NOTÍCIAS
16/02/2017 | 19h33

Insumos

Continental testa pneu de carga feito com borracha de dente-de-leão

Borracha ecológica deve entrar em produção de larga escala em 5 a 10 anos


REDAÇÃO AB

A Continental amplia sua pesquisa para o uso da borracha derivada do dente-de-leão denominada pela empresa como Taraxagum. Desta vez, a fabricante empregou a nova matéria-prima em um modelo de pneu de carga, que equipa caminhões e ônibus, o protótipo Conti EcoPlus HD3.

Há cinco anos a companhia iniciou o desenvolvimento da nova borracha, cujo nome deriva da definição botânica da planta dente-de-leão. Em 2014 apresentou o primeiro pneu de inverno premium com banda de rodagem feito de Taraxagum e no mesmo ano iniciou os planos de produção do primeiro pneu para veículos comerciais, modelo que necessita de um volume muito maior de borracha natural, entre 20 e 25 quilos, com relação a um pneu de passei, que leva de 1 a 3 quilos.

Segundo a empresa, os testes de desempenho com os pneus comerciais utilizando o novo componente foram promissores, demonstrando que esta é uma boa alternativa à borracha natural de origem tradicional, além de cumpror com os requisitos do segmento de transporte.

No fim de 2016, a Continental anunciou a construção de um centro de pesquisas em Anklam, na Alemanha, para a produção de borracha de dente-de-leão e para a qual planeja investir € 35 milhões até 2021. A estimativa é de que a borracha de dente-de-leão entre em produção de larga escala entre os próximos 5 a 10 anos.

O dente-de-leão russo pode ser produzido em maiores quantidades por hectare do que a tradicional borracha hevea brasiliensis, derivada das árvores tropicais. A Continental também desenvolveu novos processos e métodos produtivos para obter a borracha, que além de pneus, poderá servir para outros tipos de produtos a partir da seiva de látex da raiz da planta.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/08/2017
Mercado deve melhorar no segundo semestre, até por novas ações de varejo

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 18/08/2017
Empresa monta novos planos para mercados emergentes
AUTOINFORME | 17/08/2017
Gastos com veículo vão muito além da prestação
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
Negócios | 08/03/2017
Tecnologia faz parte da receita para sair da crise
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes