Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
PSA pode comprar a Opel da GM

Negócios | 14/02/2017 | 14h50

PSA pode comprar a Opel da GM

Decisão final deve sair nos próximos dias, segundo as empresas

REDAÇÃO AB, COM AGÊNCIAS

O grupo francês PSA negocia com a General Motors a compra da Opel, fabricante alemã de veículos que é controlada pela americana desde 1929. Segundo agências internacionais, as duas empresas confirmaram a negociação nesta terça-feira, 14, e o anúncio do negócio deve ser feito nos próximos dias. De acordo com analistas, a compra de mais uma marca traria maior escala, eficiência e rentabilidade ao Grupo PSA, que junto com as marcas que já possui (Peugeot, Citroën e DS) consolidaria sua posição de segunda maior montadora da Europa. Adicionando a Opel e Vauxhall (marca que atua no Reino Unido) ao portfólio, a participação da PSA no mercado europeu subiria para 16,3% – ficando só atrás do Grupo Volkswagen, que domina 24,1%, de acordo com números do fim de 2016.

Pelo lado da GM, a venda pode significar uma saída “limpa” dos seguidos prejuízos de sua operação europeia, de US$ 257 milhões em 2016 e US$ 813 milhões no ano anterior. Segundo relatou a própria GM na divulgação de seus resultados do ano passado, ficou mais difícil conseguir a estabilidade financeira na Europa depois que o Reino Unido votou pela sua saída da União Europeia, o que desvalorizou a libra e comprometeu os lucros na região, levando em conta que a Opel tem boa presença no mercado britânico com a Vauxhall.

Em comunicado oficial, a GM confirma que as duas empresas “estão explorando numerosas possibilidades de iniciativas estratégicas para elevar a rentabilidade e eficiència operacional, incluindo a potencial aquisição da Opel/Vauxhall pela PSA”. Mas a companhia americana ressalta que ainda “não há nenhuma garantia que um acordo será alcançado” nesse sentido. A PSA também distribuiu comunicado similar.

GM e PSA já mantêm um acordo operacional na Europa para dividir a fabricação de alguns modelos de SUVs e minivans, que já gerou “sinergias substanciais para ambas as companhias e dentro desse escopo as duas empresas examinam regularmente as possibilidades de expansão e cooperação”, diz a GM no comunicado.

A cooperação atual das duas fabricantes de veículos é o que restou de uma tentativa mal sucedida de associação acionária, que terminou em 2013 com a venda de participação de 7% que a GM tinha na PSA. O insucesso da transação levou a PSA, na pior crise financeira de sua história, a buscar a ajuda do governo francês, que comprou 14% das ações do grupo, e vender outros 14% à chinesa Dongfeng Motor, que assim passaram a controlar a companhia em conjunto com a família Peugeot.

O CEO Carlos Tavares assumiu o comando da PSA em 2014 e implantou uma agenda de recuperação que fez a companhia voltar aos lucros e lançar um novo plano estratégico de expansão.

Com a Opel, o grupo francês teria acesso à tecnologia de propulsão elétrica já desenvolvida pela engenharia da fabricante alemã, o que poderá acelerar e ampliar o lançamento de carros elétricos. A fusão também traria ganhos de sinergia em compras conjuntas e cortes de custos.

Sem a Opel, a GM praticamente selaria sua saída do mercado europeu, já que no ano passado a companhia decidiu parar de vender carros Chevrolet na Europa.

Para o Brasil o impacto atual seria pequeno, mas a GM brasileira perderia um importante fornecedor de projetos de carros adaptados ao mercado local, vendido aqui como Chevrolet, mas que tiveram origem na engenharia da Opel. O exemplo mais atual dessa troca é o Cruze, mas da GM Europa já vieram para cá modelos como Opala, Kadett e Corsa, só para citar alguns.



Tags: PSA, Opel, General Motors, GM, Peugeot, Citroën, aquisição, compra.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência