Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 11/05/2017 | 20h37

Uber: compartilhamento de carros resolve mobilidade urbana

Diretor da empresa diz que autônomos reduzirão em 90% os veículos nas ruas

GIOVANNA RIATO, AB

A Uber foi criada em 2009 sem grandes pretensões. A ideia era só oferecer uma solução de transporte rápido na época em que chamar um táxi poderia acarretar espera de 30 minutos. Anos depois, além de se tornar a maior plataforma de transporte individual do mundo, o negócio provocou uma externalidade bastante positiva: reduzir o trânsito de grandes cidades. Ao menos esta é a conclusão de Daniel Mangabeira, diretor da empresa no Brasil.

“Há 1,2 bilhão de veículos em circulação no mundo, mas as ruas e artérias das cidades são um bem escasso”, diz. O executivo destaca que os carros são responsáveis por 22% das emissões de gases do efeito estufa do planeta. No Brasil, os congestionamentos causam R$ 156 bilhões em perda de produtividade para a economia, aponta.

“Não nascemos para resolver a mobilidade urbana, mas ao longo do tempo percebemos que podemos ser parte da solução”, disse o executivo em palestra no Growth, Innovation and Leadership Summit, o GIL 2017, promovido pela Frost & Sullivan em São Paulo na quinta-feira, 11. Segundo ele, esta característica é mais evidente no serviço conhecido como Uber Pool, em que o aplicativo leva até quatro pessoas que saem de lugares próximos e têm destinos parecidos. Nas contas dele, em 2016 o uso do serviço fez com que carros deixassem de rodar 502 milhões de quilômetros no mundo com só um passageiro. “É uma forma de melhorar a ocupação da nossa frota também”, diz.

Ao deixar de circular os milhões de quilômetros adicionais, Mangabeira aponta que a frota parceira da empresa deixou de emitir 55 mil toneladas de CO2 e economizou no consumo de 23,4 milhões de litros de combustível. Os números são grandes mesmo com a participação modesta da modalidade nas corridas feitas pela plataforma de transporte: só 4% das viagens são de Uber Pool, número que deve subir para 25% até 2030, calcula.

Para o executivo, a maior ruptura deve acontecer com a chegada de carros autônomos nos próximos anos e com a integração deles na frota da empresa. Mangabeira destaca um número apurado em estudo da Morgan Stanley: os carros sem motorista têm potencial para diminuir em 90% o número de carros nas ruas. “Por isso já começamos a trabalhar para desenvolver e integrar estes modelos à nossa frota”, diz, destacando que o porcentual só será tão significativo se o uso dos veículos for compartilhado.



Tags: Uber, compartilhamento, carros, autônomo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência