NOTÍCIAS
05/07/2017 | 20h44

Negócios

Volkswagen: nova gama de produtos para reconstruir imagem

Empresa confirma picape, três SUVs e um modelo elétrico


GIOVANNA RIATO, AB | De Taubaté (SP)

Depois de fechar os últimos anos com perda de participação nas vendas de veículos no Brasil, a Volkswagen acelera seu plano para fortalecer a posição local e reconstruir a imagem que permanece amparada por sucessos do passado. A ideia é lançar novos modelos, entre nacionais e importados e reformular a oferta de veículos. “Os primeiros sinais dessa reestruturação vão começar a aparecer nos próximos meses, mas vamos levar de três a cinco anos para ter uma mudança completa e mais consistente”, conta David Powels, CEO da montadora para o Brasil e a América do Sul. Os planos incluem o lançamento de três SUVs e o de uma picape média.

Segundo ele, a empresa pretende enxugar o número de versões oferecidas para os seus carros, algo que já começou na atualização mais recente do Up! (leia aqui). Com a ação, a Volkswagen quer ser mais assertiva com o consumidor. Dentro desse plano, o Gol continua com papel relevante na marca como modelo de entrada, com produção concentrada na fábrica de Taubaté, assegura Powels. O Up! aparece em seguida, com maior valor agregado. A gama Fox, que parecia não ter espaço nos novos planos da marca, fica, como garante o executivo. “Vamos nos concentrar nas versões mais aventureiras”, conta.

NOVOS MODELOS

Powels prefere não dar muitos detalhes sobre o posicionamento dos carros que ainda não foram lançados, mas que chegarão em breve. Ainda assim, ele confirma que a empresa prepara uma nova picape. A promessa é de que a Saveiro permaneça na gama, mas no fim de 2018 ganhe uma irmã maior par brigar no crescente segmento de picapes médias.

Já entre novembro e dezembro deste ano começa a ser feito o Polo na fábrica da Anchieta - a produção pré-série já foi iniciada, aponta a companhia. No início de 2018 chega ainda o sedã Virtus. O executivo promete para o médio prazo três SUVs: um compacto que será lançado em até dois anos, a nova geração do Tiguan, que começa a ser fabricada no México em 2018 e será importada para o Brasil e ainda um terceiro modelo, sobre o qual Powels não deu qualquer detalhe pois “ainda está em estudo”.

UM VW ELÉTRICO PARA O BRASIL

“Estamos no Brasil há 65 anos e temos muitos fãs da marca. Por isso, queremos subir um patamar. Vamos recorrer também a modelos importados”, diz. Ele promete inclusive a chegada de um carro elétrico. “No Brasil não vejo um horizonte de grandes volumes de modelos com esta tecnologia que justifique a produção local. Ainda assim, isso faz parte da nossa estratégia global e estamos desenvolvendo carros zero emissão lá fora. Vamos trazer uma opção para o Brasil que vai colaborar com este reposicionamento da marca. Será algo de nicho”, conta.

Além de comandar os negócios da marca no Brasil, o executivo tem sob sua responsabilidade 26 mercados da América so Sul, Central e Caribe que, nas contas dele, somam até 1,7 milhão de carros por ano. A fatia da Volkswagen nesse bolo, no entanto, é pequena, inferior a 3%. Incomodado com o número tímido, ele planeja elevar as exportações a partir do Brasil e elevar este porcentual para 3,3% já em 2017. Em três anos o plano é responder por 5% destas vendas e, em 10 anos, chegar a 7%.

Comentários: 3
 

William
05/07/2017 | 21h58
Me recordo do tempo em que a Volkswagen lancava seus veiculo e a cada lancamento mudava apenas lanternas,setas,farois e o veiculo era o mesmo ou seja fazia a populaçao de trouxa e ganhou muito dinheiro e tomou do proprio veneno.

joao carlos pertussati
06/07/2017 | 10h10
Para começar a reconstruçao da marca tem que resover os problemas que voces não resolveram por ex; motor 370 ,osclientes estao totalmente abandonados.

Rogério Duarte Ferreira
06/07/2017 | 14h49
E não só por este aspecto de apenas fazer um pequeno facelift no produto. Tem também a grande queda na qualidade dos mesmos. Sendo que sempre vendeu a imagem de um produto sem falhas mecânicas. O que atualmente é muito corriqueiro em seus produtos de linha. Sem contar no acabamento interno muito pobre e sem tecnologia embarcada em seus modelos atuais. Tudo isso resultou na perda de sua majestade no topo de vendas aqui no Brasil.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 24/11/2017
Renault pode produzir no Brasil o novo Niva em 2021
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018