Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 09/03/2017 | 14h52

Resultados do Inovar-Auto decepcionam

Pesquisa feita por AB e Roland Berger revela opinião de executivos

GIOVANNA RIATO, AB

Há três aspectos claros para os negócios no setor automotivo em 2017. O primeiro é a estagnação do mercado brasileiro, que vai levar tempo para se recuperar. Outro é a decepção da indústria com os efeitos do Inovar-Auto, que termina este ano. O terceiro ponto relevante é a necessidade de que a segunda fase do programa tenha foco no fortalecimento da cadeia produtiva e da competitividade, não na atração de investimentos.

-Veja aqui o resultado completo da pesquisa
-Veja mais estudos e estatísticas em AB Inteligência

Essas são algumas das conclusões da pesquisa Cenários para a Indústria Automobilística 2017, realizada pela Roland Berger em parceria com Automotive Business pelo quarto ano consecutivo. Para entender a evolução do ambiente automotivo no País, o levantamento ouviu 468 executivos de alto escalão. Dos respondentes, 50% desempenham função de diretor ou presidente em uma companhia do setor. Parcela de 50% dos entrevistados declarou ainda ter mais de 20 anos de experiência no segmento.

INOVAR-AUTO DECEPCIONA


“Um dos nossos focos nesta edição foi o Inovar-Auto. Ficou claro que, para a maior parte dos executivos, o programa não atendeu as expectativas”, observa Rodrigo Custódio, diretor da Roland Berger. No levantamento, apenas uma minoria de 5% declarou acreditar que todas as montadoras habilitadas alcançarão as metas de eficiência energética.

Dos entrevistados, 56% acreditam que menos da metade ou nenhuma fabricante de veículo vai cumprir o compromisso de eficiência imposto pelo Inovar-Auto. A aposta é que, no máximo, três montadoras serão capazes de superar a melhoria mínima prevista pelo programa, conquistando assim desconto adicional de 1 ou 2 pontos porcentuais no IPI, dependendo do grau de superação da meta. A pesquisa também revela as expectativas para a continuidade do Inovar-Auto que, segundo entidades do setor, não deve se resumir a um único programa, mas reunir uma série de medidas. “As empresas defendem que o foco das iniciativas deve deixar de ser a atração de investimentos e se transformar em ações para o fortalecimento da cadeia produtiva e o aumento da competitividade.” Mais de 90% apontam que os incentivos atuais para a competitividade na cadeia de fornecedores são insuficientes – 41% defendem que essas ações sequer são percebidas pela indústria.

Para 57% dos entrevistados, as ações de continuidade do Inovar-Auto devem priorizar o fortalecimento da base de fornecedores. O aumento da competitividade da indústria nacional e a melhoria do nível de emissões e de eficiência energética aparecem em seguida como os aspectos que os executivos destacam como essenciais para a próxima política industrial. “Questões como aumento do patamar tecnológico dos carros nacionais, investimento em pesquisa e desenvolvimento e recursos de segurança são sugeridos mais para o longo prazo”, aponta Custódio. A maior parte dos entrevistados espera que o novo programa tenha duração de cinco a sete anos, superior à do Inovar-Auto, que vigora desde 2013 apenas por cinco anos. Sobre a próxima meta de eficiência energética, a aposta de 65% dos entrevistados é de que o limite seja de 115 g CO2/km ou de 125 g CO2/km.

MERCADO SEGUE FRACO

“Foi consenso a visão de que 2017 será de estagnação nas vendas de veículos leves, com 65% dos executivos apontando que os volumes poderão variar entre queda de 5% e crescimento de 5% na comparação com o ano passado”, observa Custódio. O levantamento também revelou que a confiança do consumidor, o desenvolvimento econômico e a disponibilidade de crédito são os principais fatores que influenciarão o resultado das vendas. Quando o assunto é o segmento de pesados, 45% esperam expansão leve, de 5% a 10% para 2017.

O caminho da recuperação será longo. O nível recorde de vendas alcançado em 2012, com mercado total superior a 3,8 milhões de veículos, só deve acontecer novamente entre 2019 e 2021 para 30% dos entrevistados. Parcela de 64% dos respondentes acha que este patamar só será atingido no longo prazo, a partir de 2022. Na visão dos participantes do levantamento, não há remédio único para curar a crise nas vendas. Deles, 65% apontam que entre as medidas com potencial para ajudar na retomada está a criação de um programa de renovação da frota. Parcela de 63% destaca a facilitação do acesso ao crédito como iniciativa mais eficaz. Já 55% enxergam a redução de impostos e encargos como o melhor incentivo.

A inversão definitiva da curva de contração, com retomada do crescimento, no entanto, vai ficar para os próximos anos. Para 38%, esse movimento só vai acontecer em 2018. Já 46% esperam expansão apenas depois disso. A ociosidade deve continuar alta nas fábricas do segmento, entre 50% a 65%, apontaram os participantes. O nível ainda é menor do que o registrado em 2016, quando mais de 70% do potencial produtivo para caminhões e ônibus ficou sem uso.



Tags: Inovar-Auto, negócios, automotivo, mercado, indústria.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência