Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/06/2017 | 14h30

Importadores anotam alta de 25,1% em maio

No acumulado do ano, porém, retração se mantém acima de 30%

REDAÇÃO AB

As 17 filiadas à Abeifa, entidade que reúne importadores e parte dos fabricantes de veículos, registraram em maio a venda de 2.558 unidades, uma alta 25,1% sobre abril. No entanto, o confronto com maio de 2016 resulta em queda de 5,1%.

No acumulado do ano, os associados anotaram 10,7 mil veículos licenciados, volume 30,7% menor que nos mesmos cinco meses do ano passado.

O presidente da Abeifa, José Luiz Gandini, recorda que o desempenho do mercado nacional de automóveis e comerciais leves até maio mostra crescimento em todas as comparações, enquanto os importados só registraram alta de maio sobre o mês anterior, que teve quatro dias úteis a menos.

“Isso se deve exclusivamente porque nossos produtos estão sob regime de exceção, com 30 pontos percentuais adicionais do IPI, até o limite de 4,8 mil unidades pode ano”, diz.

- Veja aqui os emplacamentos das associadas até maio
- Veja aqui outros dados da Abeifa
- Veja em AB Inteligência estudos e estatísticas periódicas para download

Com os emplacamentos de maio, pouco menos de 2,6 mil unidades, a participação das associadas à Abeifa foi de 1,35% do mercado total de automóveis e comerciais leves (190,1 mil unidades). No acumulado, o market share foi de 1,34% (10,7 mil unidades, do total de 802,3 mil).

Quando considerado o total de importados, ou seja, incluindo-se também aqueles trazidos pelas montadoras, as associadas à Abeifa responderam, em maio, por 12,3%. No acumulado do ano são 12%.

PRODUÇÃO LOCAL

Entre as associadas à Abeifa que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover, Mini e Suzuki fecharam maio com 1,6 mil veículos emplacados, registrando acréscimo de 43,8% sobre o mês anterior.

No confronto com maio de 2016 o aumento é de 31,8%. No acumulado, as cinco associadas à Abeifa totalizaram 5,8 mil unidades emplacadas, acréscimo de 47,5% decorrente da produção da Jaguar Land Rover.

Gandini volta a se queixar da sobretaxação porque acredita que a importação de veículos em nada vai afetar a balança comercial, hoje favorável ao Brasil por causa do crescimento de exportações de veículos: “Não há qualquer sentido em frear as importações”, conclui.



Tags: Abeifa, José Luiz Gandini, importadores, BMW, Chery, Land Rover, Mini, Suzuki.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência