Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 22/03/2017 | 14h53

Diante de críticas, Uber vai rever cultura organizacional

Empresa quer fazer mudanças enquanto o negócio está saudável

REDAÇÃO AB

A Uber anunciou que vai promover mudança em sua cultura interna. A iniciativa foi anunciada por executivas da empresa justamente para remediar acusações de que a companhia seria machista. A engenheira Susan Fowler, ex-funcionária, publicou texto em seu blog afirmando que decidiu sair da organização após ter sofrido assédio e discriminação de gênero. Tanto no país quando no Brasil, motoristas da plataforma de transporte já foram acusados de assediar e estuprar passageiras.

O sexismo é apenas um dos aspectos que arranham a imagem da Uber. A sturtup do Vale do Silício sofre avalanche de críticas internacionalmente e já foi questionada por concorrência desleal com outros aplicativos e ainda pelo aspecto trabalhista. Em fevereiro deste ano, a justiça de Belo Horizonte (MG) tomou decisão favorável a um motorista, atestando que a relação dele com a companhia configurava vínculo empregatício. O anúncio da mudança cultural pretende justamente reverter a imagem de que a Uber é moralmente questionável.

Mesmo diante das acusações, a companhia garante que segue em expansão, com aumento do número de corridas até mesmo nos Estados Unidos, onde uma série de campanhas on-line pedem que os usuários boicotem o aplicativo. “Estamos em uma posição afortunada de poder fazer as mudanças necessárias na empresa enquanto o negócio está saudável”, disse em coletiva de imprensa Rachel Holt, responsável pela estratégia da empresa no Canadá e nos Estados Unidos. A executiva pretende impedir que a imagem da companhia continue a se deteriorar, algo que pode representar uma ameaça real ao sucesso da Uber no futuro.

A plataforma de transporte individual pretende melhorar a relação com os motoristas ao criar mecanismos que garantam receitas mais estáveis, tecnologias para reduzir o estresse da experiência ao volante e para melhorar a comunicação. Arianna Huffington, que integra o conselho de administração, afirmou que há esforço interno para eliminar as situações de machismo e assédio e que não há mais espaço na companhia para “idiotas brilhantes”. Segundo ela, a tolerância para comportamentos desrespeitosos será zero. Como parte do esforço para transformar sua cultura e sua imagem, a Uber vai lançar no fim de março o seu primeiro relatório de diversidade e inclusão.



Tags: Uber, cultura, organização, negócio.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência