Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Caminhões se mantêm abaixo da expectativa
Da esq. para a dir.: Alcides Cavalcanti (Volvo), Luis Gambim (DAF), Marco Borba (Iveco), Ricardo Alouche (MAN L.A.), Eronildo Santos (Scania) e Roberto Leoncini (Mercedes). Foto: Luis Prado

Comerciais | 17/04/2017 | 18h17

Caminhões se mantêm abaixo da expectativa

Primeiro trimestre gera dúvida sobre o tamanho do segmento em 2017

DÉCIO COSTA, PARA AB

O desempenho abaixo da expectativa no primeiro trimestre para o segmento de caminhões mais uma vez frustrou os principais atores da indústria de veículos pesados, contrariando projeções otimistas do fim do ano passado e começo deste.

O sentimento foi comum aos participantes do painel “O Desafio dos Veículos Comerciais” ocorrido durante o VIII Fórum da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 17, no Golden Hall do WTC, em São Paulo. Apesar da frustração, todos ainda apostam no início da retomada, apenas não conseguem dizer quando.

De janeiro a março de 2017 as vendas de caminhões alcançaram pouco mais de 9,6 mil unidades, volume 26,3% inferior ao registrado em iguais meses do ano passado, quando o mercado absorveu 13,3 mil unidades.

“Realmente havia uma expectativa de melhoria no ambiente de negócio desde o fim do ano passado, mas, infelizmente, o mercado ainda não reagiu”, observou Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing e pós-vendas da MAN Latin America. “Cabe observar, no entanto, que acreditamos em um resultado positivo, com crescimento gradual nas vendas a cada mês.”

De acordo com os participantes do painel, o resultado apurado no primeiro trimestre gera inclusive dúvidas em relação à projeção da Anfavea, de crescimento de 6% nas vendas de veículos pesados em 2017, para 65,6 mil unidades.

“Além de um primeiro trimestre ruim, o ritmo de vendas de abril também se mostra fraco até agora, apontando para encerrar como o pior do ano”, revelou Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “Caso não haja avanço nos emplacamentos, não vejo luz no fim do túnel.”

Mesmo a esperada safra recorde, que serviria para aumentar as vendas de caminhões pesados, não funcionou como era esperado pelo segmento. “O empresário do campo comprou insumos com o dólar em alta e, hoje, vende sua produção com preços mais baixos”, observou Alcides Cavalcanti, gerente de vendas do Grupo Volvo. “O que realmente impulsionará os negócios de caminhões será a melhora da economia. Nem mesmo financiamentos subsidiados adiantariam neste momento.”

Para enfrentar o período de dificuldade os representantes das montadoras presentes no painel garantiram que fizeram o dever de casa e que tanto os estoques quanto a produção estão ajustados com a nova realidade, portanto em conformidade com a demanda do mercado. “Com a crise que se arrasta há mais de dois anos ficamos precavidos”, disse Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América Latina. “Hoje trabalhamos diante uma situação de relativa estabilidade no que diz respeito ao chão de fábrica.”

Com o objetivo de preservar a saúde das empresas diante de quadro tão dramático, os representantes da indústria de caminhões apontaram como frentes de ataque os serviços de pós-venda. Parte de todos os recentes anúncios de investimento feitos pelas montadoras de caminhões será destinada a desenvolvimento de rede com foco na ampliação da base de clientes.

“Traremos processos globais para fábrica e serviços, ampliação da nossa rede de concessionários para 140 pontos, além de conectividade, de oferecer serviços conectados”, revelou Eronildo Santos, diretor de desenvolvimento de negócios da Scania, em referência aos R$ 2,6 bilhões que a empresa aportará no País até 2020. “O investimento é parte de nosso futuro, para estarmos prontos quando o mercado voltar.”

Para Luís Gambim, diretor comercial da DAF Caminhões, o momento ruim enfrentado pelo segmento de caminhões e pelo País não deve ofuscar a visão de longo prazo. “Para a DAF é um grande desafio competir com marcas já consolidadas no mercado nacional. Nós também não imaginávamos quedas pronunciadas quando a empresa chegou por aqui. Também buscamos alternativas para enfrentar o momento, como a ideia de começar a atuar no segmento de veículos usados e a criação de um banco.”

Assista ao resumo em vídeo do VIII Fórum da Indústria Automobilística:



Tags: Caminhões, agronegócio, MAN Latin America, Ricardo Alouche, Roberto Leoncini, Mercedes-Benz, VIII Fórum da Indústria Automobilística, veículos comerciais, Alcides Cavalcanti, Volvo, Marco Borba, Iveco, Eronildo Santos, Scania, Luís Gambim, DAF, ônibus.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência