Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Instabilidade faz Anfavea adiar nova previsão

Mercado | 06/07/2017 | 20h2

Instabilidade faz Anfavea adiar nova previsão

Mas indica viés positivo para veículos leves e de queda nos pesados
SUELI REIS, AB

Nem mesmo o aumento de 3,7% das vendas de veículos no primeiro semestre - a primeira reação positiva após três anos consecutivos de queda do mercado – animou a Anfavea a apostar em números maiores para o ano. As montadoras comemoram o fato de já ter ultrapassado a casa do 1 milhão de unidades licenciadas na primeira metade do ano, mas veem com cautela a instabilidade que ainda ronda o mercado, ainda reflexo da falta de confiança do consumidor gerada por dois fatores: crédito ainda restrito e crise política.

-Veja aqui os dados da Anfavea até junho
-Veja aqui outros dados de vendas, exportações e produção
-Veja outras estatísticas em AB Inteligência

Segundo o presidente da Anfavea, Antonio Megale, o nível de aprovação dos financiamentos está em um dos patamares mais baixos já registrados pelo setor, com média de 40%: “Em junho, o nível ainda ficou abaixo da média histórica, que é de 60%, 65%”, informa durante a apresentação do balanço do semestre em encontro com a imprensa realizada na quinta-feira, 6, em São Paulo.

Megale revela que a Anfavea iniciou conversas com os bancos públicos a fim de tentar destravar as concessões ou pelo menos diminuir o nível de restrições para a tomada de crédito. Também faz parte da conversa tentar achar uma forma de acelerar o repasse da redução da taxa de juros (Selic), que segundo o executivo, ainda não chegou na sua totalidade para os consumidores.

Com isto, a Anfavea diz que vai esperar mais um ou dois meses para analisar a necessidade de refazer sua projeção de vendas no mercado interno. Contudo, Megale diz que há claros indícios de viés positivo para o segmento de veículos leves, em detrimento do segmento pesado, que oscila entre a estabilidade e nova queda. Por enquanto, mantém a previsão que foi divulgada no início do ano, que aponta para alta de 4% das vendas totais sobre 2016, para algo em torno de 2,13 milhões de unidades, das quais 2,06 devem ser de automóveis e comerciais leves (alta de 4%) e 65,6 mil caminhões e ônibus (alta de 6,4%).

“Os elementos ainda são frágeis para fazer uma nova previsão de vendas. Queremos um pouco mais de precisão; há de se considerar que o segundo semestre é em geral melhor que o primeiro, então vamos esperar pelo menos mais um mês. O que não queremos é fazer nova projeção e depois tornar a fazer”, reforça Megale.

Ele também deverá considerar outros fatores em sua nova análise, como a expectativa de novo corte da taxa de juros, que deve ser de 0,75 a 1 ponto porcentual, com expectativa de chegar ao fim do ano em 8,5%. “Outro aspecto é que precisamos de estabilidade política no País, embora parece haver um descolamento gradual do setor econômico do político; a economia está rodando e apresentando resultados de forma independente”, afirma. “Com a definição da questão política e das reformas, principalmente a trabalhista que está em curso, devemos ter uma visão mais clara do comportamento do setor para avaliar nossas previsões”, completa.



Tags: Anfavea, vendas, mercado, projeção, Antonio Megale.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência