Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 17/04/2017 | 13h40

Déficit na balança de autopeças deve chegar a US$ 6 bi

Sindipeças revisa projeção e prevê saldo negativo maior que o de 2016

ALZIRA RODRIGUES, PARA AB

Em contraste com a perspectiva anterior de redução do déficit da balança comercial de autopeças este ano, a nova projeção do Sindipeças, agora com base nos dados do primeiro trimestre, é a de o setor atingir saldo negativo superior ao de 2016. De acordo com o presidente da entidade, Dan Ioschpe, os números do início deste ano sinalizam para um déficit em torno de US$ 6 bilhões, ante os US$ 4,5 bilhões projetados anteriormente e os US$ 5,25 bilhões de 2016.

Em sua participação no VIII Fórum da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business segunda-feira, 17, no Golden Hall do WTC, em São Paulo, o presidente do Sindipeças comentou que o setor não é contra as importações, mas disse serem necessárias medidas de estímulo às exportações para que a indústria deixe de ter déficit.

“A balança comercial envolve a questão da competitividade. Precisamos ser mais competitivos para exportar mais e também é fundamental que tenhamos um câmbio neutro e maior número de acordos internacionais.” Um dos problemas que geraram aumento no valor das importações no primeiro trimestre deste ano, segundo Ioschpe, foi justamente o câmbio. “O real neste início de ano está mais apreciado que em 2016.”

O Sindipeças mostra-se menos otimista que a Anfavea em relação ao ritmo de retomada do mercado brasileiro. Enquanto a entidade que representa as montadoras projeta produção de 2,4 milhões de veículos, equivalente a uma alta de 11,9%, o Sindipeças estima algo em torno de 2,23 milhões, ou seja, um pequeno crescimento de 3% sobre 2016. E a recuperação, na avaliação de Ioschpe, será lenta.

“Somente em 2020 ou 2021 deveremos retomar os números de 2015, voltando à casa dos 2,5 milhões de veículos produzidos”, comentou.

PESQUISA COM PLATEIA

Durante a participação do presidente do Sindipeças no VIII Fórum da Indústria Automobilística foi realizada pesquisa eletrônica sobre os problemas e desafios da indústria de autopeças. Entre as questões abordadas, a evolução atual do câmbio foi considerada favorável por 51% dos participantes do evento, enquanto 39% a avaliaram como desfavorável e o restante indiferente.

A maioria, 68,7%, acredita em inflação na faixa de 4% a 5%, posição similar à do presidente do Sindipeças: “Apostamos em inflação abaixo de 4%, o que é favorável aos nossos custos. Em contrapartida, esse movimento de depressão que estamos vivendo dificulta a retomada das vendas e, consequentemente, nossa recuperação.”

Também foi majoritária, com índice de 61,2%, a posição de que o mercado interno de veículos ficará na faixa de 2 milhões a 2,2 milhões de veículos este ano. “Estamos cautelosos e conservadores em relação às nossas projeções”, reforçou Ioschpe. “Como disse, a produção deverá crescer só 3% e assim mesmo motivada mais pelas exportações. O desemprego elevado e a renda comprimida não favorecem a retomada das vendas.”

A queda do mercado interno prejudica montadoras e autopeças igualmente na avaliação de 42,% dos participantes da pesquisa, enquanto 21,9% acham que os fabricantes de veículos são mais afetados e 35,2% consideram os fornecedores os mais afetados. Em uma lista com dez dos principais problemas do setor, os votantes elegeram três como os mais graves: excesso de tributos, margens reduzidas e baixa demanda.

Com relação à ociosidade das empresas, 57,6% dos votantes apontaram para um índice abaixo de 50%. Outros 27% avaliaram que a capacidade ociosa situa-se entre 50% e 60%, enquanto para 15,4% supera os 60%. Na média, segundo o presidente do Sindipeças, a ociosidade chega a 45%, sem perspectiva de redução em curto prazo.

A pesquisa também abordou os reflexos do Inovar-Auto na cadeia automotiva. Apenas 2,8% consideram que o programa trouxe benefícios para as autopeças, enquanto 43,% avaliaram que só as montadoras foram favorecidas. Para os demais, os benefícios foram para os dois lados ou não houve nenhum benefício para ninguém.

Para Dan Ioschpe, o Inovar-Auto foi uma forma equivocada de resolver os problemas de aumento das importações de veículos. “Para as autopeças o resultado do Inovar-Auto foi o recorde de déficit na balança comercial”, enfatizou o executivo.

Para este ano a entidade estava projetando exportações de US$ 6,96 bilhões e importações de US$ 11,46 bilhões, mas pelo balanço do primeiro trimestre tudo indica que as compras lá fora serão bem maiores que tal estimativa.

Assista ao resumo em vídeo do VIII Fórum da Indústria Automobilística:



Tags: Dan Ioschpe, Sindipeças, déficit, inovar-Auto, importações, WTC, Golden Hall, Atlas Copco, VIII Fórum da Indústria Automobilística.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência