Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Montadoras devem se virar com estrutura atual
Da esq. para a dir.: Angel Martinez (Hyundai), Evandro Maggio (Toyota), Roberto Akiyama (Honda) e Tania Silvestre (FCA). Fotos: Luis Prado

Indústria | 17/04/2017 | 16h07

Montadoras devem se virar com estrutura atual

Hyundai, Toyota, Honda e FCA aguardam um mercado mais previsível

SERGIO QUINTANILHA, PARA AB

Em 2016, somente as montadoras asiáticas Hyundai, Toyota e Honda conseguiram bons resultados na indústria de veículos leves. Mas nenhuma delas tem planos de ampliação da capacidade de produção, diante de um mercado ainda deprimido. Foi o que disseram os executivos Angel Javier Martinez (Hyundai), Evandro Maggio (Toyota) e Roberto Akiyama (Honda), no painel Os Cenários para as Montadoras, durante o VIII Fórum da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 17.

O debate ocorreu no Golden Hall do WTC, em São Paulo, e teve também a participação de Tania Silvestre, diretora de vendas da Fiat Chrysler Automobiles (FCA). Todos os participantes do painel foram unânimes em afirmar que o programa Inovar-Auto, que começou em 2012 e terminará ao fim deste ano, teve efeito positivo para a indústria automobilística.

Das quatro empresas, porém, o Inovar-Auto mexeu com a estratégia de apenas duas: Hyundai e FCA. Os executivos da Toyota e da Honda disseram que o investimento em seus produtos ocorreria mesmo sem o programa de fomento à indústria. “Para a Toyota, o Inovar-Auto foi positivo por ter trazido investimento e inovação, pois melhoramos os carros em eficiência e segurança. Mas a Toyota teria de fazer esse movimento mesmo sem o programa”, disse Maggio, diretor de vendas, pós-vendas e desenvolvimento de rede da empresa.

“Não podemos esquecer que na época (do surgimento) do Inovar-Auto o cenário era diferente, com previsão de grande crescimento”, observou Akiyama, vice-presidente da Honda Automóveis. “De qualquer forma, mesmo com a crise, acabou sendo positivo por ter melhorado a eficiência dos motores, mas o retorno do investimento nesse momento é penoso.” Por causa disso ele descartou a possibilidade de a Honda finalmente iniciar no curto prazo as atividades da fábrica de Itirapina (SP), que está pronta, mas sem operar. “Itirapina existiria mesmo sem o Inovar-Auto, pois em 2015 tivemos um volume de 150 mil carros e a capacidade de produção de Sumaré é de 120 mil unidades.” Com a capacidade de produção toda ocupada, a chegada do WR-V para reforçar a marca no segmento que mais cresce, o de SUVs, seria o motivo que faltava para a Honda iniciar as operações em Itirapina? “Não podemos contratar 2 mil funcionários para produzir em dois turnos cerca de 60 mil carros sem ter a certeza de que o mercado está num momento melhor”, disse Akiyama.

A necessidade de maior previsibilidade do mercado foi destacada pelos quatro executivos. No caso da Hyundai, mesmo que venha a perder sua excelente posição atual (quarto lugar), a marca coreana não quer falar em ampliação. “O resultado de 2016 não era o objetivo da empresa, pois nossa capacidade produtiva é de apenas 180 mil unidades”, disse Martinez. “Com relação a 2020, se o mercado crescer, com apenas uma fábrica evidentemente não conseguiremos manter essa posição, pois não teremos como produzir tanto.” Martinez disse também que a Hyundai está satisfeita com a parceria que tem com o Grupo Caoa, de forma inédita na atuação global da marca. “Por questões históricas a Hyundai opera no Brasil de forma específica. A Caoa produz três veículos da marca e também distribui toda a linha de importados e 20% do HB20. Com ela conseguimos oferecer a linha completa no País”, explicou.

Sobre o crescimento de 2,6% obtido pela Toyota no ano passado, Evandro Maggio afirmou que não foi o resultado de uma estratégia exclusiva para 2016. “Isso vem de um trabalho de três a quatro anos, fazendo modificações nos produtos, no marketing e no pós-venda para que os consumidores queiram comprar um Toyota”, afirmou. “Acreditamos que o Corolla pode manter sua quinta posição no ranking dos carros mais vendidos, pois todas as mudanças foram feitas em cima do que escutamos dos clientes e da mídia especializada. Além disso o carro é dinamicamente superior ao anterior.” Mesmo assim, ele disse que não há planos de nacionalizar o câmbio automático do sedã. Maggio destacou também o bom momento do Etios: “Esse era um carro difícil para nós, mas fizemos 14 mudanças para melhorar sua imagem e agora ele disputa o oitavo ou o nono lugar entre os mais vendidos, além de ter 33 mil unidades exportadas.”

Outro assunto destacado no painel foi a gangorra que existe dentro da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), com a Fiat caindo e a Jeep subindo. “A estratégia da FCA é utilizar as cinco marcas que tem no mundo para operar no mercado brasileiro”, explicou Tania Silvestre. A empresa vende também veículos das marcas Chrysler, Dodge e RAM no Brasil. “Estamos satisfeitos com essa estratégia, pois a FCA é líder do mercado com quase 18%, está em primeiro lugar na venda de SUVs e lidera também o segmento de picapes, com a Toro e a Strada”, destacou.

A executiva da FCA afirmou ainda que os modelos Renegade e Compass “são distintos, um atua no segmento SUV-B, outro no SUV-C e são complementares”. Está no radar da empresa exportar esses modelos para o maior número possível de países da América Latina, inclusive o México. Tania acredita que a marca Fiat também terá recuperação em vendas com a chegada de seus novos carros médios ainda este ano – sendo um hatch fabricado no Brasil e um sedã feito na Argentina. Os modelos ainda não tiveram seus nomes revelados e são conhecidos pelos códigos de projeto: X6H (hatch) e X6S (sedã).

Assista ao resumo em vídeo do VIII Fórum da Indústria Automobilística:



Tags: Montadoras, Hyundai, Toyota, Honda, FCA, Fiat, Chrysler, Angel Javier Martinez, Evandro Maggio, Roberto Akiyama, Golden Hall, WTC, Itirapina, WR-V, Corolla, X6H, X6S, X6H.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência