Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo: automação gera economia de R$ 25 milhões no canavial

Negócios | 31/05/2017 | 21h10

Volvo: automação gera economia de R$ 25 milhões no canavial

Brasileira Usaçúcar usa tecnologia para melhorar produtividade

GIOVANNA RIATO, AB | De Maringá (PR)

A Volvo tem no Brasil parte importante de sua estrura global para desenvolver caminhões autônomos. A primeira ofensiva local nessa área começou há pouco mais de um ano, quando a companhia firmou parceria com o Grupo Usaçúcar para testar a tecnologia na colheita da cana-de-açúcar. Com sede em Maringá (PR), o cliente tem 10 usinas no Brasil com toda a produção voltada às exportações. Com mais de 60 anos de história, há 30 a empresa familiar mantém frota exclusiva de caminhões da marca sueca. Os veículos são usados no transporte das 18 milhões de toneladas de cana produzidas anualmente.

A iniciativa foi apresentada na quarta-feira, 31, por executivos brasileiros e globais a jornalistas de diversos países. “A Usaçúcar nos desafiou a resolver um problema de produtividade deles e este é o resultado”, conta Wilson Lirmann, presidente da companhia para a América Latina. Ele conta que, até afora os testes mostram benefícios inquestionáveis. A Usaçúcar calcula que o aumento da produtividade se traduza em economia da ordem de R$ 25 milhões por ano para a empresa.

A questão era bastante lógica e tradicional entre as empresas que atuam no setor sucroalcooleiro. Cada plantio de cana-de-açúcar garante cinco safras, uma por ano. A questão é que, com o processo mecanizado, a colheitadeira e o caminhão onde as plantas colhidas são jogadas precisam andar lado a lado na lavoura sem passar em cima dos broto, evitando o chamado pisoteio.

A questão é que impedir o atropelamento a compactação é humanamente impossível porque há apenas 30 centímetros de distância entre as fileiras de cana. Na época da colheita, o trabalho acontece 24 horas por dia, sete dias por semana. “São três turnos. A missão pode ser um pouco mais simples para quem trabalha durante o dia, mas quando está escuro o motorista não consegue enxergar nada, apenas tenta acompanhar a colheitadeira”, conta Paulo Meneguetti, diretor da Usaçúcar. Pelas contas dele o prejuízo é superior a 20% por colheita. “A cada plantio, dos cinco anos acabamos perdendo um”, calcula.

Para resolver o problema, a Volvo equipou um VM preparado para operações fora de estrada com sensores de movimento e de localização de alta precisão - basicamente o kit que será vendido no pacote de assistência à direção Tracking Assistance, que será lançado na Fenatran, em outubro (leia aqui). A diferença é que, neste caso, a condução é efetivamente automatizada, equivalente ao nível dois, em que o motorista não precisar usar os pés ou as mãos, apenas permanecer atento ao trajeto. O veículo roda com precisão de dois centímetros e meio, o que evita o temido pisoteio dos brotos de cana e, assim, as perdas significativas a cada plantio.

Uma das limitações é que o veículo não é capaz de frear sozinho caso uma pessoa passe diante dele, por exemplo. “Desenvolvemos o que era necessário para esta aplicação, que acontece em circuito fechado e portanto não tem este como um pré-requisito, já que o motorista está no caminhão e pode frear. A ideia é criar a solução mais eficiente pelo menos custo”, esclarece Lirmann.

Nem toda a operação é automatizada. Estes veículos fazem o chamado transbordo da cana, levando ela do campo e despejando nas máquinas da usina - etapa que segue feita pelo condutor, mas os executivos da Volvo e da Usaçúcar garantem que a operação ficou bem menos estressante para os profissionais. “O motorista é essencial nesse processo e continuará assim mesmo com a automação”, garante Meneguetti.

A Volvo investiu no projeto parte dos US$ 1,6 bilhão que tem programado globalmente para o desenvolvimento de produtos. O cliente não aportou capital, apenas horas de trabalho de três de seus engenheiros, que se somam aos 19 engenheiros da montadora entre o Brasil e a Suécia que se debruçaram sobre o programa.

Quando a solução deixar de ser piloto e estiver no mercado para valer, Lirmann calcula que o investimento do cliente se pagaria em pouco mais de uma safra. Um belo argumento de vendas para que a companhia comece a fazer dos caminhões autônomos um negócio rentável no Brasil.



Tags: Autônomo, Volvo, Usaçúcar, caminhão.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência