Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Vendas de importados recuam 27% no semestre
José Luiz Gandini, presidente da Abeifa

Mercado | 05/07/2017 | 17h36

Vendas de importados recuam 27% no semestre

Abeifa projeta crescer só em 2018 com o fim dos 30 pontos adicionais de IPI

SUELI REIS, AB

Apesar da aparente recuperação das vendas do mercado de automóveis no Brasil, nada mudou para o segmento de importados, que continua com desempenho negativo. Segundo dados divulgados na quarta-feira, 5, pela Abeifa, entidade das importadoras de veículos, os emplacamentos de suas 17 associadas caíram 27% no acumulado dos seis primeiros meses do ano sobre igual período do ano passado, ao passar de 18,2 mil para 13,2 mil unidades.

-Veja aqui os dados da Abeifa
-Veja aqui outros dados dos importadores
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência

A média diária dos emplacamentos fechou junho em 126,7 unidades, o melhor mês do ano até agora, mas equivalente ao pior mês do ano passado em termos de volume por dia útil. Em 2016, a entidade entregou pouco mais de 35,8 mil veículos no Brasil.

Segundo o presidente da entidade, José Luiz Gandini, só em 2018, com o fim dos 30 pontos adicionais de IPI aplicados sobre veículos importados para quem não tem fábrica no Brasil e previsto para terminar em 1º de janeiro próximo, é que o segmento voltará a registrar crescimento no País.

“Eu não acredito em grandes crescimentos, mas vamos crescer sim. Não tenho agora como precisar um porcentual, mas eu apostaria em algo em torno de 30%, 40%”, afirma Gandini, que aposta em alta de até 3% para o mercado total de veículos em 2017.

Sua projeção para os importados em 2018 pode significar a venda de 35,1 mil a 37,8 mil unidades, caso a previsão para 2017 se consolide. No início deste ano, a Abeifa previa a venda de 25 mil importados: “Como chegamos a pouco mais de 13 mil veículos no semestre, podemos ter um pequeno alento e chegarmos a 27 mil”, projeta Gandini. Caso este número se concretize, isto significará queda de 24,7% sobre 2016.

Gandini recorda que apesar da lógica de crescimento dos negócios para o ano que vem, o volume previsto está muito distante do recorde de 2011, quando o setor atingiu as 199 mil unidades licenciadas.

“Não vamos mais atingir este volume, não vejo condições de repetir o recorde, é totalmente inviável”, lamenta. “Em partes, porque no auge de 2011, tínhamos um dólar a R$ 1,60. Para 2018, esta média deve ficar no mínimo em R$ 3,30”, projeta.

O executivo informa que há previsão de que novamente o setor deve registrar sobra de cotas não utilizadas por outras marcas. Vale lembrar que cada importadora recebe um volume limitado a 4,8 mil veículos por ano (dependendo da média de vendas dos últimos 3 anos) e sobre a qual não incide os 30 pontos porcentuais adicionais de IPI. Gandini diz não acreditar que o governo vá decidir qualquer mudança sobre as cotas não utilizadas. A Abeifa solicitou ao MDIC a permissão de realocar estas cotas para outras marcas a fim de utilizá-las em sua totalidade. “É um absurdo, não tem cabimento; não quer arrecadar? Deixa a gente pagar imposto; mas não adianta, ninguém vai assinar nada do jeito que as coisas estão”, afirma referindo-se à turbulência política do País.

Apesar dos negócios ainda em baixa, a rede de concessionárias se mantém em 450 casas, o mesmo patamar registrado no fim de 2016. O número de empregos

“Tenho convicção de que vai aumentar um pouco no ano que vem. AS empresas estão se planejando agora, depois que ficou claro que não haverá mais o IPI maior com o novo Rota 2030. Não descarto também a possibilidade da volta de algumas marcas, como SsangYong ou a própria Geely, mas outras chinesas [Jimbei, Hafei, Changan] não acredito que voltem ao mercado brasileiro.”



Tags: Vendas, importados, Abeifa, IPI, José Luiz Gandini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência