Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
AutoAvaliar já atende 1,5 mil concessionárias

Distribuição | 15/03/2017 | 19h48

AutoAvaliar já atende 1,5 mil concessionárias

Empresa lança tabela de seminovos e começa a atender cliente final

GIOVANNA RIATO, AB

Enquanto a crise fez muitos negócios minguarem no setor automotivo, a AutoAvaliar seguiu caminho oposto: consolidou sua plataforma B2B de venda de veículos usados. Ali as concessionárias repassam seminovos comprados dos clientes para uma rede de lojistas independentes por meio de um pregão on-line. Quem pagar mais, leva (leia aqui). O sistema faz girar o mercado de carros de segunda mão, movimento essencial para que as vendas de veículos zero quilômetro aconteçam.

“Historicamente a divisão de usados é o patinho feio das concessionárias, que por muito tempo conseguiram lucrar bastante apenas com modelos zero quilômetro. Agora, com a crise, as empresas precisaram profissionalizar a gestão e trabalhar melhor outras frentes”, diz Daniel Nino, um dos sócios-fundadores da empresa que nasceu em 2015 e já acumula bons números. A empresa atende 1,5 mil concessionárias no País e conta com 18 mil lojistas cadastrados. “Deste total, 4 mil são ativos e fizeram alguma compra nos últimos 60 dias”, calcula.

Com tanta gente negociando, a plataforma promove a venda de cerca de 5 mil veículos por mês. “Superamos as nossas expectativas iniciais”, destaca Nino. Em 2016 foram 55 mil carros anunciados no pregão on-line, com 32 mil negócios fechados. Além da possibilidade de girar o estoque de usados para as concessionárias, ele destaca que a solução da AutoAvaliar promete aumentar a eficiência das compras, já que oferece ferramenta de avaliação de seminovos para os concessionários, algo que em muitos distribuidores faziam sem qualquer parâmetro, com baixa eficiência.

Ao garantir avaliação justa, Nino destaca que os distribuidores melhoram a taxa de conversão – número de carros comprados na comparação com a quantidade de veículos avaliada. “Há empresas que sequer controlam esse número, mas vimos revendas com conversão de 10% a 15%, quando o saudável é pelo menos 25%”. Outro ganho, mais indireto, é para a imagem da loja e experiência do consumidor, diz. “Para não errar, concessionária paga o mínimo mesmo se veículo tiver em bom estado. A questão é que, se a avaliação for ruim, o cliente jamais vai voltar na revenda.”

Nino estima que a solução traga expressivo incremento da margem bruta que as empresas registram com a venda de usados, de entre 2% e 4% para até 12%.

TABELA DE PREÇOS É ESTRATÉGIA PARA CHEGAR AO CONSUMIDOR FINAL

Mesmo com pouco tempo no mercado, a AutoAvaliar conseguiu formar vasto banco de dados com os preços praticados. “Diferentemente do levantamento da Fipe, que é feito por pesquisa, nossos números mostram a realidade. Notamos divergência de 15% a 25% nos valores na comparação com eles”, esclarece. Com estes resultados em mãos, a empresa começa a oferecer no mercado sua tabela de preços já nos próximos meses (veja aqui).

Este será o primeiro passo da AutoAvaliar para construir sua imagem com o consumidor final, algo essencial para sustentar os planos futuros da empresa. “Até o fim de 2017 queremos lançar uma ferramenta C2B”, entrega. A ideia, conta, é permitir que pessoas físicas ofereçam seus carros usados para a base de lojistas da companhia, que terão até 24 horas para dar uma oferta no automóvel.

“Se o cliente colocou seu veículo à venda, é bem provável que ele esteja interessado em comprar um carro. Também queremos ajudar ele nesse processo”, explica. Nesse caso, o cliente diria o modelo em que está interessado e receberia proposta dos concessionários.



Tags: AutoAvaliar, seminovos, plataforma, concessionária.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência