Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Indústria automotiva tem dificuldade para gerar retorno sobre investimentos

Negócios | 12/05/2017 | 17h30

Indústria automotiva tem dificuldade para gerar retorno sobre investimentos

PwC aponta que a evolução tecnológica do carro ainda não se paga

GIOVANNA RIATO, AB

A necessária evolução tecnológica dos veículos, com avanço da conectividade e da autonomia, traz mais desafios do que parece. Esta é a conclusão da PwC, que pesquisou o assunto com o estudo 2017 Automotive Trends. “A indústria automotiva cresce em vendas e em lucratividade globalmente, cenário aparentemente positivo. Na análise aprofundada, no entanto, isso não é suficiente para compensar os investimentos cada vez maiores que é preciso fazer para reinventar o carro”, resume Nelson Gramacho, sócio da consultoria no Brasil.


- Veja aqui o estudo da PwC
- Confira mais estudos e estatísticas em AB Inteligência

Em 2016 a demanda por carros avançou 4,8% e chegou a 88 milhões de unidades. As margens de lucro subiram ao maior patamar em 10 anos tanto para montadoras quanto para sistemistas, indica o levantamento. Por outro lado, o retorno para os acionistas encolhe ano a ano, assim como o retorno do investimento para as empresas. “Os números apontam que o setor é um lugar menos atrativo e lucrativo para se investir do que outras indústrias”, evidencia o estudo. Diante deste cenário, a consultoria indica que poucas empresas devem sobreviver aos próximos cinco anos, com dificuldade para atrair investimentos em um cenário ainda incerto.

“Não é um aporte concentrado e pontual. É uma mudança completa dos produtos e do modelo de negócios, que acontece em ritmo cada vez mais acelerado”, diz Gramacho. O especialista destaca que o esforço é para transformar o automóvel em mais um gadget para os consumidores, a exemplo de dispositivos como tablets e smartphones. A questão é que este novo contexto ainda é incerto, sem garantia de retorno futuro para os investidores.

MUDA A DINÂMICA DA CADEIA PRODUTIVA


A incerteza na indústria automotiva atinge o relacionamento entre montadoras e fornecedores. “É algo que está estruturado há décadas sem grande mudança. Olhando para frente, fornecedores não-tradicionais ganham importância e o limite da atuação de cada elo da cadeia produtiva fica mais tênue e começa a ser repensado, com fabricantes de veículos entrando em áreas que tradicionalmente não eram delas”, descreve o consultor. Gramacho destaca que a estrutura existente passa por consolidação, com uma série de fusões e aquisições para garantir o fornecimento das tecnologias necessárias para o carro do futuro.

As montadoras, por sua vez, tentam se aproximar de ambientes inovadores, como o Vale do Silício, e frequentemente investem sozinhas em algumas tecnologias. “Ainda não está claro qual é o caminho e quais serão os vencedores, por isso o ambiente é tão incerto para os investidores. Existe uma dúvida sobre a capacidade da indústria de trazer bons resultados nesse novo contexto”, avalia.

No Brasil, Gramacho avalia que a preocupação é em conseguir acompanhar o ritmo acelerado das mudanças. Localmente, com a crise, o consultor diz que as montadoras tomaram ciência da necessidade de apoiar fornecedores. “Prova disso é o esforço destas empresas para formular a Rota 2030, política industrial que vai substituir o Inovar-Auto. A indústria está hoje muito mais preocupada em estabelecer as bases para a competitividade."

REVOLUÇÃO NO DESIGN DO AUTOMÓVEL

Uma das áreas que deve receber investimento nos próximos anos é o design interno dos veículos, diz Gramacho. “Até hoje as empresas se preocuparam muito com o desenho externo dos carros, que é algo que atrai muito o consumidor. A questão é que os veículos autônomos invertem essa lógica”, determina. Ele enumera possíveis transformações no painel e nos recursos de conforto e entretenimento, tendo em vista que, com a automação, o veículo não terá motorista, apenas passageiros. “As empresas precisam pensar em como promover interação interna maior, com mobilidade dos assentos que não comprometa a segurança.”



Tags: indústria, automotiva, investimento, lucro, PwC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência