NOTÍCIAS
20/06/2017 | 01h00

Lançamentos

Com CVT, Renault quer dobrar venda do Captur

Versão 1.6 com a nova transmissão custa a partir de R$ 84,9 mil


PEDRO KUTNEY, AB | De Niterói (RJ)

Com o bem equilibrado conjunto de motor 1.6 de 120 cavalos e câmbio automático tipo CVT (sigla em inglês para transmissão continuamente variável) que passa agora a integrar a gama do Captur no País, a Renault espera mais que dobrar as vendas do SUV, lançado em fevereiro passado só com a opção 1.6 manual ou com o ultrapassado e beberrão 2.0 automático de quatro velocidades. A direção da Renault no Brasil avalia que daqui para frente o Captur 1.6 SCe X-Tronic CVT será responsável por 60% das escolhas dos clientes pelo modelo, fazendo a versão 2.0 baixar dos atuais 60% para 20% e a 1.6 manual de 40% para 20%. No total, a projeção é que a nova oferta da gama faça o conjunto dos emplacamentos do Captur crescer de mil por mês registrados desde o lançamento há três meses para algo em torno de 2 mil/mês.

“A nossa linha de produtos está trazendo bons resultados este ano. De janeiro a maio conseguimos avançar 0,1 ponto (porcentual) a participação de mercado da marca, que foi de 7,3% contra 7,2% no mesmo período do ano passado. Esperamos crescer mais agora com o Captur CVT e dobrar as vendas do modelo no País”, diz o recém-chegado colombiano Alejandro Botero, vice-presidente comercial da Renault do Brasil, que agora ocupa o cargo deixado no início do ano por Gustavo Schmidt, que se transferiu para a Volkswagen.

Segundo números da Renault, o Captur já cumpre seu papel de atrair novos clientes. Até agora, metade dos compradores do SUV não pensavam antes em ter um Renault e apenas 5% deles tinham a intensão de comprar o Duster – o outro SUV da marca no País, sobre a base do qual o Captur nacional foi desenvolvido (leia aqui). “Isso mostra que praticamente não houve canibalização (do Captur sobre o Duster) e que expandimos nossa base de clientes”, afirma o argentino Federico Goyret, diretor de marketing também recém-chegado ao Brasil para substituir Bruno Hohmann, em março expatriado para comandar a operação da Renault na Holanda, logo após o lançamento do Captur.

PREÇOS

Com a chegada da versão CVT, a Renault calibrou os preços da gama do Captur para concorrer com Jeep Renegade, Honda HR-V, Hyundai Creta e o “irmão” de Aliança Nissan Kicks, com quem divide o mesmo powertrain.

Foi mantido na tabela o valor de R$ 78.900 da versão de entrada Zen 1.6 com câmbio manual, mas a opção topo de linha Intense 2.0 automático passou dos R$ 88.490 anunciados no lançamento para R$ 91.900, porque agora só é oferecida completa com a incorporação de pintura bi-tom e bancos revestidos em couro.

O valor do Captur Intense 2.0 AT foi empurrado para cima para encaixar entre a opção de entrada e topo os preços das versões 1.6 automáticas, a começar pela Zen 1.6 CVT por R$ 84.900 e a Intense 1.6 CVT por R$ 88.400 – ou seja, o Captur 1.6 CVT mais caro tomou o lugar que antes era do 2.0 AT.

As duas versões CVT do Captur são bem equipadas, incluindo direção eletro-hidráulica, acionamento elétrico de vidros, travas e retrovisores, ar-condicionado (digital automático no Intense), quatro airbags (frontais e laterais), controle de estabilidade (ESP da Bosch) e tração, controle de velocidade de cruzeiro, rodas de liga leve de 17 polegadas (diamantadas na opção mais cara), chave-cartão com sensor de aproximação (keyless) e sistema de som. A versão Intense acrescenta de série sensores crepuscular e de chuva, faróis de neblina LED com direcionamento e o sistema multimídia MediaNav com navegador por GPS e câmera de ré – que custa R$ 2,5 mil como opcional no Zen 1.6. A pintura bi-tom com teto em cor diferente aumenta R$ 1,4 mil no preço.

SOLUÇÃO ACERTADA

“Este câmbio CVT é o que melhor representa a amplitude da Aliança Renault-Nissan, com mais de 1 milhão de caixas como esta vendidas no mundo (em carros das duas marcas)”, lembrou Goyret, ao destacar as vantagens da aplicação da solução em veículos. Segundo ele, o Captur CVT mostra-se 3,5% mais econômico na estrada do que o equipado com transmissão manual, e “gasta apenas 3% mais em uso urbano, o que pode ser considerado bom em comparação com o automático”. Com apenas duas polias continuamente variáveis em diâmetro, que transmitem a força do motor às rodas no lugar das engrenagens de uma caixa de câmbio tradicional, o CVT simula até seis velocidades mas é mais confortável ao não transmitir os pequenos trancos das trocas de marchas. Também é 10% menor do que uma caixa automática e 13% mais leve, o que beneficia o consumo.

O CVT X-Tronic da Aliança Renault-Nissan traz ainda uma evolução em relação ao CVT tradicional: a cinta metálica que corre entre as duas polias variáveis não precisa ser banhada em óleo, recebe apenas um spray de lubrificante, o que reduz o arrasto do conjunto e, por consequência, deixa o motor trabalhando mais “solto”, com melhor desempenho e economia de combustível. Em uma volta com o Captur CVT pela orla de Niterói, o modelo mostrou um conjunto bem ajustado, silencioso, com desempenho bastante confortável para o uso urbano (não houve test-drive em estrada), sem engasgos ou morosidade nas retomadas. Esta opção pareceu bem melhor do que o cansado conjunto motor 2.0 com transmissão automática de quatro marchas.

Apesar do powertrain antiquado e pouco eficiente, a Renault continuará a vender a versão automática 2.0 do Captur. “Existem clientes que fazem questão da potência maior de quase 150 cavalos e por isso queremos oferecer esta opção”, justifica Goyret. Segundo ele, a caixa CVT não é compatível com o motor de 2 litros, por isso não será possível adaptar a solução no Captur topo de linha, que só passará por atualizações mecânicas no futuro, segundo o diretor de marketing. Mas a caixa continuamente variável da Aliança Renault-Nissan deverá ser aproveitada em outro modelo da linha Renault no Brasil: ainda este mês as versões 1.6 do Duster deverão ganhar a opção CVT.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 24/11/2017
Renault pode produzir no Brasil o novo Niva em 2021
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018