e desde o fim de 2016 ampliou sua atuação no mercado de reposição de motos. A ação começou no Centro-Oeste (veja aqui) e, segundo Fróes, já obtém bons resultados também no Sudeste.

EM SUZANO, A PRIMEIRA NSK FORA DO JAPÃO

A unidade de Suzano foi a primeira da NSK erguida fora do Japão. Produziu 1,15 bilhão de rolamentos desde 1972. Fabrica rolamentos de 2,6 a 20 centímetros de diâmetro, mas também revende modelos menores ou maiores que estes, trazidos de outras plantas. É a única indústria de rolamentos no Brasil a fabricar as próprias esferas. No setor automotivo, produz desde os rolamentos de roda comuns até os de terceira geração, já com sensores eletrônicos integrados.

Para as montadoras de motos são fabricados cerca de 170 modelos, que resultam num fornecimento mensal de 800 mil unidades. A fábrica brasileira também tem o próprio centro tecnológico, um dos 14 existentes.

Em novembro do ano passado a companhia chegou aos 100 anos. Em todo o mundo a NSK tem 64 fábricas, em 12 países. O faturamento no ano fiscal de 2016 foi de US$ 8,9 bilhões.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 13/12/2017
Requisitos de segurança têm de se adequar à realidade local de mercado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 15/12/2017
Governo oferece incentivo para instalação de fábrica em Itumbiara
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 15/12/2017
Coreia constrói ambiente urbano planejado e inteligente
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
INOVAÇÃO | 18/12/2017
Se quiser continuar vendendo veículos, indústria precisará pensar além do produto
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018